Versão para Impressão

Reforços na preservação da memória da medicina

Através de uma parceria com o Curso Técnico em Biblioteconomia da UFRGS, o acervo bibliográfico do MUHM passou a contar com o auxílio alunos do curso Técnico, sob a orientação da professora Ângela Flach. Para o Museu, o trabalho ajudará a melhorar as condições de preservação dos livros, para os alunos será uma oportunidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos na disciplina de Preservação e Conservação de Materiais. 

A colaboração interinstitucional deverá se estender a outras entidades. Para a recuperação do acervo da Beneficência Portuguesa, incorporado ao acervo do MUHM, um convênio firmado com a UNISINOS e com a Secretaria de Cultura do Rio Grande do Sul está em discussão. Por se tratar de uma importante documentação acerca da história da medicina, do próprio Hospital e, como não poderia deixar de ser, da cidade de Porto Alegre, a recuperação desta documentação será um trabalho prioritário do Museu.


Compartilhe:

Versão para Impressão

História da medicina é tema de um congresso nacional

De 7 a 10 de novembro de 2007 estará acontecendo na cidade de Curitiba-PR o XII Congresso Brasileiro de História da Medicina. O encontro realizado anualmente, em 2006 foi em Goiânia, visa reunir pesquisadores e interessados pelo tema. No Congresso ocorrem conferências, apresentações de pôsteres e temas livres. Maiores informações pelo site:

http://www.eventosprime.com.br/congressosbhm2007/



Compartilhe:

Versão para Impressão

Medicina e poesia

O livro Estrela Boieira organizado pelos Srs. Paulo Pinto e Miguel do Espírito Santo, reúne poesias inéditas de Antero Marques, escritas na maioria entre 1923 e 1930. Antero era natural de São Francisco de Assis, formado em medicina em 1931. O livro deverá ser lançado este ano na Feira do Livro em Porto Alegre. 



Compartilhe:

Versão para Impressão

Campanha por doações de acervos

 O Museu segue sua campanha na busca de doações. Inúmeras pessoas de todo o Estado têm contribuído com o MUHM, auxiliando na construção desta Instituição que pertence à comunidade gaúcha. Documentos (livros, objetos, fotografias...) referentes ao exercício da medicina são bem vindos ao acervo do Museu.


Compartilhe:

Versão para Impressão

Dia do Médico: Museu da História da Medicina é inaugurado hoje, dia 18, em Porto Alegre

Sede do MUHM na Beneficência PortuguesaNesta quinta-feira (18), Dia do Médico, será inaugurado o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM). A instituição abre suas portas com a exposição Olhares sobre a História da Medicina, no prédio histórico do Hospital Beneficência Portuguesa. Já está no ar o novo website do museu, que permitirá a estudantes, pesquisadores e interessados em história médica conhecer o acervo online da instituição, inclusive teses, fotos e objetos. A imprensa e os membros da Associação de Amigos do Museu de História da Medicina serão recepcionados a partir das 18h30min, e a abertura oficial será às 20h, no saguão do hospital.

O MUHM é uma iniciativa do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), e tem como objetivo constituir acervos, cuidando de sua preservação, conservação, organização e divulgação, além de ser um promotor e incentivador de pesquisas sobre a história médica no Estado. O acervo do museu é formado por doações, e já conta com mais de 4 mil peças, divididas entre acervo museológico (instrumentos), acervo bibliográfico (livros) e arquivístico (documentos). Estes registros revelam um pouco da história da medicina e de seus profissionais no Estado, e atestam os percursos tecnológicos, o aperfeiçoamento das técnicas, os tratamentos das doenças e a inserção dos médicos na sociedade. A maneira como determinadas doenças eram concebidas em determinadas épocas, também faz parte do patrimônio do museu. Por mais imemorial e humana que seja a doença, seus tratamentos são históricos e podem ser contados, oferecendo à comunidade informações que tornam possível ler a sociedade sob um determinado ponto de vista, o médico.


Curiosidades


Quem visitar a exposição vai descobrir que o cuidado com a saúde é mais antigo do que a maioria das pessoas imagina. A diferença era como lidar com as doenças, que poderia ser interpretada como ações de forças do mal, resultando na busca por feiticeiros ou sacerdotes como agentes privilegiados de cura. O avanço do conhecimento sobre a anatomia e a fisiologia humana e a identificação das causas das doenças conferiram, aos poucos, o status que médico possui até hoje.

A exposição lança alguns olhares sobre estas práticas que compõem a história da medicina, com destaque para alguns momentos específicos, da época em que eram aplicadas ventosas no corpo até a formação do profissional e surgimento dos hospitais, além de abordar a loucura, as doenças imperceptíveis ao olho humano, a cirurgia, o trabalho das parteiras e fármacos.

 

Serviço

O Museu é credenciado junto ao Sistema Estadual de Museus, participa do Cadastro Nacional de Museus do IPHAN, Ministério da Cultura e é filiado ao Conselho Internacional de Museus. Além da exposição, a equipe administrativa também passará a atender na nova sede. A mudança da equipe técnica e do acervo completo, que continuará na av. Ipiranga, 3501, está prevista para o final de 2007, quando a segunda parte da restauração do espaço estará concluída.



Compartilhe:

Versão para Impressão

Últimas oportunidades para ver a mostra Retratos da Medicina

 

O mês de outubro será um mês intenso na programação da comunidade médica do estado. Nos dias 04 e 05 de outubro a mostra Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul estará no 3º Fórum Qualidade de Vida e Saúde, no prédio 41 da Pontifícia Universidade Católica do RS, seguindo, nos dias 08 e 09, para o Sheraton Hotel, integrando a programação da Jornada Pré-Congresso Brasileiro de Medicina Hospitalar. Já de 10 a 13, o acervo será um dos destaques do XXV Congresso Brasileiro de Psiquiatria, que ocorrerá na FIERGS. Esta será a última oportunidade de conferir a exposição, pois no dia 18, o Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura não apenas uma nova mostra, mas também com a sua nova sede, no prédio histórico do Hospital Beneficência Portuguesa, aproveitando as comemorações do Dia do Médico.

Quem visitar a mostra atual vai encontrar objetos acervo do MUHM do final do século XIX e início do século XX, como a Máscara de Ombredanne, um dos primeiros equipamentos destinados à anestesiologia, que contribuiu enormemente para o desenvolvimento da cirurgia. Outros objetos referem-se à ginecologia, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos e um mini-laboratório portátil para a realização de exames de urina, usado por médicos do interior.

A Exposição se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medica.

 

E no Interior do RS, as exposições também estão encerrando a temporada 2007, após percorrer 15 cidades. Até domingo, Uruguaiana conta com outra parte da mostra Retratos da Medicina, no Centro Cultural Dr. Pedro Marini. Depois o material viaja para Alegrete, onde ficará exposto até 18 de novembro na Associação Médica de Alegrete.

 

Sobre o museu


O MUHM é o primeiro do gênero no Estado e um dos raros no País, com equipamentos peculiares que fazem um retorno ao passado e contrastam com a evolução da medicina atual. O acervo conta com mais de quatro mil livros de Medicina, entre raridades nacionais e estrangeiras, centenas de objetos e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado. "O museu só é realidade graças a doações dos médicos e de familiares destes profissionais que atuaram no estado, além da comunidade", destaca Juliane Serres, diretora da instituição. A inauguração do dia 18 também marcará uma série de eventos em Porto Alegre. A idéia é transformar o espaço em um local discussão e produção de conhecimento em história da medicina.



Compartilhe:

Versão para Impressão

Visitações ao Muhm

O Museu de História da Medicina do RS (Muhm) abriu as portas ao público nesta sexta-feira (19), e já funciona normalmente, de terças a sextas-feiras, das 12h às 20h, e sábados, domingos e feriados, das 15h às 20h. Visitas de grupos podem ser agendadas pelo e-mail museu@simers.org.br ou pelo fone (51) 3029.2900.

Um dia antes da inauguração oficial, os funcionários do Sindicato Médico do RS (Simers), que teve a iniciativa do Muhm, foram recebidos pela diretora do museu, a historiadora Juliane Serres, e pela sua equipe. Os colegas do Hospital Beneficência Portuguesa, que recebeu o museu, também puderam conhecer, em primeira mão, o mais novo espaço cultural de Porto Alegre.

Funcionários do Simers são recebidos pela equipe do Muhm  Visitantes recebem apoio de monitores

Equipe do Hospital Beneficência Portuguesa visita Muhm  Peças despertam a curiosidade

Vista interna do Muhm  Phantom de uma pélvis feminina


Compartilhe:

Versão para Impressão

Fotos da inauguração do MUHM

 Veja como foi a inauguração do Museu de História da Medicina, ocorrida na última quinta-feira (18), com a presença de autoridades, comunidade médica, instituições culturais e membros da Associação dos Amigos do MUHM.


Presidente do Simers, Dr. Paulo de Argollo Mendes  Presidente do Simers, Dr. Paulo de Argollo Mendes

Fachada do MUHM  Diretora do MUHM, historiadora Juliane Serres

Diretora do MUHM, historiadora Juliane Serres  Descerramento da placa de inauguração

Presidente do Simers, Dr. Paulo de Argollo Mendes (E), e a Diretora do MUHM, historiadora Juliane Serres  Secretário Estadual da Saúde, Osmar Terra (E), Diretora do MUHM, historiadora Juliane Serres, e o Presidente do Simers, Paulo de Argollo Mendes


Compartilhe:

Versão para Impressão

Conferência Patrimônio Cultural da Saúde: por um inventário nacional

O evento contará com a presença de Renato Gama-Rosa, pesquisador do departamento de Patrimônio Histórico da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, da arquiteta e diretora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), Maria Beatriz Kotter, e de Adriane Raimann, historiadora do Centro Cultural da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.


Data: 24 de outubro de 2007
Horário: 19h30min
Local: Auditório do Hospital Beneficência Portuguesa - Museu de História da Medicina
Av. Independência, 270
Inscrições*: GRATUITAS - pelo fone 
(51) 3029-2900, e-mail eventosmuseu@simers.org.br
* Será fornecido certificado.



Compartilhe:

Versão para Impressão

Alegrete recebe mostra Retratos da Medicina

 O município de Alegrete recebe, a partir das 19h desta quinta-feira (25), a exposição Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul, do Museu de História da Medicina do RS (MUHM), que ficará exposta até 18 de novembro na Associação Médica de Alegrete. A visitação ocorre de segunda a sexta-feira.

 

Quem visitar a mostra atual vai encontrar objetos acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo.

 

O MUHM é o primeiro do gênero no Estado e um dos raros no País, com equipamentos peculiares que fazem um retorno ao passado e contrastam com a evolução da medicina atual. A idéia é transformar o espaço em um local discussão e produção de conhecimento em história da medicina.

 

O acervo conta com mais de quatro mil livros de Medicina, entre raridades nacionais e estrangeiras, centenas de objetos e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.



Compartilhe:

05/11/2007 | Versão para Impressão

Muhm assina convênio para restauração de documentos da Beneficência Portuguesa

Muhm inaugurou dia 18 de outubro, Dia do MédicoNa próxima quarta-feira (24), às 19h30min, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) assina um convênio com a Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e o Arquivo Histórico do RS, para a recuperação da documentação histórica do Hospital Beneficência Portuguesa. Após o ato, que acontece no auditório do hospital onde está sediado o Muhm, será realizada a conferência Patrimônio Cultural da Saúde: por um inventário nacional. O evento contará com a presença de Renato Gama-Rosa, pesquisador do departamento de Patrimônio Histórico da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, da arquiteta e diretora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), Maria Beatriz Kotter, e de Adriane Raimann, historiadora do Centro Cultural da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.

 

Segundo a diretora do Muhm, a historiadora Juliane Serres, este é o primeiro de uma série de eventos que o museu irá promover. O evento do dia 24 é direcionado para a comunidade acadêmica, profissionais da saúde, história e arquitetura, e tem as inscrições gratuitas. "Pretendemos trazer referências na área de História da Medicina, não apenas locais, mas também de outros estados", relata.

 

Juliane Serres também destaca a importância do convênio que será assinado. "A equipe do museu ganhará um importante reforço técnico e acadêmico para realizar o trabalho, pois contará com alunos do curso de História da Unisinos e a experiência dos profissionais do Arquivo Histórico, garantindo a qualidade e o cuidado que a tarefa exige", explica a diretora.

 

O Muhm

 

Inaugurado no último dia 18, Dia do Médico, o Museu de História da Medicina do RS é uma iniciativa do Sindicato Médico do Estado, e tem como objetivo constituir acervos, cuidando de sua preservação, conservação, organização e divulgação, além de ser um promotor e incentivador de pesquisas sobre a história médica no Estado. O acervo do museu é formado por doações, e já conta com mais de 4 mil peças, divididas entre acervo museológico (instrumentos), acervo bibliográfico (livros) e arquivístico (documentos).

 

 

Serviço
 

Data: 24 de outubro de 2007

Horário: 19h30min

Local: Museu de História da Medicina (Muhm)

Auditório do Hospital Beneficência Portuguesa

Av. Independência, 270

Inscrições: gratuitas, podem ser feitas no local e também pelo telefone (51) 3029.2900, ou ainda pelo e-mail: eventosmuseu@simers.org.br

Maiores informações: www.muhm.org.br

Público alvo: acadêmicos e profissionais da área da saúde, história e arquitetura.

Serão fornecidos certificados de participação.


Compartilhe:

26/10/2007 | Versão para Impressão

Muhm participa do 3º Simpósio Brasileiro de Hansenologia

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) está presente no 3º Simpósio Brasileiro de Hansenologia, que integra a campanha “Se toque, a hanseníase tem cura!”, que será lançada hoje (25), pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. O evento conta com a presença da diretora do Muhm, a historiadora Juliane Serres, que participa da mesa redonda desta sexta-feira pela manhã, falando sobre o Projeto Acervo: pela recuperação da memória dos Hospitais Colônias.


O simpósio acontece no Grand Hotel Ca’ d’Oro, no Centro de São Paulo, e segue até sábado. As entidades realizadoras são o Instituto Lauro de Souza Lima e a Sociedade Brasileira de  Hansenologia. 

A campanha pretende chamar atenção para os sintomas da doença, para que a pessoa procure auxílio médico ainda no seu início. O diagnóstico precoce da doença evita que o paciente tenha seqüelas mais complexas, como a incapacidade física. Se medicado corretamente, já no início do seu tratamento o paciente deixa de transmitir a doença.



Compartilhe:

29/10/2007 | Versão para Impressão

Lobinhos do Colégio Rosário visitam o Muhm

No último sábado (27) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) recebeu a sua primeira visita agendada de grupos em idade escolar. E foi um grupo muito particular: eram todos escoteiros no Colégio Marista Rosário, vizinho do Muhm. Quem procurou o museu foi Viviane Fermiano Alves. Junto com ela, chefes e lobinhos de seis a 10 anos, conheceram a exposição Olhares sobre a história da Medicina.

A equipe do museu recomenda que as visitas de grupos sejam agendadas, para que possa ser dada atenção adequada e direcionada ao grupo.


O Muhm espera que os seus mais novos amigos tenham gostado da visita e que contem para os seus irmãos, pais e amigos - e que voltem com eles. 

Lobinhos do Rosário assinam livro de visitas  Lobinhos do Rosário conhecem as ventosas

Lobinhos do Rosário  Lobinhos do Rosário descobrem a anatomia

Lobinhos do Rosário lêem painéis e conhecem diplomas  Lobinhos do Rosário testam o site do Muhm

Lobinhos do Rosário aprendem sobre história da medicina  Lobinhos do Rosário aprendem sobre história da medicina

Lobinhos do Rosário conhecem antiga farmácia  Lobinhos do Rosário visitam Muhm



Compartilhe:

05/11/2007 | Versão para Impressão

Recuperação de documentos deve iniciar na próxima semana

Equipe analisa documentosA diretora do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) Juliane Serres recebeu, na última quinta-feira (1º), o professor e pesquisador Paulo Staudt Moreira. Como membro do corpo acadêmico da  Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e funcionário do Arquivo Histórico do Estado do RS, Moreira veio avaliar, junto com a arquivista Maria Osmari, do Muhm, as primeiras necessidades para iniciar os trabalhos de recuperação de documentos que devem iniciar na próxima semana. No dia 25, o museu assinou com a Unisinos e o AHRS um convênio para a iniciar a recuperação da documentação histórica do Hospital Beneficência Portuguesa. No mesmo dia, promoveu a conferência Patrimônio Cultural da Saúde: por um inventário nacional. O evento contou com a presença de Renato Gama-Rosa, pesquisador do departamento de Patrimônio Histórico da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, da arquiteta e diretora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), Maria Beatriz Kotter, e de Adriane Raimann, historiadora do Centro Cultural da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. 

 

Segundo a diretora do Muhm, a historiadora Juliane Serres, este foi o primeiro de uma série de encontros que o museu irá promover, direcionados para a comunidade acadêmica, profissionais da saúde, história e arquitetura, com inscrições gratuitas. "Pretendemos trazer referências na área de História da Medicina, não apenas locais, mas também de outros estados", relata. O próximo será em 10 de dezembro.

 
A conferência

Maria Beatriz KotterA diretora do Iphae abriu as discussões sobre patrimônio falando sobre o trabalho do instituto, as ameaças, a degradação e as medidas de proteção disponíveis, além dos projetos em andamento. O mais marcante, segundo a diretora, é o do Hospital Psiquiátrico São Pedro, que é a maior área de interesse social edificada do Rio Grande do Sul e hoje é objeto de estudo de uma “força-tarefa” criada pelo governo estadual.

 

Renato Gama-RosaA conferência Patrimônio Cultural da Saúde: por um inventário nacional foi comandada pelo pesquisador Renato Gama-Rosa, da Fiocruz/RJ. Segundo Gama-Rosa o trabalho começa no Chile com a iminência de destruição de um hospital local, e no Brasil o projeto-piloto foi o dos 150 anos de patrimônio cultural da saúde no Rio de Janeiro (1808-1958). O trabalho, que teve ênfase na arquitetura dos hospitais para a reconstrução dessa história, resultará na edição de um livro e em uma base de dados virtual, e será extendido para outras cidades brasileiras, como São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Goiânia (Goiás Velho), Florianópolis e Porto Alegre. Por aqui, o trabalho, que tem a participação do Muhm, resgatará diversos períodos da história da medicina, recuperando informações de locais como a Santa Casa de Misericórdia, a Faculdade de Medicina e hospitais como a Beneficência Portuguesa, Moinhos de Vento, Parque Belém, São Pedro, entre outros. Alguns desses levantementos já estão concluídos.

 

Apresentação da historiadora Adriane RaimannO trabalho do Centro Cultural da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre foi apresentado pela historiadora Adriane Raimann. O envolvimento da instituição com a Capital e a cultura gaúcha nas últimas décadas foram retratadas nas fotos mostradas pela historiadora, que abordou desde o primeiro hospital até a formação do Complexo Santa Casa, passando pelas fases de crise e reestruturação administrativa, e também por fatos marcantes, como a época da escravidão e o cemitério, que até hoje existe e faz parte da memória dos porto-alegrenses.

  

 


O convênio
 

Documentos da Beneficência PortuguesaJuliane Serres destacou a importância da parceria. "A equipe do museu ganhará um importante reforço técnico e acadêmico para realizar o trabalho, pois contará com alunos do curso de História da Unisinos e a experiência dos profissionais do Arquivo Histórico, garantindo a qualidade e o cuidado que a tarefa exige", explica a diretora. 

Os trabalhos devem iniciar já na próxima semana, com a participação de alunos da Unisinos e a supervisão técnica da universidade, AHRS e Muhm.




Veja mais fotos do evento


Muhm e convidados  Conferência Patrimônio e Saúde

Público compareceu à conferência  Assinatura do convênio



Compartilhe:

05/11/2007 | Versão para Impressão

Diretora do Muhm fala do Projeto Acervo no Rio de Janeiro

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) participa, nesta segunda-feira (05), do II Encontro de Colônias, que segue até 07 de novembro no Rio’s Presidente Hotel, no Centro do Rio de Janeiro. O convite para o evento ocorreu durante o 3º Simpósio Brasileiro de Hansenologia, ocorrido entre 25 e 27 de outubro, em São Paulo, quando a diretora do Muhm, a historiadora Juliane Serres, apresentou o Projeto Acervo: pela recuperação da memória dos Hospitais Colônias, que agora leva o trabalho à Capital carioca.

 

A palestra trata do projeto de levantamento dos acervos históricos disponíveis nos antigos hospitais-colônia do Brasil, sob a coordenação do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan), e do qual o Muhm faz parte. O objetivo da iniciativa é chegar à compilação de um banco de dados de acesso disponível a todos os interessados na história da hanseníase. Também está prevista a digitalização dos documentos considerados prioritários para preservação da memória dos hospitais colônia, obtenção de registros de história oral e um museu virtual com disponibilização dos acervos digitalizados.



Compartilhe:

06/11/2007 | Versão para Impressão

Pesquisadores do Muhm no XII Congresso Brasileiro de História da Medicina

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) estará presente no XII Congresso Brasileiro de História da Medicina, que ocorre de 07 a 10 de novembro em Curitiba, na Associação Médica do Paraná. O historiador Éverton Quevedo apresentará trabalho sobre o acervo fotográfico do Muhm, e a diretora do museu, a também historiadora Juliane Serres, falará sobre o processo de instalação da entidade na Beneficência Portuguesa.

O evento é uma realização da Sociedade Brasileira de História da Medicina (SBHM), e acontece anualmente, desde 1999. A décima edição foi realizada em Porto Alegre, e a do ano passado, em Goiânia, já tendo passado pelo Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais e São Paulo.

Outras informações sobre o congresso podem ser obtidas pelo site http://www.eventosprime.com.br/congressosbhm2007 ou http://www.sbhm.org.br.



Compartilhe:

07/11/2007 | Versão para Impressão

Visita da Faculdade de Tecnologia em Radiologia Saint Pastous

Nesta terça-feira (06) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) recebeu um grupo de 19 alunos do segundo semestre da Faculdade de Tecnologia em Radiologia Saint Pastous. A visita foi orientada pelo historiador Éverton Quevedo, e foi agendada pela professora Sandra Polita. A equipe do Muhm espera que os alunos tenham gostado e voltem mais vezes, com amigos e colegas.

Alunos da Faculdade Saint Pastous  Alunos da Faculdade Saint Pastous

Alunos da Faculdade Saint Pastous  Alunos da Faculdade Saint Pastous

Alunos da Faculdade Saint Pastous  Visitas ao Muhm



Compartilhe:

05/11/2007 | Versão para Impressão

Muhm abre 23ª Semana Acadêmica da FFFCMPA

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) abrirá a programação da 23ª Semana Acadêmica da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre (FFFCMPA), no próximo dia 12 de novembro, que tem como tema Passado e Presente: A Evolução do Conhecimento Médico. A diretora do Muhm, a historiadora Juliane Serres, falará sobre A História da Medicina no Rio Grande do Sul.

 

Segundo Juliane Serres, esta será mais uma oportunidade de aproximar o museu da comunidade acadêmica. Além da participação do Muhm em eventos externos, a instituição promove periodicamente encontros para discussão de temas ligados à área de estudo do museu, e pretende incentivar a produção de conhecimento.

 

A 23ª Semana Acadêmica da FFFCMPA segue até o dia 14 e vai abordar, ainda, temas ligados a doenças cardiovasculares, neorológicas e neoplásicas, antibioticoterapia, diagnóstico por imagem e pesquisa científica, além de permitir a apresentação de trabalhos. A programação completa e outras informações podem ser obtidas no site http://centroacademico.fffcmpa.edu.br.  

 

Parcerias

 

O Muhm conta com algumas parcerias importantes na área acadêmica. No último dia 25, assinou convênio com a Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e o Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul para recuperar a documentação da Beneficência Portuguesa. Com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), tem dois convênios ativos: um para digitalização das teses de medicina, outro que possibilita a participação de alunos de Biblioteconomia nos trabalhos do museu. A equipe da instituição também conta com estagiários de diferentes cursos e universidades.

 

O museu é uma iniciativa do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) que é patrocinador da 23ª Semana Acadêmica. O objetivo do Muhm é o de constituir acervos, cuidando de sua preservação, conservação, organização e divulgação, além de ser um promotor e incentivador de pesquisas sobre a história médica no Estado. O acervo do museu é formado por doações, e já conta com mais de 4 mil peças, divididas entre acervo museológico (instrumentos), acervo bibliográfico (livros) e arquivístico (documentos).

 

Durante a semana acadêmica, os produtos da lojinha do Muhm que normalmente estão à venda em sua sede, também estarão disponíveis em um estande no local.



Compartilhe:

12/11/2007 | Versão para Impressão

Amigos do Muhm trazem familiares para conhecer acervo

Família SchlatterNesta sexta-feira (09) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) recebeu uma visita muito especial: Olga Schlatter, doadora e amiga do Muhm, veio visitar o espaço novamente, agora passado um tempo da inauguração, e trouxe a família. 

Segundo dona Olga, a passagem do filho e da neta, que moram em Santa Catarina, não poderia ser completa sem conhecer o museu que recebeu e eternizou objetos da trajetória de seus antepassados.


Compartilhe:

12/11/2007 | Versão para Impressão

Semana da Consciência Negra: pioneiros do RS são destaque na programação

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) apóia a XVI Semana da Consciência Negra, que iniciou neste domingo (11) e segue até o dia 20, data alusiva à morte de Zumbi dos Palmares. Quem participar da programação da semana, poderá conhecer um pouco da história dos primeiros médicos negros do Estado.

Panatieri em pé, à direita, com seus colegas em 1949.Luciano Raul Panatieri (Porto Alegre, 1897 – 1972). Formado pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre em 1922, é, conforme os registros, o primeiro médico negro formado no Rio Grande do Sul. 

Trabalhou em Rio Pardo e na capital gaúcha. O interesse pela literatura o levou ao Grêmio Rio-pardense de Letras.



Veridiano FariasVeridiano Farias (Rio Grande, 1906 – 1952). Concluiu os estudos secundários aos 36 anos, prestando vestibular para medicina em seguida. Em 1943 foi aprovado, matriculando-se na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, conseguindo transferência para Porto Alegre logo em seguida. Durante os anos de estudo trabalhou como chofer e motoneiro de bonde. Formou-se em 1951 e iniciou a vida profissional no Hospital Colônia Itapuã. Faleceu pouco tempo depois.



Mais fotos

Durante a Semana da Pátria. Rio Pardo, 1934. Panatieri, no canto à direita.

Durante a Semana da Pátria. Rio Pardo, 1934. Panatieri, no canto à direita.




Veridiano Farias

Veridiano Farias



Compartilhe:

15/11/2007 | Versão para Impressão

História das Doenças e Instituições de Saúde: Encontros e (Alguns) Desencontros

O Museu de História da Medicina (Muhm) convida para o seu próximo evento, a palestra

"História das Doenças e  Instituições de Saúde: Encontros e (Alguns) Desencontros"
com o Prof. Dr. Luiz Antonio de Castro Santos
 
Apresentação: Profa. Dra. Beatriz Teixeira Weber
Dia: 10/12/2007
Horário: 19h30min
Local: 
Auditório da Beneficência Portuguesa - Av. Independência, 270

O evento é gratuito e a participação ocorre mediante inscrição pelo telefone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail eventosmuseu@simers.org.br.

Será conferido certificado aos participantes.  
 
 
 


Compartilhe:

27/11/2007 | Versão para Impressão

Muhm na revista Vox Médica





Texto publicado na 
Revista Vox Médica 
out/nov 2007








MUHM ao alcance de todos

No Dia do Médico, SIMERS inaugura nova sede do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul, agora aberto à visitação pública no Hospital Beneficência Portuguesa, em Porto Alegre

Os gaúchos ganharam mais um patrimônio cultural recentemente. Em alusão ao Dia do Médico, o 18 de outubro foi escolhido pelo SIMERS para inaugurar a sede oficial do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM). O espaço — instalado no Hospital Beneficência Portuguesa, em Porto Alegre — recebeu autoridades e convidados no coquetel de lançamento, quando foram apresentadas ainda outras duas novidades: o acesso virtual ao acervo; e a exposição de peças que compõe nova mostra organizada pela equipe do Museu, intitulada Olhares sobre a História da Medicina.

Integrantes da Associação de Amigos do Museu (AAMUHMRS) e outros colaboradores também foram convidados a integrar a festividade, como a professora Olga Nedel Schlatter. Doadora de duas importantes peças — o esqueleto Joaquim, e o Phantom, representação da pelve feminina, criada e utilizada pelo MD. Gabriel Schlatter para a formação de parteiras no século XIX — dona Olga estava emocionada com a cerimônia. “Sempre acompanhei o trabalho de médicos, e este dia está sendo muito especial para mim”, comentou.

A empresária Maura Carneiro Cruz, que entregou máscara, fotos, material e mesa cirúrgica do marido, o MD. Rubens Paim Cruz, igualmente prestigiou o evento. “Me sinto privilegiada por participar desta iniciativa”, expressou-se; assim como o MD. Marcelo Melgares, tesoureiro da AAMUHMRS: “Como membro da Sociedade Brasileira de História da Medicina, acho fundamental iniciativas como esta do SIMERS, de preservar a memória da profissão”, comentou.

Reconhecimento coletivo
A diretora do Museu, Juliane Serres, abriu a solenidade contando o início do trabalho que vem desenvolvendo há dois anos com sua equipe. “No princípio, tínhamos a idéia de recuperar a história dos médicos gaúchos; acabamos descobrindo verdadeiras relíquias, e tornou-se imperioso que as resguardássemos”, afirmou. A historiadora relatou a procura pelo “lugar ideal” para o estabelecimento do MUHM, e agradeceu a todos os envolvidos na concretização desta meta, em especial o MD. Paulo de Argollo Mendes, presidente do SIMERS. “Nada disso seria possível sem ele, que compreendeu a importância de preservar a memória de sua profissão, acreditou, investiu, trabalhou, brigou para que o Museu acontecesse. São dele os méritos desta noite”, concluiu. O sindicalista agradeceu o trabalho e a dedicação de todos, e admitiu sentir-se “extremamente honrado” de poder entregar ao RS mais um patrimônio cultural.

Presente à cerimônia, o secretário Estadual da Saúde, MD. Osmar Terra, também elogiou o empreendedorismo da entidade sindical. “O que não é devidamente registrado passa a não existir, após determinado período”, opinou o gestor. 

Homenagem
A festividade foi acompanhada também por diretores e delegados sindicais de todo o Estado, que aproveitaram a oportunidade para prestar homenagem ao presidente do SIMERS. O MD. Volnei Malheiros, representante de Panambi, foi o porta-voz do manifesto. “Mesmo diante de estrutura enfraquecida, o MD. Paulo de Argollo Mendes trabalhou para recuperá-la, liderando movimento que transformou o sindicato hoje no maior da América Latina”, afirmou.

Sede virtual
Afora a nova sede, o MUHM lançou ainda seu novo site na Internet. Por meio do endereço eletrônico www.muhm.org.br, o visitante virtual terá acesso a grande parte dos cerca de 4 mil livros e 2 mil peças catalogadas. “É praticamente uma visita ao Museu”, enfatizou Juliane.

Olhares sobre o MUHM
Importantes nomes da Medicina, sociedade, e poder público gaúcho, prestigiaram a inauguração da nova sede do MUHM. Veja agora a opinião de algumas destas personalidades, sobre a iniciativa do SIMERS de resgatar a história da profissão no Rio Grande do Sul.
“O Museu é um sonho construído a muitas mãos, e já está incorporado à cultura do nosso Estado. Hoje, recebe seu certificado de permanência, visto a acolhida que teve da comunidade. De fato, acho que tivemos um bom Dia do Médico”.
MD. Paulo de Argollo Mendes, presidente do SIMERS
“A história da Medicina gaúcha é extraordinária, temos que nos orgulhar dela e dos nossos profissionais. Vivemos momentos de dificuldades, como agora, mas mesmo assim conseguimos manter os melhores indicadores de Saúde do país, e o Estado é referência em áreas como transplante, saúde pública, cirurgia cardíaca e neurocirurgia. Como médico, estou muito orgulhoso de estar aqui hoje”.
MD. Osmar Terra, secretário Estadual da Saúde
“Para nós foi uma satisfação imensa o Museu escolher como berço a Beneficência, que tem significado cultural muito forte no Estado. E a felicidade é também por estarmos presenciando esta inauguração, depois de intenso trabalho da equipe do MUHM. Tem muitas coisas interessantes a serem vistas, e tenho certeza que os visitantes sairão satisfeitos”.
Eraldo Martins, diretor-presidente da Beneficência Portuguesa
“Acho a iniciativa do SIMERS extraordinária, por ser mais uma obra dedicada à cultura do Rio Grande do Sul, e proporcionar a recuperação da história da Medicina, dos médicos, e das instituições. Como integrante do Conselho Estadual de Cultura, vejo com grande alegria a inauguração deste novo espaço para Porto Alegre”.
Jornalista Ercy Pereira Torma, presidente da Associação Riograndense de Imprensa
“Como médico, e por ter nascido no Beneficência, é uma dupla satisfação estar aqui hoje. Ver o SIMERS se aproximando deste hospital, deste espaço maravilhoso, com trabalho de qualidade, é muito gratificante. Precisamos marcar a nossa história, e aqui será uma referência por muitos e muitos anos”.
MD. Raul Fraga, vereador de Porto Alegre (PMDB/RS), presidente da Cosman

Saiba mais
O MUHM é credenciado no Sistema Estadual de Museus, participa do Cadastro Nacional do IPHAN, Ministério da Cultura, e é filiado ao Conselho Internacional da categoria. A exposição Olhares sobre a História da Medicina está aberta ao público na nova sede do Museu, que fica na Av. Independência, 270, defronte ao Colégio Rosário. A visitação é gratuita e pode ser realizada de terças as sextas-feiras, das 12 às 20h; aos sábados, domingos e feriados, das 15 às 20h. Outras informações, pelo telefone (51) 3029-2900, ou no site www.muhm.org.br.

Acervo Ampliado
O mês de outubro foi marcante para a equipe do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM). Além da inauguração da nova sede, o número de doações aumentou significativamente, e a mostra Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul concluiu seu curso com três apresentações em Porto Alegre. Nos dias 4 e 5, a exposição esteve no III Fórum Qualidade de Vida e Saúde, na PUCRS; na semana seguinte integrou a programação da Jornada Pré-Congresso Brasileiro de Medicina Hospitalar, no Sheraton Hotel; e, de 10 a 13, foi um dos destaques do XXV Congresso Brasileiro de Psiquiatria, na Fiergs.

No interior, a temporada de exposições 2007 tem encerramento previsto para 18 de novembro, quando termina o período de visitações em Alegrete. Antes, passou por Santa Rosa (foto acima), de 24 de agosto a 10 de setembro; Ijuí, de 12 a 23 de setembro; Uruguaiana (foto abaixo), de 25 de setembro a 7 de outubro; e Gramado, de 26 a 29 de setembro, durante o Congresso Brasileiro de Medicina de Emergência.

Doações
O reconhecimento ao trabalho da equipe do MUHM vem aumentando entre instituições, médicos e familiares. Foram quatro doações, uma institucional e três de particulares, no período de setembro a outubro:

-A Associação dos Amigos da Hematologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre doou livros e documentos pertencentes à MD. Fani Job. Graduada em 1951 na UFRGS, especializou-se em Hematologia, dedicando sua vida profissional ao trabalho no HCPA. Lá, foi responsável pela criação do ambulatório da especialidade, fundou a Associação dos Amigos da Hematologia do Clínicas — cuja finalidade era obter meios para melhoria de equipamentos, e recursos humanos para o Serviço. A médica faleceu em 1998, vítima de acidente de trânsito.

-A sobrinha do MD. Antero Marques, Vanda Krindges Marques, enriqueceu o acervo do MUHM com fotografias, poemas e a tese do médico. Ainda estudante, o MD. Marques lutou na Revolução de 1930, ao lado de Getúlio Vargas. A conquista garantiria ao profissional o diploma sem terminar os estudos. Ele, no entanto, recusou o privilégio.

-O Museu também recebeu do MD. Luiz Gustavo Guilhermano a obra Intoxicação pelo Amor, tese de doutoramento do MD. Leopoldo Pires Porto, em 1908, na Faculdade de Medicina de Porto Alegre. O trabalho alcançou repercussão no país e no exterior, pois tratou de afetividade e sexo antes do surgimento das idéias de Freud.

-O talento dos colegas gaúchos não se restringe à sua área de atuação. Para exercer a carreira com mais eficiência, alguns deles foram além, como o MD. Wilson Córdoba. O médico, formado em 1965 na UFRGS, desenvolveu uma espécie de projetor para auxiliar seus estudos, à época. Afora o aparelho, o profissional deixou seus livros aos cuidados do MUHM. O MD. Córdoba atuou em Porto Alegre na Enfermaria 38 da Santa Casa de Misericórdia, e na Beneficência Portuguesa.



Compartilhe:

28/11/2007 | Versão para Impressão

Lançamento da tradução da obra de Pinel na Assembléia Legislativa

Tratado Médico-Filosófico de Philippe PnelO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) participa, nesta quinta-feira (29), do lançamento da tradução inédita para português de livro de Philippe Pinel, o Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou a mania. O título abre a série Clássicos do Pensamento Médico Universal, parceria do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) com editora da Ufrgs, e pode ser adquirido na livraria da universidade, no Muhm ou através de contato com o sindicato. O evento ocorre a partir das 20h no Teatro Dante Barone, na Assembléia Legislativa do Estado.

Livro: Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou a mania
Autor: médico psiquiatra francês Philippe Pinel (primeira edição em francês de 1800)
Páginas: 272 páginas
Preço: R$ 25
Onde comprar: Lojinha do Muhm na av. Independência, 270 (3029.2900) e no posto do museu no dia do lançamento no Teatro Dante Barone, na Assembléia Legislativa
Tradução: Joice Armani Galli
Revisão: Margareth Uarth Christoff e Ana Maria Oda
Apresentação: Ana Oda e Paulo Dalgalarrondo, professor titular




Leia também: 

Simers lança tradução inédita para português de livro de Pinel
Título abre série Clássicos do Pensamento Médico Universal, parceria com editora da Ufrgs 


O Sindicato Médico do RS (Simers) lança no dia 29 deste mês, em evento na Assembléia Legislativa, a primeira tradução para o português da principal obra sobre doença mental escrita pelo médico francês Philippe Pinel, considerado o pai da psiquiatria. A versão inteiramente em português do Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou a mania, cuja edição original é de 1800, marca também a estréia da Série Clássicos do Pensamento Médico Universal, iniciativa do Fundo Editorial Simers com a Editora da Ufrgs. O livro de 272 páginas já está disponível no Simers (informações pelo 3027-3762) ou pelo site da Editora da UFRGS -
www.livraria.ufrgs.br.

A obra é crucial para entender o surgimento de asilos e hospícios e sua relação com a construção da prática médica e busca de tratamento de alienados, num período histórico conturbado, de revoluções na economia e política que marcaram o final do século 17 e primeiras décadas do 18. Pinel teve grande influência sobre a formação de médicos brasileiros, não só em psiquiatria, mas em medicina interna e clínica médica.

”O público tinha de recorrer a exemplares em francês, inglês ou espanhol para conhecer o pensamento e a prática de Pinel na psiquiatria. Agora está mais acessível entender a evolução do tratamento da doença mental a partir das lições e da conduta do médico francês”, destaca o presidente do Simers, Paulo de Argollo Mendes.

As contribuições de Pinel serão esmiuçadas na abertura do Congresso Brasileiro de Psicoterapia de Grupo, no dia 29, a partir das 20h, no Teatro Dante Barone, na Assembléia Legislativa. Uma mesa-redonda reunirá a psiquiatra Ana Oda, autora da apresentação do livro e uma das revisoras da tradução, que é pesquisadora do Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatra da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas (Unicamp), e o psiquiatra gaúcho e especialista em história da Medicina Walmor Piccinini.

MAIS SOBRE PINEL
Ana Oda descreve Pinel como um homem de ação. Ele preconizou reformas humanitárias nos hospícios franceses. Seu principal legado foi ter estabelecido as bases da clínica ao sistematizar a observação psicopatológica, separando metodicamente ‘observação’ de ‘explicação’.

O Tratado de Pinel (primeira edição de 1800) foi muito lido em todo o mundo e marcou a construção de um novo olhar da Medicina sobre a loucura. “A importância da primeira edição integral em português está em conhecer esta obra basilar, essencial para compreender historicamente o mito fundador da psiquiatria”, comenta a psiquiatra.

FICHA TÉCNICA
O livro: Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou a mania
Autor: médico psiquiatra francês Philippe Pinel (primeira edição em francês de 1800)
Páginas: 272 páginas
Preço: R$ 25
Onde comprar: Muhm, Simers, Ufrgs
Tradução: Joice Armani Galli
Revisão: Margareth Uarth Christoff e Ana Maria Oda
Apresentação: Ana Oda e Paulo Dalgalarrondo, professor titular do Departamento de Psiquiatria da FCM/UNICAMP



Fonte: Imprensa/Simers
http://www.simers.org.br/simlancapin.php


Compartilhe:

28/11/2007 | Versão para Impressão

Muhm inicia trabalhos de recuperação dos documentos da Beneficência

Teve início nesta semana a recuperação dos documentos do Hospital Beneficência Portuguesa. Nesta quinta-feira (29) o grupo de voluntários orientados pelo professor e historiador Paulo Staudt Moreira retorna à capela do hospital, onde foram reunidos os documentos e o material para a sua higienização, etapa que está em andamento.

 

O trabalho está sendo realizado a partir do convênio assinado no dia 25 de outubro entre o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e Arquivo Histórico do Estado do RS (AHRS). Os procedimentos são realizados com a participação de alunos da Unisinos e a supervisão técnica da universidade, AHRS e Muhm.

 

A parceria, segundo a diretora do museu, garante um importante reforço técnico e acadêmico para a instituição, através da participação de alunos do curso de História da Unisinos e a experiência dos profissionais do Arquivo Histórico. 

Fotos

Trabalho de recuperação de documentos  Trabalho de recuperação de documentos

Trabalho de recuperação de documentos  Trabalho de recuperação de documentos

Trabalho de recuperação de documentos



Compartilhe:

04/12/2007 | Versão para Impressão

1ª Região Museológica mantém Muhm na nova coordenação eleita

Maria Cristina Pons (E) e Juliane Serres são sucedidos por Éverton Quevedo e Adriane Raimann (D)Nesta segunda-feira (03), em reunião realizada no Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm), a 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus (SEM/RS) definiu a sua nova coordenação. Os historiadores Éverton Quevedo, do Muhm, e Adriane Raimann, do Centro Cultural Santa Casa, assumiram como coordenador e vice, respectivamente. Eles substituem a museóloga Maria Cristina Pons e a historiadora Juliane Serres, diretora do Muhm – o museu permanece pelo segundo ano consecutivo na coordenadoria. Na reunião também foram apresentados os relatórios da gestão que encerrou. Os coordenadores eleitos permanecem por dois anos. Os membros também aproveitaram para visitar o museu.



Compartilhe:

12/12/2007 | Versão para Impressão

Muhm promove palestra com Luiz Antonio de Castro Santos

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) promove, no dia 10 de dezembro, a palestra "História das doenças e instituições de Saúde: encontros e (alguns) desencontros", com a participação de Luiz Antonio Castro Santos e apresentação de Beatriz Teixeira Weber. Aberto para acadêmicos, profissionais e comunidade, o evento acontece no auditório da Beneficência Portuguesa, na avenida Independência, 270, às 19h30min.
 
Segundo a diretora do Muhm, a historiadora Juliane Serres, este é mais um dos eventos que o museu realizará periodicamente. As inscrições são gratuitas e dão direito a certificado aos participantes, e devem ser feitas pelo e-mail eventosmuseu@simers.org.br ou pelo fone (51) 3029.2900, pois o número de vagas é limitado.
 
 
 
Breve currículo dos palestrantes
 

Luiz Antonio de Castro Santos é graduado em Ciências Políticas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, é Master of Sciences em Estudos Populacionais pela Harvard School of Public Health e PhD em Sociologia pela Harvard University. Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde exerce as funções de professor e pesquisador do Instituto de Medicina Social, desde 1987. Recebeu a medalha do Centenário da Fundação Oswaldo Cruz, por contribuição relevante à pesquisa histórica e sociológica em saúde pública no Brasil. É consultor de inúmeras fundações de amparo à pesquisa e membro de conselhos editoriais, Pesquisador do CNPq, Avaliador Institucional do SINAES/INEP, autor de resenhas e pareceres para editoras e periódicos nacionais e estrangeiros. Dedica-se ao estudo de temas do Pensamento Social no Brasil, particularmente à obra e à vida de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior, e ao exame de figuras centrais na história da reforma sanitária e educacional no Brasil, como Belisário Pena, Artur Neiva, os irmãos Osório de Almeida e Azevedo Sodré. Na área de Sociologia Histórica, escreve sobre movimentos sociais e Saúde Pública, atuando, neste campo, principalmente nos temas ligados ao Nacionalismo e Internacionalismo em Saúde - linha de pesquisa pela qual é responsável no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq. No momento, dedica-se particularmente a estudos sobre a cooperação internacional em saúde pública, com ênfase na atuação da Fundação Rockefeller, e sobre a história da Enfermagem, no Brasil e em perspectiva comparada (Inglaterra, Estados Unidos, França). Tem publicado extensamente sobre esses temas, em trabalhos individuais ou em co-autoria com a historiadora Lina Faria.

 

Beatriz Teixeira Weber possui Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal de Santa Maria, mestrado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, doutorado em História Social do Trabalho pela Universidade Estadual de Campinas e pós-doutorado pelo Fundação Oswaldo Cruz. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Santa Maria e membro do corpo editorial da Ciência & Ambiente. 

 
 
Palestra
 
"História das Doenças e  Instituições de Saúde: Encontros e (Alguns) Desencontros"
com o Prof. Dr. Luiz Antonio de Castro Santos
 
Apresentação: Profa. Dra. Beatriz Teixeira Weber
Dia: 10/12/2007
Horário: 19h30min
Local: Auditório da Beneficência Portuguesa - Av. Independência, 270
Será conferido certificado aos participantes.
 
O evento é gratuito e a participação ocorre mediante inscrição pelo telefone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail eventosmuseu@simers.org.br.
 


Compartilhe:

12/12/2007 | Versão para Impressão

A história das doenças e instituições de saúde

Prof. Dr. Luiz Antonio de Castro SantosO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) recebeu nesta segunda-feira à noite o pesquisador da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Luiz Antonio de Castro Santos, que apresentou, no Auditório do Hospital Beneficência Portuguesa, a palestra História das doenças e instituições de saúde: encontros e (alguns) desencontros. A introdução e apresentação foi da também pesquisadora Beatriz Teixeira Weber, da Universidade Federal de Santa Maria.

 

Castro Santos parabenizou, na pessoa da MD. Ana Maria Martins, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), pela iniciativa inédita da criação de um museu. Na sua fala, o pesquisador abordou aspectos históricos e sociológicos da história na área da saúde e das doenças, passando pelo pensamento sanitarista, medicalização, rituais e políticas de saúde.

 

O evento, que foi gravado, contou com a presença de estudantes e profissionais de diferentes especialidades da medicina, da saúde e da história, entre eles, um pesquisador da Alemanha. A próxima palestra, que segue a proposta de estimular a produção e divulgação da pesquisa e do conhecimento, deve ser realizada em março de 2008, quando os eventos voltam a ser mensais. Os certificados dos participantes estarão disponíveis na próxima semana na Administração do Muhm, na avenida Independência, 270.

 

Breve currículo dos palestrantes

 

Luiz Antonio de Castro Santos é graduado em Ciências Políticas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, é Master of Sciences em Estudos Populacionais pela Harvard School of Public Health e PhD em Sociologia pela Harvard University. Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde exerce as funções de professor e pesquisador do Instituto de Medicina Social, desde 1987. Recebeu a medalha do Centenário da Fundação Oswaldo Cruz, por contribuição relevante à pesquisa histórica e sociológica em saúde pública no Brasil. É consultor de inúmeras fundações de amparo à pesquisa e membro de conselhos editoriais, Pesquisador do CNPq, Avaliador Institucional do SINAES/INEP, autor de resenhas e pareceres para editoras e periódicos nacionais e estrangeiros. Dedica-se ao estudo de temas do Pensamento Social no Brasil, particularmente à obra e à vida de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior, e ao exame de figuras centrais na história da reforma sanitária e educacional no Brasil, como Belisário Pena, Artur Neiva, os irmãos Osório de Almeida e Azevedo Sodré. Na área de Sociologia Histórica, escreve sobre movimentos sociais e Saúde Pública, atuando, neste campo, principalmente nos temas ligados ao Nacionalismo e Internacionalismo em Saúde - linha de pesquisa pela qual é responsável no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq. No momento, dedica-se particularmente a estudos sobre a cooperação internacional em saúde pública, com ênfase na atuação da Fundação Rockefeller, e sobre a história da Enfermagem, no Brasil e em perspectiva comparada (Inglaterra, Estados Unidos, França). Tem publicado extensamente sobre esses temas, em trabalhos individuais ou em co-autoria com a historiadora Lina Faria.

 

Beatriz Teixeira Weber possui Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal de Santa Maria, mestrado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, doutorado em História Social do Trabalho pela Universidade Estadual de Campinas e pós-doutorado pelo Fundação Oswaldo Cruz. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Santa Maria e membro do corpo editorial da Ciência & Ambiente.

 
 

 



Compartilhe:

21/12/2007 | Versão para Impressão

Muhm recebe o seu milésimo visitante

Visitante número 1.000O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) alcançou hoje (21) a marca de 1.000 visitantes. Instalado há apenas dois meses no prédio histórico do Hospital Beneficência Portuguesa, na avenida Independência, Centro de Porto Alegre, o museu está aberto a visitações de terças a sextas-feiras do meio-dia às 20h com a exposição Olhares sobre a história da medicina, que permanece até 22 de fevereiro. O Muhm também abre aos sábados, domingos e feriados, exceto Natal e Ano Novo, das 15h às 20h.

 

O gerente administrativo Julio César Oliveira, o milésimo visitante do Muhm, estava acompanhado da amiga Leila Alves Peroza. Eles são de São Cristóvão do Sul, Santa Catarina. “Viemos para Porto Alegre visitar a minha mãe, que está hospitalizada na Beneficência, e aproveitamos para conhecer o museu”, explicou Oliveira. Leila, que é técnica em enfermagem, também aproveitou a visita. “É a segunda visita que faço a um museu do gênero, gostei muito, já tinha ido a um do Paraná”, disse a técnica.
 

A arquitetura do prédio, as peças e o ineditismo do museu contribui para a procura. “Esperamos que o número de visitantes continue crescendo e vamos procurar estimular cada vez mais a vinda das pessoas a museus”, disse a diretora. Segundo Juliane Serres, mesmo com o final do ano letivo o Muhm tem recebido não apenas visitantes da Capital, mas muitos do Interior e diversos de outros Estados, além de alguns estrangeiros. “No próximo ano vamos intensificar as ações com escolas e eventos que promovam a produção de conhecimento”, adianta a historiadora.

 

O acervo do Muhm também está disponível na Internet e pode ser consultado através do site www.muhm.org.br 


Juliane Serres (E), Julio César Oliveira (C) e Leila Alves Peroza

Oliveira recebeu da historiadora Juliane Serres, diretora do Muhm, um kit contendo folder, lápis, bloco, boné, camiseta e botton do museu. 







Compartilhe:

22/01/2008 | Versão para Impressão

Memória da Beneficência Portuguesa integra projeto de história oral do Muhm

Alda Dias de MatosO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) inaugurou com chave de ouro as entrevistas do projeto de história oral para recuperação da memória do Hospital Beneficência Portuguesa. Os trabalhos vão integrar o banco de dados do museu e mais tarde vão ser disponibilizados ao público através do site www.muhm.org.br, em áudio e/ou vídeo. Daniela Vallandro de Carvalho, historiadora, e Fabiana Nunes da Silva, estudante de História, conduziram a primeira entrevista com a professora Alda Dias de Matos, cujo pai – José Pereira de Matos – presidiu, nos anos 30, a Sociedade Portuguesa de Beneficência.

 

O acervo de história oral do Muhm vem somar ao trabalho de recuperação de documentos que vem sendo desenvolvido em parceria com a Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e o Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul (AHRS) desde outubro de 2007. De acordo com a equipe do Muhm, os contatos têm sido feitos de maneira espontânea: na medida em que pessoas que tiveram algum relacionamento com o hospital, a sociedade ou o prédio visitam o museu, começam naturalmente a relatar fatos dessa época, o que já era esperado, pela forte relação da instituição com porto-alegrenses e gaúchos ao longo do tempo. É anotado então o telefone e feito o contato para marcar uma entrevista que detalhe essas memórias, para que não se percam.

 

Dona Alda com o retrato de seu pai (acima, à direita)



Moeda do Centenário da Sociedade Portuguesa de Beneficência, em 1954Dona Alda também fez uma bela doação: uma moeda comemorativa do Centenário da Sociedade Portuguesa de Beneficência, em 1954, peça que agora faz parte do acervo museológico do Muhm. Depois, fez uma visita ao Salão Nobre, onde há um quadro com a imagem de seu pai.


 



Compartilhe:

07/01/2008 | Versão para Impressão

Membros da 1ª Região Museológica participam da primeira reunião com a nova coordenação

Representantes de museus da 1ª Região reuniram-se no MuhmNesta segunda-feira (07) à tarde foi realizada, no Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm), a primeira reunião com a nova coordenação da 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus (SEM/RS), que compreende a Capital e as regiões Metropolitana, Carbonífera e Litoral Norte. Na pauta estavam as propostas da nova gestão para 2008.

 
Os encontros da 1ª Região deverão ocorrer sempre em um museu diferente, propiciando maior intercâmbio de informações e conhecimento real das instituições por todos os membros. Após a reunião, foi feita uma visitação pelo Muhm. A próxima, em fevereiro, será no Museu Joaquim José Felizardo. Eleitos para o biênio 2008/2009, os historiadores Éverton Quevedo, do Muhm, e Adriane Raimann, do Centro Histórico-Cultural Santa Casa, coordenador e vice, respectivamente, têm a missão de nortear ações da área na região que mais concentra museus no Estado, das sete existentes.
 
Entre os planos para o ano que inicia estão oficinas e workshops. O grupo pretende estreitar o contato com secretarias de cultura, educação, turismo e lazer, para estimular a visitação aos museus. Outro assunto discutido foi a criação, nos últimos anos, de cursos de museologia no Estado, renovação e a importância do trabalho e formação multidisciplinar dos profissionais que atuam nos museus gaúchos.  

 



Fotos da visitação

Visita ao Muhm   Visitantes assistem vídeo do Muhm



Compartilhe:

20/02/2008 | Versão para Impressão

Entrevistas dão início ao preparo da próxima exposição do Muhm

Parteira Iara de ÁvilaA equipe do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) está realizando, desde a última semana, entrevistas com mulheres muito especiais. São médicas, benzedeiras e parteiras que irão figurar na próxima exposição do museu, que irá tratar de Mulheres e Práticas de Saúde.

 

A recuperação da história das primeiras médicas formadas no Brasil – as três primeiras são gaúchas – através de reproduções de fotos e documentos, mas principalmente de entrevistas com algumas dessas pioneiras vivas e até mesmo em atividade profissional, o museu mostrará o pioneirismo e a força feminina para vencer em tempos em que estudar poderia ser uma transgressão.

 

O Muhm também vai mostrar o trabalho de outras mulheres, que não viraram médicas, mas que trouxeram (literalmente) luz para muitas pessoas: as parteiras. Algumas, com diploma específico de parteira, como dona Iara Tavares de Ávila, entrevistada semana passada na Capital pelo historiador Éverton Quevedo. E, como a cura tem na fé uma grande aliada, também as benzedeiras terão espaço na exposição.

 

Estão sendo entrevistadas dez médicas de diferentes especialidades, parteiras e benzedeiras, estas últimas com o apoio da folclorista Elma Sant'Ana, que editou, em parceria com o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), dois livros com essa temática. As primeiras entrevistas foram feitas em Porto Alegre e, nesta semana, estão sendo feitas outras no Interior do estado, em municípios como Santa Maria, Ijuí, Uruguaiana, entre outros. 
 

A nova mostra deve ser inaugurada em março, mês da mulher, e substituirá a atual Olhares sobre a História da Medicina, que segue até 22 de fevereiro na sede do Muhm, no prédio histórico da Beneficência Portuguesa, na Av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre. As visitações podem ser feitas de terças a sextas-feiras, a partir do meio-dia, e aos sábados, domingos e feriados a partir das 15h, sempre até às 20h, durante o horário de verão. Mais informações pelo fone (51) 3029.2900.



Compartilhe:

01/02/2008 | Versão para Impressão

Historiadores do Muhm participam de reunião sobre Sociedade Gaúcha de História da Medicina

Jantar de mobilização para a Sociedade Gaúcha de História da MedicinaO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) participou na última segunda-feira (28) de um jantar organizado para discutir a fundação da Sociedade Gaúcha de História da Medicina. A diretora Juliane Serres e Éverton Quevedo, historiadores do MUHM, representaram a instituição no evento.

O grupo inicial, reunido pelo MD. Luiz Gustavo Guilhermano e pelo MD. Jorge Abib Cury, é formado por médicos e professores de universidades gaúchas, e está trabalhando em cima da elaboração de uma proposta de estatuto para a sociedade. Quando esta fase for concluída, essa proposta deverá ser apresentada para um grupo maior, realizando uma assembléia de fundação para, então, formalizar a nova entidade.

Entre os presentes, os MD. Miguel Abib Adad, da Associação Brasileira de Psiquiatria para a América Latina, Edison Olimpio de Oliveira e esposa, Luiz Antônio Saint Pastous Godoy, e Maria Helena Itaqui Lopes, vice-diretora da Faculdade de Medicina da PUC, e o Contador José Nunes.



Compartilhe:

20/02/2008 | Versão para Impressão

Últimos dias da exposição Olhares sobre a História da Medicina no Muhm e novo horário

Com o final do horário de verão, a partir de domingo (17), o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) passa a receber visitantes no seu horário normal: de terças a sextas-feiras das 11h às 19h, sábados, domingos e feriados das 14 às 19h. A próxima semana é também a última para apreciar a exposição Olhares sobre a História da Medicina, no prédio histórico da Beneficência Portuguesa, na Av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre. A mostra encerra no dia 22 de fevereiro. O Muhm ficará então fechado para o público por duas semanas, quando inaugura a próxima exposição: Mulheres e Práticas de Saúde - Medicina e Fé no Universo Feminino.

 

Constituída de dez painéis e um rico acervo, a mostra atual já foi visitada por mais de 1.500 pessoas, desde que inaugurou a nova sede do Muhm. Olhares registra a evolução do tratamento da saúde humana, desde os tempos em que a doença era vista como ação de forças do mal e tratada por feiticeiros e sacerdotes, até o avanço dos estudos acerca da anatomia (estrutura) e fisiologia (funcionamento) do corpo humano, o que permitiu a identificação das causas das doenças, revelando um novo agente de cura: o médico. Entre as principais atrações estão documentos e objetos doados por famílias de médicos que atuaram no Rio Grande do Sul. Além de materiais comuns aos profissionais da época, há também peças desenvolvidas pelos médicos para auxiliar em seu trabalho, como o phantom, que representa a pelve feminina e ajudava nas aulas do curso de partos. Um esqueleto humano importado da França para o estudo de anatomia, diplomas de diferentes faculdades de medicina – incluindo um do tempo do Império, livros e móveis completam o cenário.

 

Homenagem às mulheres


A partir de 08 de março, marcando o Dia Internacional da Mulher, o Muhm vai destacar o pioneirismo das gaúchas na história da medicina brasileira, a partir da trajetória de médicas que venceram barreiras sociais e políticas para estudar, se formar e prestar atendimento médico quando a atividade era predominantemente masculina.


A exposição vai reproduzir um pouco do contexto da época em que viveu a primeira médica formada no Brasil, a gaúcha Rita Lobato, e suas sucessoras Ermelinda Lopes Vasconcelos e Antonieta César Dias, além de Alice Maeffer, a primeira formada em solo gaúcho. Durante o lançamento da nova mostra também será inaugurada a sala Rita Lobato, dentro do Muhm.


Ícone de toda aluna de medicina, Rita Lobato nasceu em 1866, formou-se em 1887, com a tese Paralelo entre os métodos preconizados nas operações cesarianas, na Bahia. Seus estudos foram iniciados no Rio de Janeiro, quando Porto Alegre ainda não tinha faculdade de medicina. Após a morte do marido, com quem se casou dois anos após se formar, dedicou-se à política, sendo eleita a primeira vereadora do RS, na cidade de Rio Pardo, onde exerceu mandato até 1937. Ermelinda Lopes Vasconcelos formou-se em 1888, no Rio de Janeiro, e especializou-se na França fazendo também cursos na Alemanha. Antonieta César Dias nasceu em 1869 e ingressou na faculdade com 15 anos. Formou-se em 1889, também no Rio. No Rio Grande do Sul, Alice Maeffer foi da primeira turma da FMPOA, concluindo o curso em 1904. Deixou a profissão ao casar com um médico, seu colega de turma, e mudar-se para Antonio Prado.

Outras histórias também serão contadas nesta mostra, como a de algumas médicas ainda atuantes que, além de serem pioneiras, já que o crescimento da atividade profissional feminina ainda é recente, alcançaram níveis de excelência técnica e acadêmica.

O Muhm também vai mostrar o trabalho de outras mulheres, que não viraram médicas, mas que trouxeram – literalmente – luz para muitas pessoas: as parteiras. Algumas, com diploma, sim, do curso de Partos, que em Porto Alegre, foi um dos embriões da Faculdade de Medicina, junto com o de Farmácia. E, como a cura tem na fé uma grande aliada, também as benzedeiras terão espaço na exposição.

 

Cultura e serviços: Quintas no Museu

 

Durante a exposição Mulheres e Práticas de Saúde o Muhm realizará, sempre às quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, saraus para discutir obras de autores – médicos ou que tenham abordado a medicina em seus trabalhos – além de atrações musicais. A programação poderá ser conferida no site do museu: www.muhm.org.br, que permite, ainda, uma visita virtual ao acervo, inclusive com peças que não estejam na exposição em andamento.


Entrevistadas
 

Ao todo, serão 20 mulheres - 10 médicas, cinco parteiras e cinco benzedeiras que representarão o universo retratado na exposição. Conheça algumas delas.

 

Médicas
 

Entre as ouvidas pela equipe do Muhm estão a MD. Themis Reverbel da Silveira, formada em 1964 na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A MD. É doutora em Medicina Genética e atua na área de Hematologia Pediátrica.

 

 


MD. Rita Suzana Camargo Souto, formada em 1959, é da primeira turma médica da Faculdade de Medicina de Santa Maria e também fará parte da exposição. Especialista em Pediatria, atualmente exerce atividades na Associação dos Funcionários Públicos do Estado.


 

MD. Valderes Antonietta Robinson Achutti, formou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1960. Foi médica clínica da Secretaria da Saúde e do Meio Ambiente do Estado, na época a única profissional mulher do Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Ferroviários e Empregados do Serviço Público (IAPFESP).

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Parteiras e Benzedeiras
 
Dona Miguelina - Foto: Felipe Henrique Gavioli



Dona Miguelina Maria de Lemos e Silva é a quilombola mais idosa do Estado, com 105 anos. Ela vive em uma comunidade no interior de Mostardas, e 
já havia sido entrevistada para o livro Benzedeiras e Benzeduras, de autoria de Elma Sant'Ana e Delizabete Seggiaro, editado pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), e agora fará parte da exposição Mulheres e Práticas de Saúde, em março deste ano.
 
 
  
 
 
 
Parteira Iara de Ávila
A equipe do Muhm entrevistou tanto parteiras "curiosas", como eram chamadas as que não tinham formação, como parteiras que estudaram para esta função. É o caso de dona Iara Tavares de Ávila, de Porto Alegre. Sua trajetória também fará parte da exposição.
 
 
 


Compartilhe:

29/01/2008 | Versão para Impressão

Entrevistas do Muhm repercutem em site

O site do governo estadual (www.rs.gov.br) divulgou na última semana o trabalho do Museu de História de Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) realizado em parceria com o Comitê Permanente de Coordenação das Ações Relativas às Comunidades Quilombolas do Rio Grande do Sul, da Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social. No final da última semana o historiador Éverton Quevedo e o fotógrafo Felipe Henrique Gavioli visitaram dona Miguelina Silva, quilombola que é parteira e benzedeira. Ela já havia sido entrevistada para o livro Benzedeiras e Benzeduras, de autoria de Elma Sant'Ana e Delizabete Seggiaro, editado pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), e agora fará parte da exposição Mulheres e Práticas de Saúde, em março deste ano.








Quilombola mais antiga recebe equipe do Museu de Medicina


Dona Miguelina - Foto: Felipe Henrique Gavioli 
Dona Miguelina Maria de Lemos e Silva, a quilombola mais idosa do Estado, que vive em uma comunidade no interior de Mostardas, recebeu a visita da coordenadora do Comitê Permanente de Coordenação das Ações Relativas às Comunidades Quilombolas do Rio Grande do Sul da Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social (SJDS), Maria Marques, e da equipe do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM).

A SDJS é responsável, em nível estadual, pelas políticas públicas que envolvem os direitos deste segmento da população. Maria Marques intermediou o encontro entre a equipe do museu e Dona Miguelina, para viabilizar a continuidade da série de entrevistas que a equipe vem realizando com mulheres muito especiais. São médicas, benzedeiras e parteiras, que vão figurar na próxima exposição, com o tema Mulheres e Práticas de Saúde.

As visitas vêm resgatando a história não apenas das primeiras médicas formadas no Brasil (três são gaúchas), mas também de outras mulheres que tiveram suas atividades voltadas para a área da saúde, como parteiras e benzedeiras.

Dona Miguelina, de 105 anos, contou sua história de vida e posou para fotos, que ilustrarão a mostra. Falou de sua coragem e determinação quando, muito jovem, acompanhava a mãe parteira, terminando por aprender e exercer o ofício durante muitos anos. Além disso, começou a benzer, tornando-se uma das benzedeiras mais procuradas da região.

Memória
O Museu da História da Medicina do Estado foi instalado em 18 de outubro de 2007, no prédio histórico do Hospital Beneficência Portuguesa (avenida Independência, 270 – Porto Alegre). A primeira exposição – ainda aberta ao público - tem o título de Olhares Sobre a História da Medicina. Em março, em comemoração ao mês da mulher, será inaugurada uma mostra fotográfica de rostos de médicas, parteiras e benzedeiras de diversas localidades do Estado.

“Cada vez mais me convenço da importância da participação de dona Miguelina nesta mostra, uma vez que ela tem uma bela trajetória de vida”, diz o historiador do MUHM, Éverton Quevedo. "Estou confiante que ela será a grande estrela da exposição que homenageia a mulher, pois sua vida é a prova de que, apesar de sua aparente fragilidade, estamos diante de uma grande mulher."

(Texto da Assessoria de Imprensa do Governo do Estado do RS - www.rs.gov.br)



Quilombola participa da mostra do Museu de História da Medicina do RS

Nesta quinta-feira (24), a Coordenadora do Comitê Permanente de Coordenação das Ações Relativas às Comunidades Quilombolas do Rio Grande do Sul, da Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social, Maria Marques, acompanha a equipe do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul em visita à dona Miguelina Silva – a mais idosa quilombola do Estado – no município de Mostardas.

O objetivo do encontro com dona Miguelina é dar continuidade a série de entrevistas que a equipe do Museu tem realizado com mulheres muito especiais. São médicas, benzedeiras e parteiras que irão figurar na próxima exposição, com o tema “Mulheres e Práticas de Saúde”.

As visitas vêm resgatando a história não apenas das primeiras médicas formadas no Brasil (as três primeiras são gaúchas), mas também de outras mulheres que tiveram suas atividades voltadas para a área da saúde, como parteiras e benzedeiras.

Dona Miguelina Maria de Lemos e Silva, 105 anos, vive em comunidade quilombola no interior do município de Mostardas. Corajosa e destemida, acompanhava a mãe parteira, terminando por aprender e exercer o ofício durante muitos anos. Além disso, dona Miguelina começou a benzer, tornando-se uma das benzedeiras mais procuradas da região.

O Museu da História da Medicina do Estado foi instalado no dia 18 de outubro de 2007, no Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa (à Av. Independência, nº 270 – Porto Alegre). A primeira exposição – ainda aberta ao público - tem o título de “Olhares Sobre a História da Medicina”. Em março, em comemoração ao mês da mulher, será inaugurada uma mostra fotográfica de rostos de mulheres médicas, parteiras e benzedeiras de diversas localidades do Estado.

Segundo o historiador do museu, Éverton Quevedo, “a participação de dona Miguelina nesta mostra é muito importante, tendo em vista sua trajetória de vida”. Acredito que ela será a grande estrela da exposição que homenageia a mulher, afirma.

(
Texto da Assessoria de Imprensa do Governo do Estado do RS - www.rs.gov.br)


Compartilhe:

29/01/2008 | Versão para Impressão

Universitário comemora entrada na Medicina no Muhm

Leonardo Melo (E) e seu paiTodos os dias são especiais, mas, para Leonardo Melo, 20, de Lages, hoje (29) foi um dia inesquecível: o dia em que recebeu o resultado da aprovação na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Após alguns anos de estudos, o estudante colhe os frutos da dedicação, já que também foi aprovado em Pelotas. E, como passou em Medicina, o local da comemoração não poderia ser mais adequado: o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm).

 

Depois de ver o seu nome no jornal de hoje, o estudante foi com o pai fazer a matrícula, e, depois, foi cumprir uma promessa feita à monitora Fabiana Nunes da Silva, do Muhm, quando visitou o museu pela primeira vez – se passasse, voltaria para contar. Não foi só essa promessa que precisou cumprir: precisou raspar os cabelos, que eram compridos. Mas a tinta na cabeça e o sorriso no rosto mostram que só há espaço para alegria. Agora, o estudante volta a Santa Catarina, e prepara a mudança, pois dia 25 de fevereiro as aulas começam. E, como as aulas são pertinho do museu, prometeu vir sempre conferir as novas exposições, afinal, não há lugar melhor para se inspirar. “Agora, eu vou vir sempre”, afirmou.

Como apreciador assíduo, Leonardo também aceitou responder à pesquisa de opinião que o Muhm faz com seus visitantes.

 

 



Compartilhe:

30/01/2008 | Versão para Impressão

Muhm mostrará pioneirismo das mulheres gaúchas na medicina

O pioneirismo das gaúchas na história da medicina brasileira será um dos destaques da próxima exposição do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm). Programada para março deste ano, a mostra Mulheres e Práticas de Saúde vai homenagear, a partir do Dia Internacional da Mulher, a trajetória de médicas que venceram barreiras sociais e políticas para estudar, se formar e prestar atendimento médico quando a atividade era predominantemente masculina.


A exposição vai reproduzir um pouco do contexto da época em que viveu a primeira médica formada no Brasil, a gaúcha Rita Lobato, e suas sucessoras Ermelinda Lopes Vasconcelos e Antonieta César Dias, além de Alice Maeffer, a primeira formada em solo gaúcho. Durante o lançamento da nova mostra também será inaugurada a sala Rita Lobato, dentro do Muhm, e uma comenda com o mesmo nome.


Ícone de toda aluna de medicina, Rita Lobato nasceu em 1866, formou-se em 1887, com a tese Paralelo entre os métodos preconizados nas operações cesarianas, na Bahia. Seus estudos foram iniciados no Rio de Janeiro, quando Porto Alegre ainda não tinha faculdade de medicina. Após a morte do marido, com quem se casou dois anos após se formar, dedicou-se à política, sendo eleita a primeira vereadora do RS, na cidade de Rio Pardo, onde exerceu mandato até 1937. Ermelinda Lopes Vasconcelos formou-se em 1888, no Rio de Janeiro, e especializou-se na França fazendo também cursos na Alemanha. Antonieta César Dias nasceu em 1869 e ingressou na faculdade com 15 anos. Formou-se em 1889, também no Rio. No Rio Grande do Sul, Alice Maeffer foi da primeira turma da FMPOA, concluindo o curso em 1904. Deixou a profissão ao casar com um médico, seu colega de turma, e mudar-se para Antonio Prado.

Outras histórias também serão contadas nesta mostra, como a de algumas médicas ainda atuantes que, além de serem pioneiras, já que o crescimento da atividade profissional feminina ainda é recente, alcançaram níveis de excelência técnica e acadêmica.


Entre as entrevistadas estão a MD. Themis Reverbel da Silveira, formada em 1964 na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A MD. É doutora em Medicina Genética e atua na área de Hematologia Pediátrica.

 


MD. Rita Suzana Camargo Souto, formada em 1959, é da primeira turma médica da Faculdade de Medicina de Santa Maria e também fará parte da exposição. Especialista em Pediatria, atualmente exerce atividades na Associação dos Funcionários Públicos do Estado.


 

MD. Valderes Antonietta Robinson Achutti, formou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1960. Foi médica clínica da Secretaria da Saúde e do Meio Ambiente do Estado, na época a única profissional mulher do Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Ferroviários e Empregados do Serviço Público (IAPFESP).



Compartilhe:

07/03/2008 | Versão para Impressão

Muhm inaugura nesta sexta a mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino

Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo FemininoO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) inaugura nesta sexta-feira (07) às 20h sua nova mostra - Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino. O pioneirismo e a força das gaúchas será um dos destaques nesta mostra que a imprensa e convidados poderão conhecer em primeira mão.  A abertura para o público acontece no dia seguinte, Dia Internacional da Mulher. A exposição vai homenagear a trajetória de médicas que venceram barreiras sociais e políticas para estudar, se formar e prestar atendimento médico quando a atividade era predominantemente masculina. O museu também vai mostrar o trabalho de outras mulheres, que não se tornaram médicas, mas que trouxeram luz para muitas pessoas: as parteiras. Algumas, com diploma. E, como a cura tem na fé uma grande aliada, as benzedeiras também estarão presentes com suas rezas e benzeduras.

 

A história das primeiras médicas formadas no Brasil será apresentada através de fotos, documentos e objetos. A precursora, a gaúcha Rita Lobato, formou-se na Bahia em 1887, e terá um destaque especial: a sala do museu dedicada às médicas passará a ter o seu nome, e os visitantes poderão ver objetos que lhe pertenceram, cedidos para o museu pela sua família. A viagem no tempo se completa com a reprodução de um figurino de época utilizado pela médica, baseado em fotos do acervo do Muhm. A confecção da roupa foi possível graças ao apoio dos cursos de graduação em Design em Moda e Tecnologia e de especialização em Moda, Arte e História, ambos da Feevale. As duas médicas seguintes a formar-se em território brasileiro também eram gaúchas: Ermelinda Lopes Vasconcelos e Antonieta César Dias formaram-se no Rio de Janeiro, em 1888 e 1889. Mais tarde, em 1904, Alice Maeffer tornou-se a primeira a formar-se em solo gaúcho.

 

A relação com o presente será evidenciada pelo trabalho do fotógrafo Felipe Henrique Gavioli, que registrou as entrevistas realizadas pelo historiador Éverton Quevedo para a exposição. Foram ouvidas dez médicas ainda atuantes de diferentes especialidades que, além de serem protagonistas do seu tempo, já que o crescimento da atividade profissional feminina ainda é recente, alcançaram níveis de excelência técnica e acadêmica.

 

Já as parteiras e benzedeiras foram escolhidas com o apoio da folclorista Elma Sant'Ana, que editou, em parceria com o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), dois livros com essa temática. Foram feitas entrevistas tanto em Porto Alegre como no Interior do estado, em municípios como Santa Maria, Ijuí, Uruguaiana, Capivaria do Sul, entre outros. Seus depoimentos estarão disponíveis para o público através de um documentário feito especialmente para a exposição.

Homenagem
Outra atração da sexta-feira será a apresentação da orquestra do Projeto Sonarte, de São Leopoldo, que promete emocionar os presentes, entre eles, as médicas parteiras e benzedeiras retratadas na mostra, além da família da pioneira Rita Lobato.

 
Quintas no Museu

Segundo a diretora do Muhm, a historiadora Juliane Serres, a exposição vai unir a homenagem às mulheres e a história da medicina à produção de conhecimento e difusão cultural. "Durante a exposição Mulheres e Práticas de Saúde o Muhm vai realizar todas as quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais", informa a diretora. A idéia de discutir obras literárias é tratar de livros de autores médicos ou não médicos que tenham abordado a medicina em seus trabalhos. A programação poderá ser conferida no site do museu: www.muhm.org.br, que permite, ainda, uma visita virtual ao acervo, inclusive com peças que não estejam na exposição em andamento.

 
Escolas
O museu conta com um projeto de Ações Educativas para visitas de grupos de alunos a partir da 4ª série, que devem ser agendadas.


Serviço

A sede do Muhm fica no prédio histórico da Beneficência Portuguesa, na Av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre. As visitações podem ser feitas de terças a sextas-feiras, a partir das 11h, e aos sábados, domingos e feriados a partir das 14h, sempre até às 19h. A exposição vai até 13 de junho. Mais informações pelo fone (51) 3029.2900. A entrada é gratuita.

 

 


Sala de Imprensa:
Biografias
Galeria (painéis)
- Médicas: 
1 2
- Parteiras e Benzedeiras: 
1 2 3
Baixe o folder da exposição
Baixe o release
Baixe o spot

 


Compartilhe:

08/03/2008 | Versão para Impressão

Mulheres são homenageadas na abertura da exposição

Nova mostra do MuhmO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) inaugurou nesta sexta-feira à noite a mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino. A exposição destaca o pioneirismo e a força das gaúchas, entre elas Rita Lobato Velho Lopes, a primeira médica formada no Brasil, além de ilustrar em fotos, cenografia e vídeos - os documentários Fé e Vida - a história de médicas, parteiras e benzedeiras, a maioria em atividade. A cerimônia contou ainda com a apresentação da orquestra Sonarte, de São Leopoldo. Assim como na abertura, neste sábado (08), Dia Internacional da Mulher, as mulheres que visitaram o museu receberam flores pelo seu dia.

 

A sede do Muhm fica no prédio histórico da Beneficência Portuguesa, na Av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre. As visitações podem ser feitas de terças a sextas-feiras, a partir das 11h, e aos sábados, domingos e feriados a partir das 14h, sempre até às 19h. A exposição vai até 13 de junho. Mais informações pelo fone (51) 3029.2900. A entrada é gratuita.





Galeria de fotos


O cenário

Área dedicada à pioneira Rita Lobato Objetos de e sobre Rita Lobato Parteiras e benzedeiras


Inauguração

Orquestra do Projeto Sonarte Projeto Sonarte Público presente

As homenageadas




Primeiro dia de exposição

Fé Rosas no Dia Internacional da Mulher Visitação 


Livros e camiseta da exposição estão na lojinha do Muhm Recepção às mulheres Vida








Compartilhe:

11/03/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu abre com a história das mulheres pioneiras da medicina

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) oferece, a partir desta quinta-feira (13), às 17h, uma nova atividade: o projeto Quintas no Museu. Gratuito e aberto à comunidade, o Quintas no Museu vai trazer, todas as quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. O primeiro encontro será conduzido pelo presidente da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores, o MD. Luiz Alberto Soares, que falará sobre as três primeiras médicas formadas no Brasil: Rita Lobato Velho Lopes, Ermelinda Lopes de Vasconcelos e Antonieta César Dias – todas elas gaúchas. O evento integra a programação do Muhm e da exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

 

Serviço:

Quintas no Museu: todas as quintas-feiras, às 17h

Tema desta semana: As pioneiras da medicina, pelo MD. Luiz Alberto Soares, presidente da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores

Local:

Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)

Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre 

Apoio: Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers)

Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br



Compartilhe:

14/03/2008 | Versão para Impressão

Elma Sant’Ana estará no próximo Quintas no Museu

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) oferece, na próxima quinta-feira (20), às 17h, a segunda edição do seu projeto Quintas no Museu, que nesta semana apresenta o bate-papo Parteiras e Benzedeiras, com a folclorista Elma Sant’Ana.

 

Gratuito e aberto à comunidade, o Quintas no Museu traz, todas as quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. O evento integra a programação do Muhm e da exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

 

Serviço:

Quintas no Museu: todas as quintas-feiras, às 17h

Tema desta semana: Parteiras e Benzedeiras, pela folclorista Elma Sant’Ana

Local:

Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)

Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre 

Apoio: Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers)

Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br



Compartilhe:

21/03/2008 | Versão para Impressão

Galeria de fotos: veja como foi a semana no Muhm

20/3/2008 Quintas no Museu: Parteiras e Benzedeiras, com a folclorista Elma Sant'Ana


Quintas no Museu

Quintas no Museu Quintas no Museu Quintas no Museu 




15/3/2008 

Visita de alunos do curso de História da ULBRA

Visita ULBRA Visita ULBRA 

Visita ULBRA Visita ULBRA 


Visita de alunos do curso de História da UNISINOS

Visita UNISINOS Visita UNISINOS 

Visita UNISINOS Visita UNISINOS


Recuperação de documentos da Beneficência Portuguesa - alunos da UNISINOS

Recuperação de Documentos Recuperação de Documentos





13/3/2008 Quintas no Museu: As pioneiras da medicina, com o MD. Luiz Alberto Soares

Quintas no Museu 

Quintas no Museu Quintas no Museu Quintas no Museu


Compartilhe:

24/03/2008 | Versão para Impressão

Desafios atuais da mulher na Medicina no Quintas no Museu

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) oferece, na próxima quinta-feira (27), às 17h, mais uma edição do seu projeto Quintas no Museu, que nesta semana apresenta o bate-papo A Mulher e a Medicina: Desafios Atuais, com a vice-presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), a MD. Maria Rita de Assis Brasil.

 

Gratuito e aberto à comunidade, o Quintas no Museu traz, todas as quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. O evento integra a programação do Muhm e da exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

 

Serviço:

Quintas no Museu: todas as quintas-feiras, às 17h

Tema desta semana: A Mulher e a Medicina: Desafios Atuais, com a MD. Maria Rita de Assis Brasil, vice-presidente do Simers

Local:

Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)

Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre 

Entrada: gratuita

Apoio: Simers

Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br



Compartilhe:

28/03/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu aborda mitos e verdades sobre o câncer de mama

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) oferece, na próxima quinta-feira (03), mais uma edição do seu projeto Quintas no Museu, que nesta semana apresenta o bate-papo Mitos e verdades sobre o câncer de mama, com a médica Beatriz Bohrer do Amaral, especialista em Diagnóstico por Imagem.

A MD. Beatriz Bohrer do Amaral é uma das responsáveis pela introdução no Rio Grande do Sul do método Linfonodo Sentinela, importante passo para o combate ao câncer de mama. Também foi uma das pioneiras no Estado no uso da metodologia de diagnóstico intitulada Densitometria Óssea e coordena o projeto “Mulher & Saúde”, que surgiu na década de 1990 com o objetivo de ampliar o nível de informação sobre assuntos da saúde feminina para o público leigo. É membro da Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina, que congrega profissionais que se destacaram em diversas áreas do saber médico. 

A partir desta quinta-feira, os encontros passam a ocorrer uma hora mais tarde, às 18h, no hall do Muhm. Gratuito e aberto à comunidade, o Quintas no Museu traz, todas as quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. O evento integra a programação do Muhm e da exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

 

Serviço:

Quintas no Museu: todas as quintas-feiras, em novo horário: 18h

Tema desta semana: Mitos e verdades sobre o câncer de mama, com a MD. Beatriz Amaral,

Local:

Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)

Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre 

Entrada: gratuita

Apoio: Simers

Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br

 



Compartilhe:

08/04/2008 | Versão para Impressão

Programação do Quintas do Museu para abril

Quintas no MuseuConfira a programação do Quintas do Museu para abril, que acontece sempre no hall do Muhm, às 18h.

03.04
Tema: Mitos e Verdades sobre Câncer de Mama
Convidada: MD. Beatriz Bohrer do Amaral

10.04
Tema: Saúde da Mulher: 5 principais causas de risco de vida
Convidado: MD. Humberto Goulart

17.04
Tema: DSTs e mulheres: como evitar!
Convidada: MD. Dea Suzana Gaio

24.04
Tema: As conseqüências do Nazismo na profissão médica na Alemanha de Hitler
Convidados: MD. Luiz Gustavo Guilhermano. Participação especial do jornalista e autor do livro A sobrevivente A 21646 Tailor Diniz e da sobrevivente de campo de concentração Hertha Spier



Compartilhe:

10/05/2008 | Versão para Impressão

Novos materiais digitalizados no Acervo Digital do site

A equipe técnica do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) incluiu novos materiais digitalizados no Acervo Digital do site. Veja quais são eles:

PUBLICAÇÕES GERAIS
 
Livro da Parteira

"O Estetoscópio" 1° Caderno - Publicação comemorativa a Primeira Turma Médicada Faculdade de Medicina de Santa Maria

"O Estetoscópio" 1° Caderno - Publicação comemorativa a Primeira Turma Médicada Faculdade de Medicina de Santa Maria

 
TESES DA FACULDADE DE MEDICINA DA UFRGS
 

1930 - PEDRO ROSA - O salicylato de sódio intravenoso no tratamento das psychopathias agudas.

1930 – BASILIO FONTES JUNIOR – Vaccinação pela anatomia anti-diphterica

1930 - IVO CORRÊA MEYER - Angio-espasmos retinianos

1930 - JACY CARNEIRO MONTEIRO - Pyelographia endovenosa

1931 - FERNANDO AUGUSTO VILLEROY SCHNEIDER - Diagnostico do carbunculo hematico

1931 - JOÃO CAGGIANO - Contribuição ao estudo dos estados espasmodicos localizado no collo do útero

1931 - PERCY A. LOUZADA - As reações de floculação no sôro-diagnóstico da syphilis

1939 - CESAR AUGUSTO DA COSTA AVILA - Considerações sôbre a coxalgia

1940 - HERMES RODRIGUES - Da assistência sanitária à criança durante o período escolar

1942 - A.L. NOBRE DE MELO - Contribuição ao estudo clínico da paranoia

1934 - CUSTODIO VIEIRA DA CUNHA - Contribuição ao estudo histofisiologico dos hematoblastos 
1937 - CELSO MACHADO DE AQUINO - O ph na tuberculose pulmonar evolutiva e nos tipo morfologicos a ela predispostos e resistentes

1938 - OSMÁN VELÁSQUEZ - Do tratamento da constrição das maxilas

1932 – FRANCISCO FOSTER CAMBOIM - Contribuição do Estudo Clínico Radiológico das Diverticuloses e Diverticulites

1938 - JOÃO BENEDICTO DE SOUZA - Raio X em protese dentária

1929 - JOSÉ FORSTER CAMBOIM - O bacteriophago anti-estaphylococcico

1929 - MARIO AZEVEDO SILVEIRA - Immunisação local e puerperio infectado

1930 - PERCY WOLFFENBÜTTEL - Contribuição ao estudo das febres typhica e paratyphicas em Porto Alegre

1938 - JACY CARNEIRO MONTEIRO - Contribuição ao estudo da tireoidectomia total nas insuficiências cardíacas descompensadas

1940 - APOLLO CORRÊA GOMES - O desequilibrio ácido-básico intestinal na intoxicação alimentar



Compartilhe:

04/04/2008 | Versão para Impressão

Exposição itinerante do Muhm integra as comemorações do Dia Mundial da Saúde em Santa Cruz do Sul

O município de Santa Cruz do Sul recebe, a partir das 19h30min desta segunda-feira (07), a exposição "Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul ", do Museu de História da Medicina do RS (MUHM), que ficará exposta na Casa das Artes Regina Simonis. A mostra faz parte das comemorações promovidas pelas Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo para o Dia Mundial da Saúde, e a visitação ocorre de 08 a 23 de abril, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h30min às 17h30min e sábados das 9h às 12h.

A exposição Retratos é uma iniciativa do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul, que já percorreu 15 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII. A mostra se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medica.

Quem visitar a mostra atual vai encontrar uma mostra dos objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo.

O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado. 

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br

Retratos da Medicina



Compartilhe:

17/04/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu do dia 10 aborda a saúde da mulher e as cinco principais causas de risco de vida

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) oferece, na próxima quinta-feira (10), às 18h, mais uma edição do seu projeto Quintas no Museu, que nesta semana apresenta o bate-papo "Saúde da Mulher: 5 principais causas de risco de vida", com o médico e vereador Humberto Goulart, especialista em obstetrícia, ginecologia e mastologia.

Humberto Goulart é natural de Cruz Alta e formou-se em medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) em 1972. Também realizou especializações no Uruguai, França e Cuba. Caracteriza seu trabalho por ações voluntárias em comunidades carentes, principalmente no bairro Restinga e na Zona Norte da Capital, voltadas para a saúde da mulher.

Cultura faz bem à saúde
Gratuito e aberto à comunidade, o Quintas no Museu traz, todas as quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. O evento acontece no hall do Muhm e integra a programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino. O convidado desta semana, além de ex-secretário de Saúde de Cachoeirinha e vereador pelo segundo mandato na Câmara de Porto Alegre, também está presente no circuito cultural, como compositor de sambas-enredo e especialista em Literatura Brasileira, com publicações de contos e poemas.

Serviço:
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras, às 18h
Tema desta semana: Saúde da Mulher: 5 principais causas de risco de vida, com o MD. Humberto Goulart
Local:
Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre
Entrada: gratuita
Apoio: Simers
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

17/04/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu do dia 17 traz bate-papo sobre como evitar DSTs entre mulheres

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) oferece, na próxima quinta-feira (17), às 18h, mais uma edição do seu projeto Quintas no Museu, que nesta semana apresenta o bate-papo DSTs e mulheres: como evitar!, com a médica ginecologista e obstetra Déa Suzana Gaio, mestre em Medicina e consultora do ministério da Saúde para recomendações de terapia anti-retroviral no pré-natal.

Gratuito e aberto à comunidade, o Quintas no Museu traz, todas as quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. O evento acontece no hall do museu e integra a programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

Serviço:
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema desta semana, 17 de abril: DSTs e mulheres: como evitar!, com a ginecologista e obstetra MD. Déa Suzana Gaio
Local:
Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre 
Entrada: gratuita
Apoio: Simers
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br
 



Compartilhe:

18/04/2008 | Versão para Impressão

Historiador do Muhm profere palestra sobre leituras e perspectivas atuais dos museus na UFSM

Nesta quinta-feira (17), às 21h, o historiador Éverton Quevedo, responsável pelo setor de Pesquisa do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) fará a palestra Diálogos e ações em história: leituras e perspectivas atuais dos museus, a convite do Departamento de Metodologia do Ensino. O evento acontece no Auditório do Centro de Educação da UFSM - Audiomax, às 21h. Mais informações pelo fone (55) 3220-8459.

O Museu tem sede na av. Independência, 270, em Porto Alegre, e é credenciado junto ao Sistema Estadual de Museus, participa do Cadastro Nacional de Museus do IPHAN, Ministério da Cultura e filiado ao Conselho Internacional de Museus. Atualmente está com a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, em sua sede, e com a mostra itinerante Retratos da Medicina na Casa das Artes, em Santa Cruz do Sul. O museu também pode ser visitado virtualmente no site www.muhm.org.br e contactado pelo fone (51) 3029.2900.



Compartilhe:

17/04/2008 | Versão para Impressão

Lajeado recebe dia 24 a exposição Retratos da Medicina

O município de Lajeado recebe, a partir das 19h30min da próxima quinta-feira (24), a exposição "Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul ", do Museu de História da Medicina do RS (MUHM), que ficará exposta na Secretaria de Cultura e Turismo de Lajeado, na rua Borges de Medeiros, número 285. A exposição Retratos é uma iniciativa do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul, que já percorreu 16 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII. A mostra se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medica.

Quem visitar a mostra atual vai encontrar uma mostra dos objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

A mostra fica aberta ao público de 25 de abril a 02 de maio, de segunda a quinta-feira, das 8h às 11h30min e das 13h30min às 16h45min e nas sextas-feiras até às 16h.

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.

 
Serviço:
Exposição Retratos da Medicina em Lajeado
INAUGURAÇÃO: 24/04 - quinta-feira
Horário: 19h30
Local: Secretaria de Cultura e Turismo de Lajeado
Endereço: Borges de Medeiros, 285.
Aberta ao público a partir de 25/4 até 02/5
Horário normal: de segunda a quinta-feira, das 8h às 11h30min e das 13h30min às 16h45min e nas sextas-feiras até às 16h.



Compartilhe:

18/04/2008 | Versão para Impressão

Muhm discute parceria com Beneficência Portuguesa de Rio Grande

MD. Horácio Brum, delegado do Sindicato Médico do RS e presidente do Sindicato de Rio Grande, e o MD. Flávio Hanciau A diretora do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm), a historiadora Juliane Serres, visitou no início de abril a Beneficência Portuguesa do município de Rio Grande, iniciando as tratativas para um trabalho de preservação da documentação daquela entidade. Na oportunidade estiveram presentes o MD. Horácio Brum, delegado do Sindicato Médico do RS e presidente do Sindicato de Rio Grande, o MD. Flávio Hanciau e membros da diretoria da Beneficência local. O Muhm já realiza trabalho semelhante no Hospital Beneficência Portuguesa de Porto Alegre, onde está instalado desde outubro de 2007.


Compartilhe:

22/04/2008 | Versão para Impressão

Música e história da medicina na época do nazismo no Quintas no Museu

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) oferece, na próxima quinta-feira (24), às 18h, mais uma edição do seu projeto Quintas no Museu, que nesta semana discute As conseqüências do nazismo na profissão médica na Alemanha de Hitler. Esta edição contará ainda com uma atração musical, a participação da flautista Renata Duarte.

A discussão será conduzida pelo MD. Luiz Gustavo Guilhermano, professor da Faculdade de Medicina da PUCRS, que trará ainda Tailor Diniz, jornalista e autor do livro A sobrevivente A21646, e Hertha Spier, sobrevivente de campo de concentração.

Renata DuarteJá a parte musical fica por conta de Renata Duarte, que iniciou seus estudos musicais de piano, flauta transversa e flauta doce em Montenegro (solista da Orquestra Infanto-Juvenil da Fundarte aos 10 anos de idade) e hoje realiza concertos em diversos países como França, Itália, Holanda, Espanha e Brasil. Renata estudou no Instituto de Artes da UFGRS e em 2002 ingressou no Conservatorio Nacional Superior de Música (CNSM) de Lyon, França, sendo diplomada em 2006 e recebendo bolsa da ADAMI. Atualmente estuda oboé barroco e cursa mestrado em pedagogia musical no CNSM.

Gratuito e aberto à comunidade, o Quintas no Museu traz, todas as quintas-feiras, no final da tarde, um evento diferente: conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. O evento acontece no hall do museu e integra a programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

Serviço
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema desta semana, 24 de abril: As conseqüências do nazismo na profissão médica na Alemanha de Hitler

Convidados e programa:
- MD. Luiz Gustavo Guilhermano, Tailor Diniz, jornalista e autor do livro A sobrevivente A21646, e de Hertha Spier, sobrevivente de campo de concentração.
- Renata Duarte, com o programa: J. S. Bach - Partita para Flauta solo: Allemande e Sarabande; Suite para Violoncello solo n. 1: Prelúdio (transcrição para flauta doce de Frans Bruggen); G. P. Telemann: Fantasia n. 3

Local:
Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre 
Entrada: gratuita
Apoio: Simers
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br



Compartilhe:

15/05/2008 | Versão para Impressão

Diretora do Muhm participa do I Seminário História e Gestão Documental da Assistência Psiquiátrica no Rio

A diretora do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm), Juliane Serres, participa, no Rio de Janeiro, do I Seminário História e Gestão Documental da Assistência Psiquiátrica, organizado pela Casa de Oswaldo Cruz  (COC/Fiocruz) e o Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira (IMASJM-SMS-RJ) e que ocorre desde terça-feira até esta quinta-feira, dia 15 de maio, no IMASJM-SMS-RJ, com o apoio da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Juliane Serres integra a mesa redonda “Políticas para a preservação e difusão de acervos médico-psiquiátricos” apresentando o trabalho do Muhm.

O I Seminário tem como objetivo ampliar e difundir a discussão entre os temas da preservação e gestão documental na área da saúde e da memória das políticas assistenciais psiquiátricas no Brasil, bem como promover a formação de  recursos humanos nesta temática. Trata-se de mais uma realização conjunta das instituições organizadoras tendo-se em vista a produção de mecanismos mais efetivos para o uso da informação na área da saúde mental, incluindo-se a dimensão da história da ciência da saúde e da preservação histórica dos acervos  já constituídos e que estão sendo geradas nesta área. O público-alvo é composto por pesquisadores, professores, alunos de graduação, pós-graduação lato e stricto sensu, profissionais da área da saúde e da saúde mental e formuladores de políticas institucionais nos
diversos estados brasileiros.

Local: Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira
Estrada Rodrigues Caldas, 3.400 – Prédio Sede – Taquara, Jacarepaguá - Rio de Janeiro/RJ

PROGRAMAÇÃO FINAL

13/maio/2008

9: 00 às 10:00 Inscrições

10:00 Mesa de Abertura: I Seminário História e Gestão Documental da Assistência Psiquiátrica

- Paulo Buss (Fiocruz)
- Márcia Rollemberg (Ministério da Saúde/SE/SAA/CGDI)
- Jacob Kligerman (SMS/RJ)
- Nara Azevedo (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz)
- Paulo Roberto Fagundes (IMAS-JM) (Coord.)
Auditório IMAS-JM

10:40 Coffee Break

11:00 Mesa redonda 1: História e Gestão Documental na Saúde
- Márcia Rollemberg (Ministério da Saúde/SE/SAA/CGDI)
- Maria Izabel de Oliveira (Arquivo Nacional)
- Beatriz Kushnir (Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
- Hugo Marques Fagundes (Coordenação de Saúde Mental da SMS-RJ) (coord.)
Auditório IMAS-JM

12:30 Pôsteres e visitação ao acervo do IMAS-JM
Prédio sede do IMAS-JM

13:00 às 14:30 Almoço

14:30 às 16:30
Oficina 1: Gestão documental e constituição de arquivos na área da saúde
- Equipe COC/Fiocruz: José Mauro da Conceição Pinto, Denise da Rocha de
Paula e Renata Lourenço
Oficina 2: Preservação e difusão de arquivos médico-psiquiátricos
Equipe COC/ Fiocruz: José Carlos Camello da Costa e Alessandro Wagner Alves
Silva
Salas IMAS-JM

14/maio/2008

9:30 Conferência: A representação dos pacientes tuberculosos nos prontuários
sanatoriais
Cláudio Bertolli (UNESP)
Auditório IMAS-JM

10:30 Coffee Break

10:50 Mesa redonda 2: Patrimônio cultural e gestão documental na área da
saúde
- Yara Nogueira Monteiro (Instituto de Saúde/SP)
- Rita de Cássia Marques (UFMG)
- Laurinda Rosa Maciel (COC/Fiocruz) (coord.)
Auditório IMAS-JM

12: 20 Pôsteres e visitação ao acervo do IMAS-JM
Prédio sede do IMAS-JM

13:00 às 14:30 Almoço

14:30 às 16:30
Oficina 1: Gestão documental e constituição de arquivos na área da saúde
- Equipe COC/Fiocruz: José Mauro da Conceição Pinto, Denise da Rocha de
Paula e Renata Lourenço
Oficina 2: Preservação e difusão de arquivos médico-psiquiátricos
- Equipe COC/ Fiocruz: José Carlos Camello da Costa e Alessandro Wagner
Alves Silva
Salas IMAS-JM

15/maio/2008

10:00 Mesa redonda 3: Políticas para a preservação e difusão de acervos
médico-psiquiátricos
- Ana Luce Girão Soares de Lima (DAD/COC/Fiocruz)
- Juliane Serres (Sindicato dos Médicos do RGS)
- Maria Geilsa Moura Sardinha (IMAS Nise da Silveira)
- Walda Pedreira (Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico/RJ)
- José Mauro da Conceição Pinto (DAD/COC/Fiocruz) (coord.)
Auditório IMAS-JM

12:00 Pôsteres e visitação ao acervo do IMAS-JM
Prédio sede do IMAS-JM

13:00 às 14:30 Almoço

14:30 às 16:00
Oficina 1: Gestão documental e constituição de arquivos na área da saúde
- Equipe COC/Fiocruz: José Mauro da Conceição Pinto, Denise da Rocha de
Paula e Renata Lourenço
Oficina 2: Preservação e difusão de arquivos médico-psiquiátricos
Equipe COC/Fiocruz: José Carlos Camello da Costa e Alessandro Wagner Alves
Silva Salas IMAS-JM

Comissão organizadora:
Ana Luce Girão Soares de Lima (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz)
Laurinda Rosa Maciel (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz)
Ana Teresa A. Venancio (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz)
Paulo Roberto Fagundes da Silva (IMASJM-SMS-RJ)
Fernanda Souza (IMASJM-SMS-RJ)


Compartilhe:

25/04/2008 | Versão para Impressão

Muhm: Documentário “Fé” integra programação do 3º Encontro Nacional de Benzedeiros, Rezadores e Mateiros

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) participa do 3º Encontro Nacional de Benzedeiros, Rezadores e Mateiros, no município de São Miguel das Missões, com o documentário “Fé”, que também integra a mostra "Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino", em vigor na sede do Muhm em Porto Alegre (av. Independência, 270, bairro Centro, até 13/6). O encontro iniciou nesta quinta-feira e segue até hoje (25) no Centro de Tradições Nativistas Sinos de São Miguel e Ruínas de São Miguel.

Dona Miguelina, presente no documentário "Fé", de Felipe Henrique GavioliO documentário foi produzido pelo fotógrafo e documentarista Felipe Henrique Gavioli para a o Muhm. "Fé" traz depoimentos de benzedeiras e suas benzeduras, captadas durante as entrevistas realizadas pelo historiador Éverton Quevedo, responsável pelo setor de Pesquisa do museu. O DVD encaminhado para o evento também apresenta o documentário “Vida”, a respeito de parteiras diplomadas e curiosas (sem formação).

Os documentários estão sendo exibidos no encontro por iniciativa da Secretaria de Turismo de São Miguel das Missões, que convidou o Muhm a participar do evento.

 


Compartilhe:

10/05/2008 | Versão para Impressão

Muhm participa da IX Mostra da 1° Região na AL durante Semana Nacional de Museus

Na próxima segunda-feira (12), a partir do meio-dia, terá início na Assembléia Legislativa a IX Mostra Conjunta de Museus da 1ª Região Museológica, que congrega mais de 90 museus da Região Metropolitana de Porto Alegre, Litoral Norte e Região Carbonífera. A exposição, que segue até o dia 16 de maio, insere-se nas comemorações de maio, alusivas ao mês nacional e ao Dia Internacional dos Museus. O objetivo do evento é divulgar as instituições desta Região e contribuir para o processo de reflexão a respeito do papel social das instituições de memória na atualidade.

Segundo o coordenador da 1ª Região, o historiador e responsável pelo setor de Pesquisa do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm), Éverton Quevedo, os museus têm o compromisso de socializar os seus acervos e o conhecimento produzido, contribuindo dessa forma para o desenvolvimento da sociedade.

 A atividade é uma iniciativa da coordenação da 1º Região Museológica do Rio Grande do Sul, braço do Sistema Estadual de Museus (SEM), que visa sistematizar e implementar políticas de integração e incentivo aos museus de todo o Estado. Além do apoio do SEM o evento tem como parceiro a própria Assembléia Legislativa.

As entidades que participarão do evento com banners e alguns objetos de acervo são (objetos em destaque):

Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul – destaque para o objeto médico "máscara de ombredanne", u
m dos primeiros equipamentos destinados à anestesiologia, que contribuiu enormemente para o desenvolvimento da cirurgia.
Centro Histórico-Cultural Santa Casa - armário médico, no qual serão expostos algumas peças usadas na medicina, placas de identificação e material religioso
Museu e Arquivo Histórico La Salle - lousa antiga
Memorial do Judiciário
Museu Histórico visconde de São Leopoldo (São Leopoldo) – um teodolito, material para medir terras, utilizado pelos imigrantes alemães
Museu de Ciências do Colégio La Salle Dores
Museu Joaquim José Felizardo - vitrine com objetos arqueológicos
Museu Simões Lagranha (Canoas)
Museu da Brigada Militar
Instituto de Artes da UFRGS – uma tela
Museu da Moeda
Museu de Ciências Naturais da Fundação Zoobotânica do RS - dois mini-dioramas que retratam a vegetação do RS
Ceclimar (Imbé)
Museu de Artes do Rio Grande do Sul – uma escultura
Museu de Geologia - um geodo de ametista

Mais informações pelo fone (51) 9676-2509.


Alguns objetos

Máscara de Ombredanne

Máscara de Ombredanne - um dos primeiros equipamentos destinados à anestesiologia, que contribuiu enormemente para o desenvolvimento da cirurgia. Acervo MUHM

Mini-diorama

Mini-diorama - representando a flora e fauna dos Campos do RS, do Museu de Ciências Naturais da Fundação Zoobotânica do RS

Armário médico

Armário médico - no qual serão expostos algumas peças usadas na medicina, placas de identificação e material religioso, do Centro Histórico-Cultural Santa Casa


Réplica de fardamento usado pela Brigada Militar, início do século XX

Réplica de fardamento usado pela Brigada Militar, início do século XX. Museu da Brigada Militar.

 



Compartilhe:

10/05/2008 | Versão para Impressão

Muhm inaugura mostra itinerante em Bento Gonçalves

O Museu de História da Medicina do RS (Muhm) inaugurou, nesta terça-feira (06) à noite, em Bento Gonçalves, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra ficará exposta na Fundação Casa das Artes (Rua Herny Hugo Dreher, 127, Planalto) até 02 de junho. A exposição Retratos é uma iniciativa do Muhm e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) e já percorreu 17 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII.

O evento contou com a participação de autoridades e representantes da comunidade médica e cultural de Bento Gonçalves, como a Procuradora Geral do Município, Patrícia Brun Perizzollo (que também representou o prefeito do município), o vereador Antônio Camerini, representando a Câmara de Vereadores, a diretora do Museu do Imigrante Neiva Valenti Poletto, representando ainda a Presidente da Fundação Casa das Artes, a MD. Rita de Cássia Almeida, presidente da Associação Médica de Bento Gonçalves, e o MD. Jorge Tramontina, que discursou representando a classe médica da cidade.

O MD. Jorge Tramontina salientou a importância de trazer para perto da sociedade não apenas a história da Medicina, mas a história pessoal de médicos que doaram muito da sua vida em prol das comunidades onde atuaram, valorizando o aspecto humano.

A Diretora do Muhm, a historiadora Juliane Serres, e a MD. Ariadene Duarte, diretora do Simers, lembraram da importância da comunidade médica e seus familiares de contribuírem com a história da Medicina doando acervos para o Muhm, especialmente quanto a material do Hospital Tacchini, em vista da sua importância para a cidade. Também estiveram presentes o também diretor do Simers MD. Nauro Aguiar, e o responsável pelo setor de Pesquisa do museu, o historiador Éverton Quevedo.

A mostra se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medica. Quem visitar a mostra atual vai encontrar objetos do acervo do Muhm, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

A exposição fica aberta ao público de 07 de maio a 02 de junho, no seguinte horário: das 8h às 11h45min e das 13h30min às 17h45min.

Além das exposições itinerantes, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro, onde continua com a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, que segue até 13 de junho. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.


Galeria de Fotos

MD. Jorge Tramontina MD. Ariadene Duarte Retratos da Medicina - Bento Gonçalves
Retratos da Medicina - Bento Gonçalves
Diretora do MUHM, historiadora Juliane Serres (E) e Eliana Casagrande Lorenzini Retratos da Medicina - Bento Gonçalves




Compartilhe:

05/05/2008 | Versão para Impressão

Saiba mais sobre o próximo Quintas no Museu no Atividade Simers

Atividade SimersO Quintas no Museu é uma atividade do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) gratuita e aberta à comunidade, que acontece todas as quintas-feiras, às 18h, no hall do museu. A programação de maio já está no site do museu. Para falar do tema da próxima quinta-feira (08), a historiadora Juliane Serres, diretora do MUHM, e a médica e historiadora Leonor Schwartsmann, próxima palestrante, foram convidadas para o programa Atividade Simers que vai ao ar neste sábado (03), com reprises durante a semana.
 
Leia mais sobre Quintas no Museu que contar a história de um médico-viajante italiano no RS do início do século XX.
 
Atividade Simers é um programa de tv informativo, voltado para os médicos e para a comunidade e que apresenta as principais notícias da semana sobre saúde e as lutas lideradas pela entidade em defesa da categoria. Fique atento aos horários de transmissão do programa.

Canal 20 da NET:
Inédito:
Sábado: 20h30
Reprises:
Domingo: 14h30
Quarta: 18h

Canal 6 - POA TV
Inédito:
Terça: 20h30
Reprises:
Quarta: 9h
Sexta: 7h
Domingo: 5h


Compartilhe:

30/04/2008 | Versão para Impressão

Exposição Retratos da Medicina é prorrogada em Lajeado

A exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul foi prorrogada em Lajeado até o dia 06 de maio. A mostra está acontecendo na Secretaria de Cultura e Turismo e é uma iniciativa do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM). A Retratos da Medicina já percorreu diversas cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII.

MD. Werner Schinke ao lado da foto do avô, o também médico Karl SchinkeA comunidade de Lajeado tem se identificado com a mostra. Entusiasta das questões ligadas à memória e grande colaborador do MUHM, o MD. Werner Schinke, é neto do também médico Karl Schinke, importante nome da medicina do Estado e um dos retratados. O MD. Karl nasceu na Silésia, atual Polônia. Após formado, emigrou para o Brasil, onde chegou em 1895, radicando-se em São Leopoldo. Em 1902 retornou à Europa com destino a Alemanha. Lá, foi convidado a ir para a África, onde chefiou um posto de emergência médico-militar na Namíbia e atuou por quase dois anos. Em 1913 retornou, instalando-se em Novo Hamburgo, onde permaneceu até sua morte.

Além de histórias como a do MD. Karl Schinke, quem visitar a exposição vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado. A Retratos da Medicina se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medicina.        

Serviço

A mostra, que iniciou no dia 25 de abril, fica aberta até 06 de maio, de segunda a quinta-feira, das 8h às 11h30min e das 13h30min às 16h45min e nas sextas-feiras até às 16h, na Secretaria de Cultura e Turismo de Lajeado (rua Borges de Medeiros, número 285).

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.



Compartilhe:

30/04/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu retorna dia 08 com a história de um médico-viajante italiano no RS do início do século XX

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) realiza, nas quintas-feira, às 18h, seu projeto Quintas no Museu. No dia 1º, em função do feriado, não haverá convidados, mas o evento retorna no dia 08 de maio com o bate-papo Olhares do médico-viajante italiano Giovanni Palombini no Rio Grande do Sul (1901-1914), promovido pela médica e historiadora Leonor Schwartsmann.

A convidada

Leonor Carolina Baptista Schwartsmann formou-se pela Faculdade de Medicina da UFRGS em 1981 e fez Residência em Pediatria no Hospital da Criança Santo Antônio, FFCM, período de 1982-1984. Especializou-se em Saúde Pública pelo Instituto Metodista de Educação e Cultura (IMEC), em Porto Alegre, em 1985 e foi professora do Departamento de Medicina Social da PUCRS de 1985 a 2002. Em 2003 tornou-se Bacharel em História pela PUCRS e em 2007 recebeu o título de Mestre em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da PUCRS com a dissertação sobre a qual falará neste Quintas no Museu: “Olhares do médico-viajante italiano Giovanni Palombini no Rio Grande do Sul (1901-1914)”. Desenvolve pesquisa na área de História da Medicina com publicações neste campo. Atualmente está pesquisando a atuação de médicos imigrantes no Rio Grande do Sul, no início do século 20. É casada e tem dois filhos.

A palestra 

O médico italiano Giovanni PalombiniEntre 1901 e 1914, o médico italiano Giovanni Palombini percorreu o interior do Estado do Rio Grande do Sul, após breve estadia no Estado de São Paulo. Durante esta jornada, além da prática itinerante da Medicina, escreveu um relato de viagem em que constam diversas observações oriundas desta experiência. Entre estas constam práticas de saúde, doenças, situação de saúde da população, contatos interétnicos, clima, agricultura, alimentação, costumes, vestuário, urbanismo e profissões.

O objetivo principal deste relato era fomentar a propaganda para a imigração italiana neste Estado e, para tanto, recebeu suporte do Governo Estadual.

A pesquisa desenvolvida permitiu estudar o pensamento do médico e as influências científicas que atuaram em seu exercício profissional, como a disciplina da Higiene e a ideologia positivista; obter, ainda, um maior conhecimento sobre o exercício profissional dos médicos italianos, sobre a sua contribuição para o desenvolvimento dos saberes médicos, e as condições de inserção destes médicos na sociedade gaúcha.


O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

Serviço:
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 08/05/2008: "Olhares do médico-viajante italiano Giovanni Palombini no Rio Grande do Sul (1901-1914)"
Convidada: MD. Leonor Schwartsmann
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre
Entrada: gratuita
Apoio: Simers
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

10/05/2008 | Versão para Impressão

Novas teses da Faculdade de Medicina da UFRGS inseridas no Acervo Digital do site

A equipe técnica do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) incluiu mais teses da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) no Acervo Digital do site. Veja quais são:


TESES INSERIDAS NO SITE DO MUHM EM 09/05/2008

 

 

1939 - ANTÔNIO DE SOUZA - Contribuição ao estudo das miases em oto-rino-laringologia.

 

1940 – CARLOS CANDAL DOS SANTOS – A reação foto-sero-cromática de kottmann nas síndromes funcionais de tireóde.

 

1940 – DARCY FARIAS LIMA – Plasmodium vivax na malarioterapia.

 

1940 – HEITOR MASSON CIRNE LIMA – Anoxemia e lesões anoxêmicas.

 

1940 – PEDRO SIRANGELO – A ricina.

 

1943 – BRENO SALGADO MARTINS – Psicose epilética na puberdade.

 

1944 – CORADINO LUPI DUARTE – Contribuições ao estudo do hormônio do lóbulo posterior da hipófise no secundamento por via endovenosa

 

1946 – LUIZ CARLOS GUIMARAES – Correntes de alta freqüência no tratamento dos canais radiculares.



Compartilhe:

09/05/2008 | Versão para Impressão

A história da AIDS no RS é o tema do próximo Quintas no Museu

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) realiza, nas quintas-feira, às 18h, seu projeto Quintas no Museu, que no próximo dia 15 traz A história da AIDS no RS, com o médico dermatologista Mauro Ramos, coordenador executivo do Centro de Estudos de AIDS/DST do Rio Grande do Sul, Mestre em Saúde Pública pela Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA) e Doutor em Medicina – Dermatologia – pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

Serviço:

Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 15/05/2008: A História da AIDS no RS
Convidado: MD. Mauro Ramos
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

23/05/2008 | Versão para Impressão

Muhm homenageia mães no Quintas no Museu com concerto de lâminas e palestra dia 29

(Baixe o programa musical em PDF)

No próximo dia 29 de maio o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) realiza, dentro seu projeto Quintas no Museu, uma homenagem especial às mães em seu mês. Além do tradicional bate-papo que acontece sempre às 18 horas, o evento terá uma segunda sessão, esta musical. A Prof.ª Dr.ª Nádia Maria Weber Santos abre os trabalhos com a palestra Medicina e História Cultural: a literatura como fonte e a loucura como objeto, e, a seguir, às 20 horas, o grupo Lâminas de Porto Alegre encanta o público com um repertório que vai do clássico ao popular.  Por ser um evento especial e ter lotação limitada, pela primeira vez serão solicitadas confirmações de presença.

Nádia Maria Weber Santos é médica, psiquiatra de orientação junguiana, Mestre e Doutora em História pela UFRGS, coordenadora do Grupo de Trabalho de História Cultural da ANPUHRS, autora do livro Histórias de vidas ausentes - a tênue fronteira entre a saúde e a doença mental (editora da UPF, 2005). Atualmente é pesquisadora (FAPERGS) na Escola Superior de Teologia, desenvolvendo projeto sobre Construção de Espaços de Cidadania para a Loucura nos Municípios do Vale do Rio dos Sinos. Neste Quintas no Museu, falará sobre a temática de sua tese de doutorado: a sensibilidade sobre a loucura a partir de textos literários (a literatura como fonte histórica), no início do século XX no Brasil.

Grupo de Lâminas de Porto Alegre

Antônio Frizon, José Mário Guedes e Arno Dreyer Scherc formam o grupo Lâminas de Porto Alegre, que transforma o serrote, uma das mais antigas ferramentas de trabalho utilizadas pelo homem, em um instrumento musical capaz de alcançar notas incríveis, ao ponto de já terem serem conhecidos como donos de “serrotes celestes” e por tocar um tipo de “música que vem do céu”. Uma das lâminas usadas pelo grupo foi confeccionada especialmente para alcançar notas mais graves.

O repertório previsto para a homenagem inclui desde Beethoven e Mozart até músicas conhecidas do folclore gaúcho, como Negrinho do Pastoreio, passando por Lupicínio Rodrigues e também do folclore brasileiro e internacional. No programa do concerto estarão algumas letras de músicas que poderão ser acompanhadas pelo público.

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

A edição-homenagem deste Quintas no Museu conta com o apoio do mantenedor do museu, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e da Associação dos Amigos do Museu de História da Medicina do RS (AAMUHM), em especial da amiga do museu Olga Schlatter.

Serviço
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras
Edição de 29/05/2008:
- 18 horas: Medicina e História Cultural: a literatura como fonte e a loucura como objeto - Prof.ª Dr.ª Nádia Maria Weber Santos
- 20 horas apresentação musical do grupo Lâminas de Porto Alegre
Confirmações: EXCEPCIONALMENTE, solicita-se confirmação pelo e-mail eventosmuseu@simers.org.br ou pelo fone (51) 3029-2900
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: GRATUITA
Apoio: Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e Associação dos Amigos do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (AAMUHM)


Compartilhe:

21/05/2008 | Versão para Impressão

Sociedade Gaúcha de História da Medicina será lançada dia 28

No próximo dia 28 de maio será realizada em Porto Alegre a cerimônia de fundação da Sociedade Gaúcha de História da Medicina. A entidade será formada por médicos, historiadores e interessados em promover a divulgação e a produção de conhecimento em História da Medicina. O evento acontece no Auditório do Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), às 20 horas, e tem o apoio do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), Faculdade de Medicina da PUCRS e UNICRED.

De acordo com o MD. Luiz Gustavo Guilhermano, membro da comissão de criação da entidade, a Sociedade Gaúcha de História da Medicina vem somar às instituições já existentes em nível nacional e em outros estados e pretende contribuir com as pesquisas e eventos na área, como o Congresso Brasileiro de História da Medicina, que neste ano acontece em Fortaleza, Ceará, de 12 a 15 de novembro. Porto Alegre já sediou o congresso em 2005.

Data: 28 de maio de 2008
Horário: 20 horas
Local: Auditório do Hospital São Lucas PUCRS
Confirmações até 26 de maio, pelo fone (51) 3029.2900

Realização:
Sociedade Gaúcha de História da Medicina

 
Apoio:
Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul - MUHM
Faculdade de Medicina da PUCRS
UNICRED

Convite para a fundação da Sociedade Brasileira de História da Medicina



Compartilhe:

23/05/2008 | Versão para Impressão

Diretora do Muhm participa de workshop na Fiocruz, RJ

A historiadora e diretora do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) Juliane Serres estará no Rio de Janeiro no próximo dia 27 de maio, onde participa, a convite da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), do Workshop Patrimônio Cultural da Saúde – Inventário Nacional do Patrimônio Cultural da Saúde: bens edificados e acervos / COC. O evento acontece das 9 às 17h no Auditório do Museu da Vida.

Confira a programação.


Workshop Patrimônio Cultural da Saúde


Compartilhe:

28/05/2008 | Versão para Impressão

Santo Ângelo recebe a mostra Retratos da Medicina

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura, na próxima terça-feira (03), às 19h30min, em Santo Ângelo, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra ficará exposta no Centro Municipal de Cultura Santo Ângelo Custódio (Rua 3 de outubro, 800) até 30 de junho. A exposição Retratos é uma iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 18 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII. 

A mostra se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medica. Quem visitar a mostra atual vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

A exposição Retratos é uma realização do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e suas regionais, e em Santo Ângelo conta ainda com a Associação Médica do município e da Secretaria Municipal de Cultura, Lazer e Turismo. A mostra fica à disposição do público de 04 a 30 de junho, das 8h às 19h.

Além das exposições itinerantes, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro, onde continua com a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, que foi prorrogada até outubro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.


Retratos da Medicina


Compartilhe:

30/05/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu discute os mitos e verdades do aleitamento materno

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) realiza, nas quintas-feira, às 18h, seu projeto Quintas no Museu, que no próximo dia 05 traz o bate-papo Aleitamento Materno: Mitos e Verdades, com o médico Marcelo Melgares.

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

Serviço:
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 05/06/2008: Aleitamento Materno: Mitos e Verdades
Convidados: MD. Marcelo Melgares
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre 
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br



Compartilhe:

10/06/2008 | Versão para Impressão

Diretora do MUHM participa do XIV Congresso da Sociedade Espanhola de História da Medicina


A diretora do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), historiadora Juliane Serres, participa, de 11 a 14 de junho, em Granada, do XIV Congreso de la Sociedad Española de História de la Medicina: La experiencia de enfermar em perspectiva histórica. O trabalho apresentado será “Seres marcados: el camino de la enfermedad en el cuerpo y en la memória”.

Clique para acessar o programa e a lista de participantes. Mais informações pelo site http://www.congresosgestac.es.

XIV Congreso de la Sociedad Española de História de la Medicina



Compartilhe:

24/07/2008 | Versão para Impressão

I Jornada de História e Saúde: Medicina, Práticas e Instituições

A I Jornada de História e Saúde: Medicina, Práticas e Instituições pretende reunir a produção atual de pesquisas acadêmicas e Institucionais referentes a aspectos de História e Saúde que englobam temas como: Medicina, Práticas e Instituições. O evento vai divulgar trabalhos de pesquisas desenvolvidas com eixo temático centrado na preocupação de relacionar história e saúde. O evento será composto por três mesas formadas por pesquisadores da área. A Conferência de Encerramento será ministrada pelo Dr. Jean-Pierre Goubert.

Mesas Redondas:

8h – 9h: Credenciamento

9h30min – 12h: Mesa 01: Medicina, Práticas e Instituições I
•    Relato de Viagem de Médicos: Fonte para o Estudo do Pensamento e das Práticas de Saúde - Leonor Baptista Schwartsmann

Leonor Carolina Baptista Schwartsmann é mestre em História pela PUCRS, médica formada pela UFRGS e historiadora formada pela PUCRS. Possui Residência Médica em Pediatria pela FFCMPA, é especialista em Saúde Pública pelo IMEC. Participou do curso de Pós Graduação- International Course in Food Science and Nutrition da FAO, WHO e UNICEF na Holanda. Foi professora do Departamento de Medicina Social da PUCRS. Possui trabalhos com ênfase na área de História da Medicina e de médicos imigrantes. Atualmente desenvolve pesquisa com finalidade de doutoramento.


•    A psiquiatria forense no Rio Grande do Sul nas primeiras décadas do século XX - Lizete Oliveira Kummer

Lizete Oliveira Kummer é historiadora do Núcleo de Pesquisa em História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFRGS e doutoranda do Programa de Pós-graduação em História da mesma universidade.


•    O Sindicato Médico e a luta pela regulamentação profissional da medicina no Rio Grande do Sul, 1931-1943 - Felipe Almeida Vieira

Felipe Almeida Vieira é Licenciado e Bacharel em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003 e 2007). Atualmente é aluno de Mestrado no Programa de Pós‑Graduação em História da UFRGS como bolsista do CNPq. Participou do projeto "Análise do desenvolvimento da medicina através do acervo médico da ISCMPA" executado entre 2002 e 2004 pelo Museu Joaquim Francisco do Livramento da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Entre 2004 e 2007 atuou como historiógrafo no Centro de Documentação e Pesquisa da Santa Casa, desenvolvendo atividades no campo da museologia, educação patrimonial, arquivologia e pesquisa na área de História das práticas de cura e da memória institucional.


•    Análise da tipologia arquitetônica do Hospital Psiquiátrico São Pedro - Maria Beatriz Kother

Maria Beatriz Kother é arquiteta e doutora Dra em arquitetura pela Universidade Politécnica da Catalunha, Espanha, atualmente professora do Curso de Arquitetura da PUCRS e Diretora do Instituto do Patrimônio Histórico do Estado.


•    Beneficência e proteção para a humanidade enferma: o papel político da Santa Casa de Misericórdia - Nikelen Acosta Witter

Nikelen Acosta Witter é doutora em História pela Universidade Federal Fluminense, com estágio na École des Hautes Études en Sciences Sociales, EHESS, França, com mestrado pela Pontifícia Universidade Católica do RS, graduada pela Universidade Federal de Santa Maria. Professora do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA).



Mediador: Juliane C. Primon Serres


13h30min – 15h30min: Mesa 02: Medicina, Práticas e Instituições II
•    Viajantes italianos, saúde e emigração para o Brasil: Buscaglione, Lomonaco e Mantegazza - Núncia Santoro de Constantino

Núncia Santoro de Constantino é licenciada em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, onde realizou o mestrado em Educação; na Universidade de São Paulo realizou o doutorado, tendo defendido tese em História Social sobre a imigração italiana meridional no sul do Brasil. Desenvolveu programa de pós-doutorado junto à Università degli Studi di Torino, Itália. Desde 1975 é docente da PUCRS, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, no Programa de Pós-Graduação em História, onde coordena o Laboratório de História Oral e um projeto de pesquisa sobre imigração e urbanização, orientando mestrandos e doutorandos. Várias vezes palestrante em congressos e universidades estrangeiras, tem colaborado mais assiduamente como palestrante em universidades italianas e, mais recentemente, em universidades norte-americanas. Pesquisadora CNPq, desenvolve projeto de sobre a narrativa das cidades brasileiras por viajantes italianos. É autora de vários livros e possui ensaios em coletâneas nacionais e estrangeiras, além de inúmeros artigos em periódicos especializados. Integrou o Conselho Estadual de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul e é membro da Academia Literária Feminina e do Comitato per Italiani al Estero-COMITES. Fundadora e primeira presidente da Associazione Culturale Italiana no Rio Grande do Sul, tendo sido agraciada pelo Presidente da República Italiana com o título de Cavaliere.


•    Saúde e doença escrava no século - Paulo Roberto Staudt Moreira

Paulo Staudt Moreira é possui graduação em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, mestrado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993) e doutorado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Colônia e Império, atuando principalmente nos seguintes temas: História da escravidão e do negro; História social dos movimentos populares; Patrimônio histórico documental; Identidade étnica; Abordagens de fontes documentais; História urbana no século XIX; Raízes e presença africana na América Latina.


•    Práticas de saúde na Santa Casa de Misericórdia: o material arqueológico do sítio RS-JA-29 - Centro Histórico Cultural, Porto Alegre - Zely Teresinha Company

Zely Teresinha Company possui graduação em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004) e mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2006). Exerce atividades em arqueologia pelo Núcleo de Pesquisa Arqueológica (NuPArq), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é aluno no curso de Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. , atuando principalmente nos seguintes temas: arqueologia histórica, história da medicina, arqueologia, vidros de remédios e história. Iniciou no Programa de Pós-Graduação, no Doutorado, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul no ano de 2007.


•    Estigma, dor e morte: memórias sobre a tuberculose - Lorena Almeida Gill

Lorena Gill é graduada em História, Especialista em Ciência Política, Mestre e Doutora em História. Desde 1992 é professora da Universidade Federal de Pelotas, junto ao Departamento de História e Antropologia. A ênfase de seu trabalho é em História Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: cidade, imigração, gênero, história oral e saúde e doença. Faz parte do corpo docente permanente do Mestrado em Ciências Sociais. Atualmente é Coordenadora do Colegiado do Curso de História.


•    “DE 2000 NÃO PASSARÁS” - Um percurso singular: do hospício para o mundo - Nadia Weber Santos

Nádia Maria Weber Santos é médica, psiquiatra junguiana, Mestre e Doutora em História pela UFRGS, coordenadora do Grupo de Trabalho de História Cultural da ANPUHRS (gestão 2006-2008), com publicações de vários artigos no Brasil e na França sobre a temática história e loucura. Fez doutorado-sanduíche na École des Hautes Études em Sciences Sociales (EHESS) de Paris. Autora dos livros Histórias de vidas ausentes - a tênue fronteira entre a saúde e a doença mental (editora da UPF, 2005) e Narrativas da loucura & Histórias de sensibilidades (editora da Universidade/UFRGS, 2008). Atualmente é pesquisadora (FAPERGS) na Escola Superior de Teologia/RS, desenvolvendo projeto sobre Construção de espaços de cidadania para a loucura nos municípios do Vale do Rio dos Sinos. 



Mediador: Adriane Raimann


15h30min – 16h00min: Coffe Break

16h00min – 18h00min: Mesa 3: Medicina, Práticas e Instituições III
•    Santa Casa de Porto Alegre: uma Casa de Saúde e de Memória - Adriane Raimann

Adriane Raimann é formada em História pela Unisinos e Especialista em História Contemporânea pela FAPA – Faculdade Porto-Alegrense. Atua como Historiadora na Santa Casa de Porto Alegre há 7 anos, compondo a equipe que desenvolve e representa o Centro Histórico-Cultural Santa Casa.


•    Pela higiene e saúde da população escolar: alguns diagnósticos e propostas para as escolas públicas gaúchas (1893 – 1928) - Ana Paula Kondörfer

Ana Paula Korndörfer possui graduação em História - Licenciatura Plena pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2004) e mestrado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2007), com a dissertação “É melhor prevenir do que a curar”: a higiene e a saúde nas escolas públicas gaúchas (1893 – 1928). É co-autora de estudos sobre a história social da infância no Rio Grande do Sul durante a República Velha.


•    Patrimônio Histórico da Saúde em Porto Alegre - Beatriz Teixeira Weber

Beatriz Teixeira Weber é graduada em História pela UFSM, Mestre em História pela UFRGS, Doutora em História Social do Trabalho pela UNICAMP, Pós-doutorado em História da Ciência na COC/FIOCRUZ. Professora no Departamento de História da Universidade Federal de Santa Maria. Autora do livro As Artes de Curar, Medicina, religião, magia e positivismo na República Rio-grandense.


•    A formação do MUHM e a colaboração de seu acervo para a pesquisa em história e saúde - Juliane C. Primon Serres e Everton Quevedo

Juliane C. Primon Serres é graduada em história pela UFSM, Mestre e Doutoranda em História pela UNISINOS, sua produção gira em torno de questões relativas a saúde pública no RS, em particular a questões voltadas a lepra no Estado. Atualmente é diretora do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul.

Éverton Reis Quevedo é graduado em História pela UFSM e Mestre em História pela PUCRS. Pesquisa na área de história e saúde, com produção voltada a questão da lepra no RS. Há três anos desenvolve atividades ligadas ao setor de pesquisa do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul e atualmente é coordenador da 1° Região Museológica do Sistema Estadual de Museus do RS.



Mediador: Leonor Baptista Schwartsman


20h: Conferência

La Conquête de l'eau en France aux XIXè et XXè siècles - A Conquista da Água na França dos séculos XIX e XX
Dr. Jean-Pierre Goubert – Professor da Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (EHESS – Paris) e Professor da Faculdade de Medicina Lariboisière-Saint-Louis. (Paris).

Licence d'Histoire et Géographie pela Faculté des Lettres et Sciences Humaines de l'Université de Rennes (1963)
DES d’Histoire Ancienne et d' Histoire Moderne pela Universite de Rennes I (1964)
Doctorat de 3e. cycle en Histoire Moderne pela Universite de Rennes I (1972) e Doctorat d' Etat en Histoire Contemporaine pela Universite de Paris VII (1984)
Atualmente é Titular da École des Hautes Etudes en Sciences Sociales e Professeur chargé de cours da Faculté de Médecine Lariboisière-Saint-Louis.

Público Alvo: Estudantes e Profissionais das áreas de História, Ciências Sociais Medicina e Ciências da Saúde

Data: 24 de junho de 2008
Local: Anfiteatro Hugo Gerdau – Santa Casa – Porto Alegre-RS

Inscrições: eventosmuseu@simers.org.br
Valor: R$ 10,00 com certificado, sem certificado a entrada é gratuita
Depósito: Banco do Brasil C/C. 33061-2 Ag. 1249-1
(Conta Associação dos Amigos do Museu de História da Medicina)
Apresentar o comprovante de pagamento no Credenciamento

Realização:
Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul
Centro Histórico Cultural da Santa Casa de Porto Alegre
UNIFRA
Departamento de História – Universidade Federal de Santa Maria

Apoio:
Sindicato Médico do Rio Grande do Sul
Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre
Instituto do Patrimônio Histórico e Cultural do Estado

 I Jornada de História e Saúde



Compartilhe:

10/06/2008 | Versão para Impressão

A importância das vacinas na saúde da mulher: dia 19, no Quintas no Museu

Na próxima quinta-feira, dia 12, não haverá Quintas no Museu, que retorna no dia 19 com uma discussão sobre as vacinas importantes para as mulheres. A palestrante será a médica Themis Reverbel da Silveira. O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM).

A MD. Themis Reverbel da Silveira lecionou na FFFCMPA e na UFRGS, onde foi responsável pela criação da especialidade "Gastroenterologia Pediátrica". Na mesma Instituição, criou o Programa de Transplante de Fígado para crianças, pelo qual responde até hoje. No Hospital de Clínicas de Porto Alegre, fez parte do Corpo Dirigente por 8 anos, período em que esteve à frente do Grupo de Pesquisa e Pós-Graduação (GPPG) do Hospital.
 
Em 2007 foi homenageada com um congresso internacional que levou seu nome: "Simpósio Prof. Themis Reverbel da Silveira – atualização em Gastro Pediatria do IAD". Recebeu o título de Cidadã Honorária de Porto Alegre em reconhecimento ao seu trabalho. É também uma das homenageadas na exposição em vigor no MUHM.

Serviço:

Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 19/06/2008: Saúde da mulher: a importância das vacinas
Convidada: MD. Themis Reverbel da Silveira
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

20/06/2008 | Versão para Impressão

Ciclo Museus e Educação tem início dia 26 no Muhm

Na próxima quinta-feira, dia 26, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) inicia, dentro do seu projeto Quintas no Museu, o ciclo Museus e Educação, com a museóloga Valéria Abdalla, professora do curso de Museologia da UFRGS. O ciclo segue até o dia 24 de julho, e vai trazer, semanalmente, profissionais para debater e apresentar trabalhos sobre o papel dos museus no processo educativo. O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

Serviço:
CICLO MUSEUS E EDUCAÇÃO: 26 de junho a 24 de julho de 2008
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 26/06/2008: Museu e Educação
Convidada: Valéria Abdalla, museóloga e professora do curso de Museologia da UFRGS
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

24/06/2008 | Versão para Impressão

Santa Maria recebe a mostra Retratos da Medicina

 

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura, na próxima terça-feira (1º), em Santa Maria, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra ficará exposta no Museu Educativo Gama d’Eça  (Rua do Acampamento, 81) até 27 de julho. A exposição Retratos é uma iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 19 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII. 

 

A mostra se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medica. Quem visitar a mostra atual vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

A exposição Retratos é uma realização do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e suas regionais, e em Santa Maria conta ainda com o Sindicato Médico de Santa Maria. A mostra fica à disposição do público de 02 a 27 de julho, de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Aos sábados também, mediante agendamento.

Além das exposições itinerantes, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro, onde continua com a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, que foi prorrogada até outubro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.



Compartilhe:

24/06/2008 | Versão para Impressão

História do Sindicalismo Médico no RS ganha exposição virtual

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) lança nesta quarta-feira (25) a sua primeira exposição exclusivamente virtual, em homenagem aos 77 anos do Sindicato Médico do RS (Simers). O lançamento da mostra “O Sindicalismo Médico no Rio Grande do Sul” acontece durante o Congresso da FENAM, de 25 a 28 junho, no Hotel Laje de Pedra, em Canela.

Durante o congresso o Muhm levará alguns objetos de seu acervo para o evento e também computadores para acessar o site www.muhm.org.br/sindicalismo, que ficará disponível internacionalmente pela Internet a partir do lançamento. A ferramenta tornará possível conhecer a trajetória de luta da instituição e visualizar documentos decisivos para o sindicalismo médico gaúcho, como a Ata de Fundação do SIMERS e a lei que regulamentou a profissão em 1932, além de fotografias de momentos marcantes, como a realização do Congresso da FENAM organizado pelo SIMERS em 1979, durante a Ditadura Militar.

O visitante poderá ainda percorrer uma linha do tempo com as décadas de lutas do sindicato, através das capas das publicações da entidade. Outras informações, como biografias e fotos de presidentes que ajudaram a construir a história do SIMERS também estarão disponíveis. A exposição virtual também pode ser acessada através da página principal do museu (www.muhm.org.br).



Compartilhe:

07/08/2008 | Versão para Impressão

Poesias do médico Antero Marques são lançadas em livro no MUHM

Estrela Boieira, de Antero MarquesO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) lança, no próximo dia 12 de agosto, às 19 horas, o livro Estrela Boieira (Suliani Letra & Vida Editora). Organizado por Paulo Estivalet Flores Pinto, Miguel F. do Espírito Santo, Valdir Amaral Pinto e Fausto José Leitão Domingues, a obra reúne poesias inéditas do médico Antero Marques, escritas na maioria entre 1923 e 1930. Antero era natural de São Francisco de Assis, participou das revoluções de 1923 e 1930, formando-se em medicina em 1931. Antero Marques pertenceu ao grupo de Aureliano de Figueiredo Pinto, José de Figueiredo Pinto (Zeca Blau), Raul Bopp, Vargas Neto, José Olavo Machado, Olmiro de Azevedo, entre outros grandes nomes. O evento terá a participação do cantor nativista Dorotéo Fagundes e da declamadora Liliana Cardoso.

O acervo do MUHM conta com fotografias, poemas e a tese do MD. Antero Marques, doados por sua sobrinha, Vanda Krindges Marques. Ainda estudante, o MD. Marques lutou na Revolução de 1923. Em 1930, voltou a lutar, ao lado de Getúlio Vargas. A conquista garantiria ao profissional o diploma sem terminar os estudos. Ele, no entanto, recusou o privilégio.

Durante o lançamento, a apresentação do momento poético do médico fica a cargo de Miguel F. do Espírito Santo, um dos organizadores do livro. As influências recebidas, as relações com a literatura, o movimento modernista e a valorização do espírito da terra são alguns dos aspectos que serão apresentados. Depois, Dr. Eduardo Cünha Muller falará sobre a vida de Antero Marques: o guerreiro, as revoluções, a família.

O evento acontece na sede do Museu (na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre) com o apoio do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e deve contar com a presença dos organizadores, coquetel, sessão de autógrafos e de declamação de poesias acompanhadas musicalmente. As confirmações de presença devem ser feitas pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail eventosmuseu@simers.org.br.


Carteira de Matrícula de 1928 na Faculdade de Medicina de Porto Alegre, assinada pelo MD. Sarmento Leite.

Carteira de Matrícula de 1928 na Faculdade de Medicina de Porto Alegre, assinada pelo MD. Sarmento Leite. - Acervo MUHM.



Compartilhe:

18/07/2008 | Versão para Impressão

Exposição Retratos da Medicina é prorrogada em Santa Maria

A exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul, prevista para terminar no dia 27 de julho, será prorrogada até 03 de agosto em Santa Maria. A mostra está exposta no Museu Educativo Gama d’Eça (Rua do Acampamento, 81), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e é uma iniciativa do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), com apoio do Sindicato Médico do município. A Retratos já percorreu 19 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII. A próxima cidade a receber a mostra será Pelotas.

A exposição se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medica. Quem visitar a mostra atual vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

Em Santa Maria, a mostra foi enriquecida com o acervo do próprio museu que a está recebendo. O Museu Educativo Gama d’Eça possui, entre outros, o acervo do fundador da UFSM, o MD. José Mariano da Rocha Filho, além do prédio ter sido a residência e consultório do também médico Astrogildo César de Azevedo,
Intendente Municipal e fundador do Hospital de Caridade, primeiro hospital da cidade. O atendimento ao público é de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Aos sábados também, mediante agendamento.

Além das exposições itinerantes, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro, onde continua com a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, que foi prorrogada até outubro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.



Compartilhe:

02/07/2008 | Versão para Impressão

Ciclo debate o museu como espaço de educação não formal

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) dá continuidade na próxima quinta-feira (03) ao ciclo Museus e Educação, dentro do seu evento semanal Quintas no Museu. A edição desta semana falará sobre “O Museu como espaço de educação não formal” e será conduzida por Maria Cristina Pons da Silva. A palestrante é museóloga e bióloga, formada pela PUCRS, onde também concluiu o mestrado em Biociências (Zoologia). Doutora em Ciências (Biologia Animal) pela UFRGS, com experiência em documentação e conservação de coleções zoológicas, docência, elaboração e coordenação de projetos museológicos.

O primeiro encontro aconteceu no dia 26, com a museóloga Valéria Abdalla, professora do curso de Museologia da UFRGS. O ciclo segue até o dia 24 de julho, e vai trazer, semanalmente, profissionais para debater e apresentar trabalhos sobre o papel dos museus no processo educativo. Para as semanas seguintes estão confirmadas Margarita Kremer, Naira Vasconcellos e Maria Cristina Leitzke.

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.
Serviço:

CICLO MUSEUS E EDUCAÇÃO: 26 de junho a 24 de julho de 2008
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 03/07/2008: O Museu como espaço de educação não formal
Convidada: Maria Cristina Pons da Silva, museóloga e bióloga
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

07/07/2008 | Versão para Impressão

Galeria de fotos de 30 de junho a 07 de julho

 Acompanhe a semana do MUHM:


07.07.2008 - Visita da Escola Estadual Raul Pilla

Escola Escola Raul Pilla Escola Escola Raul Pilla

Escola Escola Raul Pilla Escola Escola Raul Pilla


03.07.2008 - Quintas no Museu - Ciclo Museus e Educação

Quintas no Museu Quintas no Museu

Quintas no Museu Quintas no Museu


01.07.2008 - Retratos da Medicina - Santa Maria

Retratos em Santa Maria Retratos em Santa Maria

Retratos em Santa Maria Retratos em Santa Maria 

Retratos em Santa Maria Retratos em Santa Maria

 


30.06.2008 - Visita da Escola Municipal São Pedro

Visita Escola Municipal São Pedro Visita Escola Municipal São Pedro

Visita Escola Municipal São Pedro Visita Escola Municipal São Pedro



Compartilhe:

07/07/2008 | Versão para Impressão

Galeria de fotos de 23 a 28 de junho

Acompanhe a semana do MUHM:


25 a 28.06.2008 Exposição Virtual O Sindicalismo Médico no Rio Grande do Sul - lançamento durante o Congresso da Fenam - Hotel Laje de Pedra, Canela, RS


MUHM na FENAM MUHM na FENAM

MUHM na FENAM Foto: Viviane Dreher 

MUHM na FENAM Foto: Viviane Dreher

MUHM na FENAM MUHM na FENAM

Foto: Viviane Dreher Foto: Viviane Dreher



26.06.2008 Quintas no Museu


Ciclo Museus e Educação  Ciclo Museus e Educação

Ciclo Museus e Educação - Quintas no Museu Ciclo Museus e Educação - Quintas no Museu



24.06.2008 I Jornada de História e Saúde: Medicina, Práticas e Instituições


Abertura da I Jornada de História e Saúde I Jornada de História e Saúde

I Jornada de História e Saúde I Jornada de História e Saúde

I Jornada de História e Saúde  I Jornada de História e Saúde

I Jornada de História e Saúde I Jornada de História e Saúde



Conferência com Dr. Jean-Pierre Goubert Jean-Pierre Goubert em visita ao MUHM



23.06.2008 Visita da Escola Municipal São Pedro


Visita Escola Municipal São Pedro Visita Escola Municipal São Pedro

Setor Educativo do MUHM Visita Escola Municipal São Pedro



Compartilhe:

08/07/2008 | Versão para Impressão

Muhm promove medidas de conservação preventiva em acervos

Alunos do curso Técnico em Biblioteconomia da UFRGSO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) desenvolve ações em parceria com instituições responsáveis pela guarda de acervos, com o objetivo de realizar medidas que contribuam para a melhoria das suas condições de preservação. A parceria com a Escola Técnica da UFRGS já está no segundo ano, proporcionando aos alunos aprimoramento dos conhecimentos obtidos no Curso Técnico de Biblioteconomia e, agora, também nos cursos de Arquivologia e Biblioteconomia.

A atividade envolve a realização de medidas de conservação preventiva em acervos (higienização, acondicionamento) que devem ser implementadas após a realização de um diagnóstico de cada um deles, e é coordenada pela Técnica em Biblioteconomia do Muhm Érika Alíbio. Segundo a técnica, medidas como essas retardam a necessidade de intervenções como a restauração, que além de envolver um tratamento individual de cada peça, tem custos bastante elevados, o que muitas vezes inviabiliza o trabalho. O projeto também conta com a participação da professora da Escola Técnica Angela Flach.

Outra característica do trabalho é a possibilidade de extendê-lo a acervos de outras instituições, além do existente no Muhm, e de participação dos alunos envolvidos no projeto em eventos de Extensão, como o Salão de Extensão da UFRGS e a Mostra Técnico-Científica da Escola Técnica.


Compartilhe:

07/07/2008 | Versão para Impressão

Ciclo apresenta o museu como lugar para ver, ler e aprender

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) dá continuidade na próxima quinta-feira (10) ao ciclo Museus e Educação, dentro do seu evento semanal Quintas no Museu. O tema desta semana é “Museu: lugar para ver, ler e aprender” e será apresentado por Margarita Kremer. A palestrante é Artista Plástica e atual como professora e pesquisadora do Instituto de Artes da UFRGS e consultora para projetos culturais com grandes públicos. Em 2007 foi coordenadora das ações educativas da exposição “No Ar, 50 anos da Comunicação”, do Grupo RBS. Atuou também como Coordenadora Pedagógica das ações educativas do Projeto Êxodos do Fotografo Sebastião Salgado em 2000 e da I, II, III Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Participou do Seminário Internacional sobre Ação Educativa em Instituições Culturais no Itaú Cultural.

O primeiro encontro aconteceu no dia 26, com a museóloga Valéria Abdalla, professora do curso de Museologia da UFRGS. O segundo dia, com a bióloga e museóloga Maria Cristina Pons da Silva, abordou a educação não formal. O ciclo segue até o dia 24 de julho, e vai trazer, semanalmente, profissionais para debater e apresentar trabalhos sobre o papel dos museus no processo educativo. Para as semanas seguintes estão confirmadas Naira Vasconcellos e Maria Cristina Leitzke.

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.
Serviço:

CICLO MUSEUS E EDUCAÇÃO: 26 de junho a 24 de julho de 2008
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 10/07/2008: Museu: lugar para ver, ler e aprender
Convidada: Margarita Kremer, Artista Plástica e professora do IA/UFRGS
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br

Programação completa (baixe aqui o cartaz e divulgue)

26.6 - Educação em Museus
Valéria Abdalla - museóloga e professora do curso de Museologia da UFRGS.

03.7 - O Museu como espaço de educação não formal
Maria Cristina Pons da Silva - museóloga e bióloga, formada pela PUCRS, onde também concluiu o mestrado em Biociências (Zoologia). Doutora em Ciências (Biologia Animal) pela UFRGS, com experiência em documentação e conservação de coleções zoológicas, docência, elaboração e coordenação de projetos museológicos.

10.7 - Museu: lugar para ver, ler e aprender
Margarita Kremer - artista plástica, atualmente é professora e pesquisadora em Artes no IA/UFRGS e consultora para projetos culturais com grandes públicos. Em 2007 foi coordenadora das ações educativas da exposição No Ar, 50 anos da Comunicação do Grupo RBS. Atuou também como coordenadora pedagógica das ações educativas do Projeto Êxodos do Fotografo Sebastião Salgado em 2000 e da I, II, III Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Participou do Seminário Internacional sobre Ação Educativa em Instituições Culturais no Itaú Cultural.

17.7- O Museu e a construção do conhecimento: a ação educativa nos espaços museológicos
Naira Vasconcellos - Mestre em Estudos Latino-Americanos Vanderbilt University/USA, professora do curso de História ULBRA, historiógrafa do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS).

24.7 - Museus: desafios para a percepção
Maria Cristina Leitzke - Graduada em História, pós-graduada em Educação, com especialização em educação e sociedade. Pós-graduada em Artes, com especialização em patrimônio cultural. Atua junto a Museus, desde 1993, com ênfase em ações educativas e culturais. Atualmente é coordenadora de projetos educativos e culturais no Museu da UFRGS.


Compartilhe:

29/07/2008 | Versão para Impressão

Museu de História da Medicina promove ciclo de palestras sobre Patrimônio

Na próxima quinta-feira (31), inicia no Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) um novo ciclo de palestras. O ciclo Patrimônio sucede as discussões sobre Museus e Educação e vai trazer profissionais de arquivos, faculdades e museus. O historiador Paulo Staudt Moreira abre o ciclo apresentando "O Arquivo Histórico do Estado como espaço de patrimônio e memória". Moreira é doutor e professor em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), organizador e transcritor paleográfico do acervo documental manuscrito do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul (AHRS). O pesquisador também coordena o projeto de recuperação de documentos históricos da Beneficência Portuguesa, realizado através de convênio entre a Unisinos, AHRS, Sindicato Médico do RS (Simers) e a Sociedade Portuguesa de Beneficência.

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, prorrogada até 1º de outubro.

Na semana seguinte, dia 07, o tema será "A Educação Patrimonial no Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho", com a diretora da entidade, a arquivista Karine Georg Dressler. Dia 14 a palestra será "Patrimônio: um conceito em transformação", com Zita Possamai, historiadora, mestre e doutora em História, professora da UFRGS, autora e organizadora de livros e artigos sobre museus e patrimônio histórico-cultural, especialmente de Porto Alegre. No dia 21 Marlise Giovanaz, graduada, mestre e doutoranda em História, professora da FABICO/UFRGS nos cursos de Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia, pesquisadora das temáticas de memória e patrimônio, fala sobre "Patrimônio Cultural de  Porto Alegre: reflexões e perspectivas". O encerramento será dia 28 com Simone Flores Monteiro, coordenadora do Sistema Estadual de Museus do RS e membro do Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus, falando sobre a Política Nacional, o Sistemas Brasileiro e o Estadual de Museus.

Serviço:

CICLO PATRIMÔNIO: de 31 de julho a 28 de agosto de 2008
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 31/07/2008: O Arquivo Histórico do Estado como espaço de patrimônio e memória
Convidado: Paulo Staudt Moreira, doutor e professor em História pela Unisinos, organizador e transcritor paleográfico do acervo documental manuscrito do Arquivo Histórico do RS
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

11/07/2008 | Versão para Impressão

Muhm promove palestra sobre ações educativas no ciclo Museus e Educação

Na próxima quinta-feira (17), no ciclo Museus e Educação do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm), será apresentada a palestra “O Museu e a construção do conhecimento: a ação educativa nos espaços museológicos”, dentro do seu evento semanal Quintas no Museu. O objetivo do ciclo é trazer semanalmente, profissionais para debater e apresentar trabalhos sobre o papel dos museus no processo educativo. A palestrante da semana é Naira Vasconcellos, Mestre em Estudos Latino-Americanos pela Vanderbilt University/USA, professora do curso de História ULBRA e historiógrafa do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (Margs).

O primeiro encontro aconteceu no dia 26, com a museóloga Valéria Abdalla, professora do curso de Museologia da UFRGS. No segundo dia a bióloga e museóloga Maria Cristina Pons da Silva abordou a educação não formal, e a edição passada trouxe a artista plástica Margarita Kremer falando dos museus como espaços para ler, ver e aprender. O ciclo encerra no dia 24, com Maria Cristina Leitzke, do Museu da Ufrgs.

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.
Serviço:

CICLO MUSEUS E EDUCAÇÃO: de 26 de junho a 24 de julho de 2008
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 17/07/2008: O Museu e a construção do conhecimento: a ação educativa nos espaços museológicos
Convidada: Naira Vasconcellos, professora e historiógrafa (Ulbra/Margs)
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br

Programação completa (baixe aqui o cartaz e divulgue)

26.6 - Educação em Museus
Valéria Abdalla - museóloga e professora do curso de Museologia da UFRGS.

03.7 - O Museu como espaço de educação não formal
Maria Cristina Pons da Silva - museóloga e bióloga, formada pela PUCRS, onde também concluiu o mestrado em Biociências (Zoologia). Doutora em Ciências (Biologia Animal) pela UFRGS, com experiência em documentação e conservação de coleções zoológicas, docência, elaboração e coordenação de projetos museológicos.

10.7 - Museu: lugar para ver, ler e aprender
Margarita Kremer - artista plástica, atualmente é professora e pesquisadora em Artes no IA/UFRGS e consultora para projetos culturais com grandes públicos. Em 2007 foi coordenadora das ações educativas da exposição No Ar, 50 anos da Comunicação do Grupo RBS. Atuou também como coordenadora pedagógica das ações educativas do Projeto Êxodos do Fotografo Sebastião Salgado em 2000 e da I, II, III Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Participou do Seminário Internacional sobre Ação Educativa em Instituições Culturais no Itaú Cultural.

17.7- O Museu e a construção do conhecimento: a ação educativa nos espaços museológicos
Naira Vasconcellos - Mestre em Estudos Latino-Americanos Vanderbilt University/USA, professora do curso de História ULBRA, historiógrafa do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS).

24.7 - Museus: desafios para a percepção
Maria Cristina Leitzke - Graduada em História, pós-graduada em Educação, com especialização em educação e sociedade. Pós-graduada em Artes, com especialização em patrimônio cultural. Atua junto a Museus, desde 1993, com ênfase em ações educativas e culturais. Atualmente é coordenadora de projetos educativos e culturais no Museu da UFRGS.


Compartilhe:

18/07/2008 | Versão para Impressão

Galeria de fotos da semana

Veja como foi a semana no Muhm:


17.07.2008 - Quintas no Museu - Ciclo Museus e Educação

Professora e Historiógrafa Naira Vasconcellos Professora e Historiógrafa Naira Vasconcellos

Professora e Historiógrafa Naira Vasconcellos Professora e Historiógrafa Naira Vasconcellos


14.07.2008 - Visitação de Escolas/Ações Educativa

Visita Escola São Pedro Visita Escola São Pedro

Visita Escola São Pedro Visita Escola São Pedro





Compartilhe:

18/07/2008 | Versão para Impressão

Palestra aborda desafios da percepção e encerra Ciclo Museus e Educação no Muhm

Na próxima quinta-feira (24), acontece a última palestra do ciclo Museus e Educação do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm). O ciclo trouxe por cinco semanas consecutivas, dentro do seu evento semanal Quintas no Museu, profissionais que debateram e apresentaram trabalhos sobre o papel dos museus no processo educativo. O encerramento será com a palestra “Museus: desafios para a percepção”, ministrada por Maria Cristina Leitzke. A profissional é graduada em História, pós-graduada em Educação (especialização em educação e sociedade) e em Artes (especialização em patrimônio cultural). Atua junto a Museus, desde 1993, com ênfase em ações educativas e culturais. Atualmente é coordenadora de projetos educativos e culturais no Museu da UFRGS. O próximo ciclo, sobre Patrimônio, inicia dia 31, com o historiador Paulo Staudt Moreira apresentando o Arquivo Histórico do Estado como espaço de patrimônio e memória.

O primeiro encontro aconteceu no dia 26, com a museóloga Valéria Abdalla, professora do curso de Museologia da UFRGS. No segundo dia a bióloga e museóloga Maria Cristina Pons da Silva abordou a educação não formal, e na terceira semana a artista plástica Margarita Kremer falou sobre os museus como espaços para ler, ver e aprender. Na última edição, Naira Vasconcellos discutiu o papel do museu na construção do conhecimento: a ação educativa nos espaços museológicos.

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

Serviço:

CICLO MUSEUS E EDUCAÇÃO: de 26 de junho a 24 de julho de 2008
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 24/07/2008: Museus: desafios para a percepção
Convidada: Maria Cristina Leitzke, historiadora, com especializações em Educação e Artes, coordenadora dos projetos educativos e culturais do Museu da UFRGS
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br




Compartilhe:

11/07/2008 | Versão para Impressão

Escolas lotam agenda da exposição Mulheres e Práticas de Saúde, prorrogada até outubro

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) prorrogou até outubro a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino. A exposição homenageia a trajetória de médicas, parteiras – formadas e "curiosas" – e benzedeiras de municípios como Santa Maria, Ijuí, Uruguaiana, Capivari do Sul, entre outros. O agendamento de escolas no museu, que tem as segundas-feiras reservadas para receber alunos de ensino fundamental, está lotado até o final da exposição e para boa parte do início da próxima mostra. As primeiras turmas atendidas foram das escolas São Pedro (municipal) e Raul Pilla (estadual).

De acordo com a responsável pelo setor Educativo do Muhm, a historiadora Daniela Vallandro  de Carvalho, há somente duas semanas livres em outubro, no período entre a exposição atual e a próxima, depois, só em dezembro. Os alunos que visitam o Muhm participam de oficinas sobre a mostra, que conta a história das primeiras médicas formadas no Brasil é apresentada através de fotos, documentos e objetos.

História

A precursora da medicina brasileira, a gaúcha Rita Lobato, formou-se na Bahia em 1887, e desde a inauguração desta mostra dá nome a uma sala do museu. Os visitantes vêem objetos que lhe pertenceram, cedidos para o museu pela sua família. A viagem no tempo se completa com a reprodução de um figurino de época utilizado pela médica, baseado em fotos do acervo do Muhm. A confecção da roupa foi possível graças ao apoio dos cursos de graduação em Design em Moda e Tecnologia e de especialização em Moda, Arte e História, ambos da Feevale. As duas médicas seguintes a formar-se em território brasileiro também eram gaúchas: Ermelinda Lopes Vasconcelos e Antonieta César Dias formaram-se no Rio de Janeiro, em 1888 e 1889. Mais tarde, em 1904, Alice Maeffer tornou-se a primeira a formar-se em solo gaúcho.

Fotos e documentários

Os tempos atuais estão representados pelo trabalho do fotógrafo Felipe Henrique Gavioli, que registrou as entrevistas feitas pelo historiador Éverton Quevedo. Foram ouvidas dez médicas ainda atuantes de diferentes especialidades que alcançaram níveis de excelência técnica e acadêmica.  As parteiras e benzedeiras foram escolhidas com o apoio da folclorista Elma Sant'Ana, que editou, em parceria com o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), dois livros com essa temática. Seus depoimentos estão nos documentários "Fé" e "Vida", feitos especialmente para a exposição e que o público pode assistir no Museu. Algumas dessas mulheres aprenderam o ofício na faculdade, formando-se em Enfermagem Obstétrica, curso que em Porto Alegre deu origem, junto com o de Farmácia, à atual faculdade de Medicina da Ufrgs. Partos difíceis e benzeduras para todos os males fazem parte das histórias relatadas por elas. As crianças aprendem que os depoimentos colhidos para os documentários também são objeto de estudo – história oral – e somam-se aos documentos escritos e livros como fonte de pesquisa.

 
Quintas no Museu

Integra a programação da mostra o evento Quintas no Museu, que é gratuito e acontece todas as quintas-feiras, às 18 horas, no hall (entrada) do Muhm. O espaço é aberto para apresentações musicais, palestras, bate-papos sobre saúde, história e medicina. No mês de julho o evento apresenta o Ciclo Museus e Educação.

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na av. Independência, 270, bairro Centro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.


Visita da Escola Estadual Raul Pilla (segunda-feira, 07 de junho)


Escola Escola Raul Pilla Escola Escola Raul Pilla

Escola Escola Raul Pilla Escola Escola Raul Pilla


Compartilhe:

05/08/2008 | Versão para Impressão

Pelotas recebe a mostra Retratos da Medicina

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura, na próxima terça-feira (05), às 19h30min, em Pelotas, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra ficará exposta no Centro de Integração do Mercosul (Rua Andrade Neves, 1529) até 17 de agosto. A exposição Retratos é uma iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 20 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII.

A mostra se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da Medica. Quem visitar a mostra atual vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

A exposição Retratos é uma realização do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul e no município conta ainda com a Delegacia Regional do SIMERS em Pelotas, além do Centro de Integração do Mercosul e do Departamento de História da UFPel. A mostra fica à disposição do público a partir do dia 06, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

Além das exposições itinerantes, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro, onde continua com a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, que foi prorrogada até 1º de outubro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.

 


Compartilhe:

28/08/2008 | Versão para Impressão

Prêmio Prof. Rubens Maciel e I Jornada Gaúcha de História da Medicina

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul está apoiando a I Jornada Gaúcha de História da Medicina, que acontecerá nos dias 26 e 27 de setembro de 2008 no Hospital São Lucas da PUCRS, e também a primeira edição do Prêmio Professor Rubens Maciel, instituído pela Associação Gaúcha de História da Medicina (AGHM), patrocinado pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS). Também apóiam o prêmio a Faculdade de Medicina e a Pós-Graduação em História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, além da Associação de Amigos do MUHM.

Saiba mais sobre o prêmio e o evento:

Informações completas sobre a vida e obra do PROF. RUBENS MACIEL estão disponíveis no site do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM): http://www.muhm.org.br.

Clique aqui acessar o regulamento do Prêmio Professor Rubens Maciel.

Clique aqui para acessar a programação
da I Jornada Gaúcha de História da Medicina



Avisos importantes:

A organização do evento alerta para a ÚLTIMA PRORROGAÇÃO dos prazos de envio de resumos (30 de agosto). O aceite acontece até 03 de setembro e o envio dos trabalhos completos deve ocorrer até 17 de setembro.

As inscrições para a I Jornada Gaúcha de História da Medicina precisam ser feitas na PROEX - Pró-Reitoria de Extensão da PUCRS - Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 40 - Sala 201 - fone (51) 3320-3680 ou proex@pucrs.br. Evento de extensão universitária da PUCRS. Vale horas complementares.

No entanto, aqueles que, além de participarem da I Jornada, desejem inscrever trabalhos na sessão de temas livres do evento e assim participar do Prêmio Prof. Rubens Maciel, devem TAMBÉM enviar os resumos e trabalhos para o e-mail rubensmaciel2008@simers.org.br, nas datas descritas no regulamento do prêmio.


Rubens Mário Garcia Maciel
 
Natural de Santana do Livramento nasceu em 1913. Faleceu em 2004, aos 91 anos. Primeiro aluno da turma de Medicina de 1937 da Faculdade de Medicina de porto Alegre teve, entre suas realizações, a organização e direção da Enfermaria 29 da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (1948-1957). Especialista em cardiologia, foi Livre Docente de Clínica Médica, de Clínica Médica propedêutica e professor de Medicina Interna. Ocupou a cadeira de número 43 da Academia Sul-Riograndense de Medicina e foi membro titular da Academia Brasileira de Medicina, ocupando a cadeira número 41.



Prêmio Professor Rubens Maciel 2008


Compartilhe:

14/08/2008 | Versão para Impressão

Lançamento de livro com poesias inéditas do médico Antero Marques é dia 12, no MUHM

Estrela Boieira, de Antero MarquesO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) lança nesta terça-feira, dia 12 de agosto, às 19 horas, o livro Estrela Boieira (Suliani Letra & Vida Editora). Organizado por Paulo Estivalet Flores Pinto, Miguel F. do Espírito Santo, Valdir Amaral Pinto e Fausto José Leitão Domingues, a obra reúne poesias inéditas do médico Antero Marques, escritas na maioria entre 1923 e 1930. Antero era natural de São Francisco de Assis, participou das revoluções de 1923 e 1930, formando-se em medicina em 1931. Antero Marques pertenceu ao grupo de Aureliano de Figueiredo Pinto, José de Figueiredo Pinto (Zeca Blau), Raul Bopp, Vargas Neto, José Olavo Machado, Olmiro de Azevedo, entre outros grandes nomes. O evento terá a participação do cantor nativista Dorotéo Fagundes e da declamadora Liliana Cardoso.

O acervo do MUHM conta com fotografias, poemas e a tese do MD. Antero Marques, doados por sua sobrinha, Vanda Krindges Marques. Ainda estudante, o MD. Marques lutou na Revolução de 1923. Em 1930, voltou a lutar, ao lado de Getúlio Vargas. A conquista garantiria ao profissional o diploma sem terminar os estudos. Ele, no entanto, recusou o privilégio.

Durante o lançamento, a apresentação do momento poético do médico fica a cargo de Miguel F. do Espírito Santo, um dos organizadores do livro. As influências recebidas, as relações com a literatura, o movimento modernista e a valorização do espírito da terra são alguns dos aspectos que serão apresentados. Depois, Dr. Eduardo Cünha Muller falará sobre a vida de Antero Marques: o guerreiro, as revoluções, a família.

O evento acontece na sede do Museu (na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre) com o apoio do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e deve contar com a presença dos organizadores, coquetel, sessão de autógrafos e de declamação de poesias acompanhadas musicalmente. As confirmações de presença devem ser feitas pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail eventosmuseu@simers.org.br.


Carteira de Matrícula de 1928 na Faculdade de Medicina de Porto Alegre, assinada pelo MD. Sarmento Leite.

Carteira de Matrícula de 1928 na Faculdade de Medicina de Porto Alegre, assinada pelo MD. Sarmento Leite. - Acervo MUHM.



Compartilhe:

11/08/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu aborda Patrimônio: um conceito em transformação

Nesta quinta-feira (14) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) apresenta, no ciclo Patrimônio, a palestra “Patrimônio: um conceito em transformação”, com Zita Possamai, historiadora, mestre e doutora em História, professora da UFRGS, autora e organizadora de livros e artigos sobre museus e patrimônio histórico-cultural, especialmente de Porto Alegre.

O ciclo acontece dentro do Quintas no Museu, um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, prorrogada até 1º de outubro.

O ciclo Patrimônio, que vai trazer profissionais de arquivos, faculdades e museus para tratar do tema, foi aberto no último dia 31 pelo historiador Paulo Staudt Moreira, que falou sobre o Arquivo Histórico do Estado como espaço de patrimônio e memória. Na última semana, dia 07, a diretora do Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho, a arquivista Karine Georg Dressler,  abordou diferentes formas de educação patrimonial, desde o patrimônio  material ao imaterial, passando pelo patrimônio ambiental.

No dia 21 Marlise Giovanaz fala sobre “Patrimônio Cultural de  Porto Alegre: reflexões e perspectivas”. Marlise é graduada, mestre e doutoranda em História, professora da FABICO/UFRGS nos cursos de Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia, pesquisadora das temáticas de memória e patrimônio.

O encerramento será dia 28 com Simone Flores Monteiro, coordenadora do Sistema Estadual de Museus do RS e membro do Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus, falando sobre a Política Nacional, o Sistemas Brasileiro e o Estadual de Museus.
Serviço:

CICLO PATRIMÔNIO: de 31 de julho a 28 de agosto de 2008
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 14/08/2008: “Patrimônio: um conceito em transformação”
Convidada: Zita Possamai, historiadora, mestre e doutora em História, professora da UFRGS
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

11/08/2008 | Versão para Impressão

Educação Patrimonial no Quintas no Museu - Ciclo Patrimônio

Na próxima quinta-feira (07) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) apresenta, no ciclo Patrimônio, a palestra “Educação Patrimonial”, com a arquivista Karine Georg Dressler, diretora do Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho. O ciclo acontece dentro do Quintas no Museu, um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, prorrogada até 1º de outubro.

O ciclo Patrimônio, que vai trazer profissionais de arquivos, faculdades e museus para tratar do tema, foi aberto no último dia 31 pelo historiador Paulo Staudt Moreira, que falou sobre o Arquivo Histórico do Estado como espaço de patrimônio e memória.

Na próxima semana, dia 14, a palestra será “Patrimônio: um conceito em transformação”, com Zita Possamai, historiadora, mestre e doutora em História, professora da UFRGS, autora e organizadora de livros e artigos sobre museus e patrimônio histórico-cultural, especialmente de Porto Alegre.

No dia 21 Marlise Giovanaz fala sobre “Patrimônio Cultural de  Porto Alegre: reflexões e perspectivas”. Marlise é graduada, mestre e doutoranda em História, professora da FABICO/UFRGS nos cursos de Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia, pesquisadora das temáticas de memória e patrimônio.

O encerramento será dia 28 com Simone Flores Monteiro, coordenadora do Sistema Estadual de Museus do RS e membro do Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus, falando sobre a Política Nacional, o Sistemas Brasileiro e o Estadual de Museus.
Serviço:

CICLO PATRIMÔNIO: de 31 de julho a 28 de agosto de 2008
Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 07/08/2008: O Arquivo Histórico do Estado como espaço de patrimônio e memória
Convidada: Karine Georg Dressler, diretora do Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho.
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

14/08/2008 | Versão para Impressão

Jaguarão recebe a mostra Retratos da Medicina

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura, na próxima terça-feira (19), em Jaguarão, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra ficará exposta na Casa de Cultura Pompílio Neves de Freitas (Praça Dr. Alcides Marques, 89) até 08 de setembro. A exposição Retratos é uma iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 21 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII.

A mostra se divide em quatro fases: a prática médica (presença dos primeiros médicos em território gaúcho), o ensino médico (relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul), a defesa da profissão e organização sindical e os personagens da história da medicina. Quem visitar a mostra atual vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

A exposição Retratos é uma realização do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul e no município conta ainda com a Delegacia Regional do SIMERS em Pelotas, além da Casa de Cultura Pompílio Neves de Freitas e da Secretaria Municipal de Cultura. A mostra fica à disposição do público a partir do dia 20, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

Curiosidades

Entre os personagens da história da medicina retratados na mostra está o médico e político Carlos Barbosa. Nascido em Pelotas, em 8 de abril de 1849 e falecido em Jaguarão no ano de 1934, Carlos Barbosa foi governador do Rio Grande do Sul (1908-1912), senador, deputado e secretário de Estado. Sabia de cor Os Sertões, de Euclides da Cunha. Durante seu governo, apoiou a Faculdade de Medicina de Porto Alegre, onde foi professor honorário. É nome de rua em cidades gaúchas e em Melo, no Uruguai, e dá nome a um município gaúcho e ao Museu Carlos Barbosa, em Jaguarão, que conserva cortinas, móveis, roupas e perfumes em seus lugares, como se a família médico fosse chegar a qualquer instante.

Sede

Além das exposições itinerantes, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro, onde continua com a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, que foi prorrogada até 1º de outubro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.


Compartilhe:

14/08/2008 | Versão para Impressão

O Patrimônio Cultural de Porto Alegre é tema de palestra no Quintas no Museu

Na próxima quinta-feira (21) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) apresenta, no ciclo Patrimônio, a palestra “Patrimônio Cultural de  Porto Alegre: reflexões e perspectivas”, com Marlise Giovanaz. A palestrante é graduada, mestre e doutoranda em História, professora da FABICO/UFRGS nos cursos de Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia, pesquisadora das temáticas de memória e patrimônio.

O ciclo acontece dentro do Quintas no Museu, um evento gratuito e aberto à comunidade para conversas sobre saúde da mulher, história da medicina, literatura e atrações musicais. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, prorrogada até 1º de outubro.

O ciclo Patrimônio traz profissionais de arquivos, faculdades e museus para tratar do tema. O primeiro encontro do ciclo aconteceu dia 31 de julho, com o historiador Paulo Staudt Moreira falando sobre o Arquivo Histórico do Estado como espaço de patrimônio e memória. No dia 07, a diretora do Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho, a arquivista Karine Georg Dressler,  abordou diferentes formas de educação na área de patrimônio, do material ao imaterial, passando pelo patrimônio ambiental. Na última semana, dia 14, Zita Possamai, historiadora, mestre e doutora em História, professora da UFRGS, falou sobre a transformação do conceito de patrimônio.

O encerramento será dia 28 com Simone Flores Monteiro, coordenadora do Sistema Estadual de Museus do RS e membro do Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus, falando sobre a Política Nacional, o Sistemas Brasileiro e o Estadual de Museus.


Serviço:

Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
CICLO PATRIMÔNIO: de 31 de julho a 28 de agosto de 2008
Tema de 21/08/2008: “Patrimônio Cultural de  Porto Alegre: reflexões e perspectivas”
Convidada: Marlise Giovanaz, graduada, mestre e doutoranda em História, professora da FABICO/UFRGS
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

22/08/2008 | Versão para Impressão

Poesias do médico revolucionário Antero Marques são lançadas com música e declamação

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) lançou, na última terça-feira o livro Estrela Boieira, com a apresentação do cantor Dorotéo Fagundes e da declamadora Liliana Cardoso e a presença de figuras ilustres da cultura, e sociedade, como a secretária estadual Mercedes Rodrigues, do Gabinete de Transparência, e o diretor técnico do Hospital Parque Belém, Mauro Sparta, entre outros.

Organizado por Paulo Estivalet Flores Pinto, Miguel F. do Espírito Santo, Valdir Amaral Pinto e Fausto José Leitão Domingues, a obra reúne poesias inéditas do médico Antero Marques, escritas na maioria entre 1923 e 1930. Antero era natural de São Francisco de Assis, participou das revoluções de 1923 e 1930, formando-se em medicina em 1931. Antero Marques pertenceu ao grupo de Aureliano de Figueiredo Pinto, José de Figueiredo Pinto (Zeca Blau), Raul Bopp, Vargas Neto, José Olavo Machado, Olmiro de Azevedo e outros. O evento teve o apoio do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS).

O momento poético do médico ficou a cargo de Miguel F. do Espírito Santo, um dos organizadores do livro. A vida de Antero Marques como revolucionário e em família foi apresentada pelo Dr. Eduardo Cünha Muller.

Acervo de Antero Marques

O acervo do MUHM conta com fotografias, poemas e a tese do MD. Antero Marques, doados por sua sobrinha, Vanda Krindges Marques. Ainda estudante, o MD. Marques lutou na Revolução de 1923. Em 1930, voltou a lutar, ao lado de Getúlio Vargas. A conquista garantiria ao profissional o diploma sem terminar os estudos. Ele, no entanto, recusou o privilégio.

MUHM na TV

Assista no próximo sábado, no Atividade SIMERS, como foi o lançamento do livro Estrela Boieira, de Antero Marques, ocorrido na noite de terça-feira (12) no MUHM. 

O Atividade SIMERS é exibido em Porto Alegre pelo Canal 20 (sáb. às 20h30min, 3ª feira às 17h e 4ª feira às 18h). Canal 6 (3ª feira às 20h30min, 4ª feira às 9h, 6ª feira às 7h e dom. às 5h).



Fotos

Lançamento Estrela Boieira

Lançamento Estrela Boieira

Lançamento Estrela Boieira

Lançamento Estrela Boieira

Lançamento Estrela Boieira

Lançamento Estrela Boieira








Compartilhe:

25/08/2008 | Versão para Impressão

Retratos da Medicina em Jaguarão

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugurou 19, em Jaguarão, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra ficará exposta na Casa de Cultura Pompílio Neves de Freitas (Praça Dr. Alcides Marques, 89) até 08 de setembro. A exposição Retratos é uma iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 21 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII.

Durante o evento, além dos pronunciamentos do prefeito Henrique Edmar Knor Filho, da diretora do SIMERS MD. Ariadene Duarte e da diretora do MUHM, a historiadora Juliane Serres, que ressaltaram a importância de levar eventos culturais como este, e em especial sobre a História da Medicina, o público tomou conhecimento de algumas histórias que têm relação com personagens locais.

Entre os personagens da história da medicina retratados na mostra está o médico e político Carlos Barbosa. Nascido em Pelotas, em 8 de abril de 1849 e falecido em Jaguarão no ano de 1934, Carlos Barbosa foi governador do Rio Grande do Sul (1908-1912), senador, deputado e secretário de Estado. Durante seu governo, apoiou a Faculdade de Medicina de Porto Alegre, onde foi professor honorário. É nome de rua em cidades gaúchas e em Melo, no Uruguai, e dá nome a um município gaúcho e ao Museu Carlos Barbosa, em Jaguarão, que conserva cortinas, móveis, roupas e perfumes em seus lugares, como se a família médico fosse chegar a qualquer instante.

Outra curiosidade foi a presença do padre da cidade, Guilherme Panatieri, neto do primeiro negro a formar-se no Rio Grande do Sul, pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre, em 1922: o MD. Luciano Raul Panatieri, também retratado na mostra. O médico trabalhou na capital gaúcha e em Rio Pardo, onde inspirou a criação, por seus filhos, do Espaço Cultural Panatieri. O interesse pela literatura o levou ao Grêmio Riopardense de Letras. O pároco de Jaguarão ficou bastante feliz e entusiasmado em ver a história da sua família sendo valorizada, e prometeu conhecer a sede do MUHM, em Porto Alegre, em breve.

A música também esteve presente na inauguração da mostra Retratos: o maestro Uruguay Moreira, regente do Coral Municipal Jorge Pagliani, interpretou o Canto Jaguarense, hino oficial do Município, em apresentação em voz e violão que emocionou até mesmo quem veio de fora, pela beleza da música e o envolvimento do público, que cantou do início ao fim.

A exposição Retratos é uma realização do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul e no município conta ainda com a Delegacia Regional do SIMERS em Pelotas, além da Casa de Cultura Pompílio Neves de Freitas e da Secretaria Municipal de Cultura. A mostra fica à disposição do público a partir do dia 20, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.


Sede

Além das exposições itinerantes, o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na avenida Independência, 270, bairro Centro, onde continua com a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, que foi prorrogada até 1º de outubro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site www.muhm.org.br.



Galeria de fotos


Retratos da Medicina em Jaguarão
Diretora do MUHM,
Historiadora Juliane Serres


Retratos da Medicina em Jaguarão
Maestro Uruguay Moreira interpretando o
Canto Jaguarense

Retratos da Medicina em Jaguarão
Panorâmica da mostra na
Casa de Cultura Pompílio Neves de Freitas


Retratos da Medicina em Jaguarão
Comunidade médica presente na inauguração da mostra
Retratos da Medicina


Retratos da Medicina em Jaguarão

Historiadora Juliane Serres, diretora do MUHM (E),
MD. Ariadene Duarte, diretora do SIMERS, conversam
com o padre Guilherme Panatieri,
neto do MD. Luciano Raul Panatieri


Retratos da Medicina em Jaguarão
Padre Guilherme Panatieri, ao lado do painel de seu avô,
MD. Luciano Raul Panatieri




Jaguarão
Equipe do MUHM/SIMERS em visita ao
Museu-Casa do MD. Carlos Barbosa, ciceroneados pelo
maestro Uruguay Moreira




Compartilhe:

01/09/2008 | Versão para Impressão

Ciclo Patrimônio encerra nesta semana - Atenção para mudança no programa

Nesta quinta-feira (28) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) encerra o seu Ciclo Patrimônio com a participação do historiador Éverton Reis Quevedo, coordenador da 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus (SEM/RS) e também responsável pelo setor de Pesquisa do MUHM. Ele falará sobre os museus que compõem a região, que abrange a Capital, Região Metropolitana, Região Carbonífera e Litoral Norte. É a região com o maior número de museus cadastrados no SEM/RS, com uma tipologia diversificada desde os acervos às diferentes infraestruturas de seus museus. A palestra substitui a fala de Simone Flores Monteiro, coordenadora do SEM/RS, sobre políticas e sistemas de museus.

Éverton Reis Quevedo é historiador formado pela UFSM, com mestrado em História das Sociedades Ibéricas e Americanas pela PUCRS e doutorado em História em andamento, pela UFRGS, onde também estuda Arquivologia. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Regional do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: história, saúde pública, hanseníase, acervos e nova história cultural.

O ciclo acontece dentro do Quintas no Museu, um evento gratuito e aberto à comunidade para debater temas que vão da saúde e da medicina à história e cultura local. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, prorrogada até 1º de outubro.

Quintas no Museu de 21 de agosto, com a historiadora Marlise Giovanaz O mês que comemora o Dia do Patrimônio (ocorrido dia 17) foi a inspiração para o Ciclo Patrimônio, que trouxe semanalmente profissionais de arquivos, faculdades e museus para tratar do tema. O primeiro encontro foi com o historiador Paulo Staudt Moreira, a respeito do Arquivo Histórico do Estado como espaço de patrimônio e memória. O segundo trouxe a diretora do Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho, a arquivista Karine Georg Dressler,  abordando diferentes formas de educação na área de patrimônio, do material ao imaterial, passando pelo patrimônio ambiental. Na terceira semana, Zita Possamai, historiadora e professora da UFRGS, falou sobre a transformação do conceito de patrimônio. Na semana passada, foi apresentada a palestra "Patrimônio Cultural de  Porto Alegre: reflexões e perspectivas", com Marlise Giovanaz, também historiadora e professora da UFRGS.


Serviço:


Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
CICLO PATRIMÔNIO: de 31 de julho a 28 de agosto de 2008
Tema de 28/08/2008: A 1ª Região Museológica e o Sistema Estadual de Museus
Convidado: Éverton Reis Quevedo
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

01/09/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu aborda a história da saúde das crianças

Na próxima quinta-feira (04) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) retoma os temas de saúde com a palestra “Histórias sobre cuidados de saúde das crianças”, ministrada pelo médico Aloyzio Achutti. A palestra vai abordar temas como a valorização da saúde da criança, um pouco da história da medicina no RS através da memória de alguns pediatras e algumas próprias do palestrante, que também falará sobre a programação fetal e de início da vida da saúde do adulto, como doenças que podem ser determinadas precocemente. O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para debater temas que vão da saúde e da medicina à história e cultura local. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.

O MD. Aloyzio Achutti completa neste ano 50 anos de formatura pela Faculdade de Medicina da UFRGS, da qual é professor aposentado. É especialista em Medicina Interna e Cardiologia, assim como a esposa, a MD. Valderes Robinson Achutti, uma das mulheres homenageadas na mostra em vigor no Muhm. Membro Emérito da Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina e ex-membro do painel científico da Federação Mundial de Cardiologia, foi premiado com o "World Cardiology Award" em Sidney, 2002.É assessor temporário em múltiplas oportunidades do Ministério da Saúde, da Organização Panamericana da Saúde, da Organização Mundial da Saúde e do Banco Mundial.



Serviço:


Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 04/09/2008: Histórias sobre cuidados de saúde das crianças
Convidado: MD. Aloyzio Achutti
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre  
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

01/09/2008 | Versão para Impressão

Muhm recebe meninas da escola David Canabarro com teatro e informações sobre sexualidade

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) inaugurou uma nova atividade. Na última sexta-feira (29), além de visitar a exposição Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino, trinta alunas da Escola Estadual David Canabarro puderam esclarecer dúvidas sobre sexualidade e saúde da mulher, respondidas pela da MD.  Ariadene Duarte. Pediatra formada pela Faculdade de Medicina da UFRGS, a médica é pós-graduada em Psicoterapia Psicanalítica e diretora do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS). Também foi apresentada uma esquete teatral criada especialmente para a ocasião.  Outros dois grupos serão atendidos neste mesmo formato nos dias 05 e 12 de setembro.

Teatro
“Te Liga”, é uma esquete sobre educação sexual escrita e dirigida por Amália Ceola, que também integra o elenco no papel da jovem Sofia. Carol Guedes interpreta a adolescente Jaqueline e Hálida Rodrigues dá vida a Ana. A história se passa no quarto de Jaqueline, onde as três amigas se encontram para contar seus segredos, falar do dia a dia e lembrar do passado. A proposta é alertar as meninas na faixa etária de 14 anos de idade para a vida sexual, abordando desde a primeira relação à gravidez aos riscos de infecção e doenças. A intenção é de poder, em breve, estender o projeto para o público em geral.

Fotos

Meninas no MUHM

Teatro Teatro

Meninas Teatro

Meninas Meninas

MD. Ariadene Duarte responde perguntas


Compartilhe:

03/09/2008 | Versão para Impressão

Exposição Retratos da Medicina chega a Bagé

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura dia 10 de setembro, em Bagé, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra ficará exposta no Museu Dom Diogo de Souza (Av. Emílio Guilain, 759) até o dia 30. A exposição Retratos é uma iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 22 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII, com o apoio das suas Delegacias Regionais. A próxima parada será no município de Dom Pedrito.

A História da Medicina e Bagé

O Museu Dom Diogo de Souza está instalado no prédio da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Bagé e dispõe de duas salas com acervo doado pela Sociedade de Medicina do município. A entidade acumulou esse material na ocasião de uma exposição com materiais doados por familiares de médicos. O museu tem, além deste material, um acervo de 3 mil peças catalogadas, 2 bibliotecas, 1 hemeroteca com 30 mil volumes de jornais e 1 fototeca com 15 mil fotos.

O MUHM ocupará com a exposição Retratos o espaço dedicado às exposições temporárias, agregando outras histórias, como a da prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho, do ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul, a defesa da profissão e organização sindical e, finalmente, os personagens da história da medicina. Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

Doações

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações. E, neste quesito, os bageenses vem contribuindo com a História da Medicina.

É o caso de Ruth Alonso de Adail, que doou material museológico e bibliográfico acumulado pelo seu marido, o MD. Luis de Adail. Outra doadora foi Magda Brun Infantini, filha do MD. Maurício Infantini, que contribuiu com peças, documentos e livro. A MD. Maria Conceição Moglia da Silveira doou material que pertenceu ao seu pai, também médico: Mário Freitas da Silveira. Já o MD. Salim Amim Salim doou materiais próprios para o acervo do MUHM, como uma carteira estudantil.

A mostra fica à disposição do público a partir do dia 11, de segunda a sexta-feira, das 14h às 19h.


Galeria


Carteira MD. Salim Amim Salim Carteira MD. Salim Amim Salim
Carteira estudantil doada pelo MD. Salim Amim Salim


MD. Maurício Infantini  Livro doado pelo MD. Maurício Infantini

MD. Maurício Infantini e livro doado



Compartilhe:

23/09/2008 | Versão para Impressão

Curso de Extensão em Processo de Musealização

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) sedia, de 22 de setembro a 24 de novembro, sempre às segundas-feiras, o curso de extensão "Processo de Musealização", ministrado pela professora Dra. Maria Cristina Pons da Silva. O curso tem como objetivo oferecer conhecimento teórico e exercício prático referente às ações do processo de musealização: aquisição, conservação, pesquisa, documentação e comunicação. A carga horária é de 40 horas e as inscrições, no valor de R$ 150,00 (parcelado em três vezes), podem ser feitas pelo e-mail eventosmuseu@simers.org.br ou no próprio museu, que fica na Av. Independência, 270. As aulas acontecerão no auditório da Beneficência Portuguesa, sede do MUHM, e por isso as vagas são limitadas a 30 pessoas.

O programa do curso inicia com uma apresentação sobre a origem e evolução da instituição museu, passando por códigos de ética, gestão de acervo, aquisição, documentação, preservação, conservação, acondicionamento, pesquisa, atendimento aos visitantes, diferentes tipos de exposição, metodologia e parcerias. Ao longo do curso, que é realizado em 10 semanas, das 18h às 21h30min, os participantes realizam exercícios, e ao final elaboram um projeto de exposição e de visitação, que é apresentado em um seminário.

Mais informações pelo fone (51) 3029.2900.

Veja abaixo o programa ou clique aqui para visualizar o arquivo em pdf.



CURSO DE EXTENSÃO:

PROCESSO DE MUSEALIZAÇÃO

 

Professora responsável: Prof. Dra. Maria Cristina Pons da Silva – Corem 3R 0079

 

Objetivo: Oferecer conhecimento teórico e exercício prático referente às ações do processo de musealização: aquisição, conservação, pesquisa, documentação e comunicação.

 

Metodologia: aulas expositivas dos conteúdos teóricos, atividades práticas e seminário.

 

Apoio: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul -MUHM e Conselho Regional de

 Museologia 3ª Região.

 

Carga horária: 40 horas/aula

 

Dias e horários: as segundas-feiras (10 encontros), das 18h às 21h30min – de 22 de setembro a 24 de novembro de 2008.

 

Local:, Av. Independência, 270, Porto Alegre, RS – Auditório

 

Vagas: 30

 

Valor da inscrição: R$150,00 pagos em três parcelas de R$50,00

 

Público alvo: profissionais de museus e acadêmicos interessados em práticas museais.

 

PROGRAMA

 

1ª aula – Apresentação. Origem e evolução da instituição museu. Códigos de ética. Exercícios.

 

2ª aula – Gestão de acervo: aquisição, documentação. Exercícios.

 

3ª aula – (continuação) Gestão de acervo: documentação. Exercícios.

 

4ª aula– (continuação) Gestão de acervo: preservação, conservação e acondicionamento. Exercícios.

 

5ª aula – Pesquisa. Atendimento aos visitantes; Estudo de público. Exercícios

 

6ª aula – Divulgação e construção de saberes: exposição de longa duração, temporária e itinerante; Exercícios.

 

7ª aula – (Continuação) Educação: métodos pedagógicos; parceria museu-escola; projeto de visitação. Exercícios.

 

8ª aula – Elaboração de projeto de exposição e de visitação pelos participantes, preparação para o seminário.

 

9ª e 10ª aulas  Seminário: projetos de exposição e visitação.  Avaliação.

 

Referências Bibliográficas:

 

Araujo, Marcelo Mattos; Bruno, Maria Cristina Oliveira (Orgs.). A memória do pensamento museológico contemporâneo: documentos e depoimentos.  São Paulo: ICOM Brasil, 1995.

Camargo-Moro, Fernanda. Museu: aquisição-documentação. Rio de Janeiro: Livraria Eça, 1986.

Cazelli, Sibele et al.  Tendências Pedagógicas das Exposições de Ciências.  In: Atas do II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Valinhos, São Paulo, set. 1999.

Gouvêa, Guaracira; Marandino, Martha; Leal, Maria Cristina (Orgs.).   Educação e Museu – A construção Social do Caráter Educativo dos Museus de Ciência. Rio de Janeiro: Access, 2003.

Cazelli, Sibele et al.  A relação Museu-Escola: avanços e desafios na (re)construção do conceito de museu.  Disponível em:http://www.educacãoonline.pro.br/art_relacao_museu_escola.asp. Acesso em:28/07/2005.

Crespo Filho, Jayme Moreira.  Preservação e difusão do patrimônio cultural do Exército Brasileiro. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2005.

Cury, Marília Xavier.  Exposição: concepção, montagem e avaliação.  São Paulo:Annablume, 2005.

Ferrez, Helena Dobb.  Documentação Museológica: teoria para uma boa prática. Cadernos de Ensaio n. 2, Estudos de Museologia, Rio de Janeiro: MinC, IPHAN, n.2, p.65-74, 1994.

Ferrez, Helena Dobb; Bianchini, Maria Helena. Thesaurus para acervos museológicos. Rio de Janeiro: MinC/SPHAN/Fundação Pró-Memória/MHN, 1987. 2v. (série técnica, 1).

Gaspar, A. Museus e Centros de Ciências – Conceituação e Proposta de um Referencial Teórico.  São Paulo:USP, 1993. Tese (Doutorado na área de Didática), Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 1993.

Giraudy, Danièle; Bouilhet, Henri.  O Museu e a Vida.  Rio de Janeiro: Fundação Nacional Pró-Memória; Porto Alegre: Instituto Estadual do Livre – RS; Belo Horizonte: UFMG, 1990.

Hernández, Francisca Hernández.  Manual de Museología. Madrid: Sintesis, 1998.

Hooper-Greenhill, Eilean.  Education, communication and interpretation: towards a critical pedagogy in museums.  In: ___. The Educational Role of the Museum.  London: Routledge, 1994, pp. 3-25.

International Council of museums.  Running a museum: a practical handbook. Paris: ICOM, 2006. Disponível em:http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001410/141067e.pdf  Acessado em:28/05/2008.

International Council of museums.  Running a Museum A Trainer’s Manual. Paris: ICOM, 2006. Disponível em:http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001478/147869E.pdf Acessado em:28/05/2008.

Possas, Helga Cristina Gonçalves. Classificar e ordenar: os gabinetes de curiosidades e a história natural. In: Figueiredo, Betânia Gonçalves; Vidal, Diana Gonçalves (Orgs.). Museus: dos Gabinetes de curiosidades a museologia moderna. Belo Horizonte, MG: Argvmentvm; Brasília, DF: CNPq, 2005, p.151-162.

Primo, Judite (org.).  Pensar contemporaneamente a museologia.  Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa, n.16, 1999.

Rojas, Roberto; Crespán, José Luis; Trallero, Manuel.  Os museus no mundo.  Rio de Janeiro: Salvat, 1979.

São Paulo (estado). Secretaria de Estado da Cultura.  Departamento de Museus e Arquivos. Manual de orientação museológica e museográfica.  São Paulo: Imprensa Oficial/DEMA, 1984.

Seminario Regional de la UNESCO sobre la Función Educativa de los Museos, 7-30 sep. 1958, Rio de Janeiro.

Simmons, J.E, Muñoz-Saba Y. (Eds.)  Cuidado, manejo y conservación de las colecciones biológicas. Bogotá, Universidad Nacional de Colombia, 2005. Disponível http://www.gbifargentina.org.ar/temp/web_materiales_publicos/index.htm em: Acesso em:08/07/2007.

Studart, Denise C.  Educação em museus: produto ou processo?  Musas – Revista Brasileira de Museus e Museologia. Rio de Janeiro: DEMU:IPHAN, n.1, p.34-40, 2004. (Conferência Anual do CECA, 2002, Nairobi).

Suano, Marlene.  O que é museu.  São Paulo: Brasilliense, 1986.

Tamanini, Elizabete.  Descobrir, coletar, preservar: Aspectos da História dos Museus.  Cadernos do CEOM, Chapecó, n. 12, junho/ 2000.

UNESCO. ICOM.  Documento da Mesa redonda de Santiago do Chile. Santiago, 1972

___. Declaração de Caracas. Seminário La Mision Del Museo em Latinoamerica Hoy: Nuevos Retos. Caracas, 1992.

 


 

 



Compartilhe:

08/09/2008 | Versão para Impressão

Novas biografias inseridas no site

A equipe técnica do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) incluiu biografias para serem acessadas a partir do site. Veja quais são:

BIOGRAFIAS INSERIDAS NO SITE DO MUHM EM 08/09/2008

Estes médicos atuavam na cidade de São Luiz Gonzaga, Rio Grande do Sul:

Felix Joaquim

Emílio Cândia

Hugo Salarolli

Gentil Alencar

Vilavicêncio

Lídio Pereira Franco

Francisco Leite Veloso

Bento Soeiro de Souza

Floriano Soeiro de Souza

Antônio Gonçalves Moreira

Francisco Prates da Cunha

Armando Galeão dos Santos

Lorivaldo Furtado

Edgar N. Lopes

João Luiz Vieira Marques

Constantino Rodrigues de Almeida

Augusto Falcão Vila




BIOGRAFIAS INSERIDAS NO SITE DO MUHM EM 04/09/2008

Carlos Barbosa Gonçalves

Carlos Lisboa

Diogo Ferraz

Edmundo Berchon Des Essarts

João Adolfo Josetti

Luiz Nogueira Flôres

Serapião Mariante

Urbano Garcia



Compartilhe:

08/09/2008 | Versão para Impressão

Quintas no Museu aborda Infância e Saúde na República Velha Gaúcha

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) traz nesta quinta-feira (11) a pesquisadora Ana Paula Korndörfer para falar sobre “Infância e Saúde na República Velha Gaúcha”. Ana Paula é graduada e mestre em História pela Unisinos e doutoranda em História pela PUCRS.

O MUHM retomou os temas de saúde com a palestra “Histórias sobre cuidados de saúde das crianças”, ministrada pelo MD. Aloyzio Achutti na última quinta-feira, dia 04. Já no dia 18 de setembro a palestrante é a psicóloga Patrícia Pacheco, que trabalha com formação em terapia sistêmica (de casal e família). O título da palestra é “As novas configurações familiares”, encerrando a programação do Quintas no Museu dentro da mostra Mulheres e Práticas de Saúde. Na semana seguinte, iniciam as obras para a nova exposição, que marcará 1 ano da sede do MUHM na Beneficência Portuguesa.

Serviço:

O Quintas no Museu é um evento gratuito e aberto à comunidade para debater temas que vão da saúde e da medicina à história e cultura local. Os encontros acontecem às 18 horas no hall do museu e fazem parte da programação da mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino.


Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Tema de 11/09/2008: Infância e Saúde na República Velha Gaúcha
Convidada: Ana Paula Korndörfer, historiadora
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – http://www.muhm.org.br


Compartilhe:

24/09/2008 | Versão para Impressão

Curso de Processo de Musealização tem início no Muhm

Professora Maria Cristina Pons, MuseólogaTeve início nesta segunda-feira (22) o curso de extensão "Processo de Musealização", ministrado pela professora Dra. Maria Cristina Pons da Silva. O curso tem como objetivo oferecer conhecimento teórico e exercício prático referente às ações do processo de musealização: aquisição, conservação, pesquisa, documentação e comunicação.

Curso de MusealizaçãoAs aulas acontecem no auditório da Beneficência Portuguesa, sede do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm), até o dia 24 de novembro, sempre às segundas-feiras, das 18h às 21h30min, com carga horária é de 40 horas. Até o segundo dia de aula ainda são aceitas inscrições, com limite de vagas.

Mais informações pelo e-mail eventosmuseu@simers.org.br, pelo fone (51) 3029.2900 ou no próprio museu, que fica na Av. Independência, 270.





 


Compartilhe:

22/10/2008 | Versão para Impressão

Lançamento do livro Instituições de Saúde de Porto Alegre

Livro “Instituições de Saúde de Porto Alegre”,No próximo sábado (27) será lançado com sessão de autógrafos, às 10h15min, no auditório Irmão José Otão do Hospital São Lucas da PUCRS, o livro “Instituições de Saúde de Porto Alegre”, organizado pelas historiadoras Beatriz Teixeira Weber e Juliane Serres e publicado pelo fundo editorial do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) com apoio da Fundação Oswaldo Cruz e da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). A publicação é um dos resultados do projeto Inventário Nacional do Patrimônio Cultural da Saúde, que propôs um amplo levantamento do patrimônio arquitetônico-histórico de hospitais e outras instituições de assistência médicas, assim como dos institutos de pesquisa científica organizados nos séculos XIX e XX, em seis capitais brasileiras. O lançamento acontece dentro da programação da I Jornada Gaúcha de História da Medicina.

O projeto faz parte de um conjunto de ações prioritárias definidas no âmbito da Rede Latino-Americana de História e Patrimônio Cultural da Saúde. No âmbito nacional, o projeto foi implementado pela Casa de Oswaldo Cruz, unidade técnico-científica da Fundação Oswaldo Cruz. Em Porto Alegre, a obra passa a ser a primeira experiência de levantamento do patrimônio cultural da saúde na região.

O levantamento foi realizado de agosto de 2007 a janeiro de 2008, e resultou em informações sobre 25 instituições, com um recorte cronológico a partir de dois marcos do patrimônio cultural da saúde de Porto Alegre: a fundação da Santa Casa de Misericórdia (1803) e a fundação do Hospital das Clínicas (1968), considerado um modelo de instituição hospitalar moderna para todo o Brasil.

 
As autoras

Beatriz Teixeira Weber é graduada em História pela UFSM, Mestre em História pela UFRGS, Doutora em História Social do Trabalho pela UNICAMP, Pós-doutorado em História da Ciência na COC/FIOCRUZ. Professora no Departamento de História da Universidade Federal de Santa Maria. Autora do livro As Artes de Curar, Medicina, religião, magia e positivismo na República Rio-grandense.

Juliane C. Primon Serres é graduada em história pela UFSM, Mestre e Doutoranda em História pela UNISINOS, sua produção gira em torno de questões relativas a saúde pública no RS, em particular a questões voltadas a lepra no Estado. Atualmente é diretora do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul.

 

 


Compartilhe:

12/09/2008 | Versão para Impressão

As novas configurações familiares são tema do último Quintas no Museu da temporada

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) traz na próxima quinta-feira (18) a psicóloga Patrícia Pacheco, que trabalha com formação em terapia sistêmica (de casal e família). O título da palestra é “As novas configurações familiares”, encerrando a programação do Quintas no Museu dentro da mostra Mulheres e Práticas de Saúde. Na semana seguinte, iniciam as obras para a nova exposição, que marcará 1 ano da sede do MUHM na Beneficência Portuguesa.

O MUHM retomou os temas de saúde com a palestra “Histórias sobre cuidados de saúde das crianças”, ministrada pelo MD. Aloyzio Achutti na última quinta-feira, dia 04. No dia 11 a pesquisadora Ana Paula Korndörfer falou sobre “Infância e Saúde na República Velha Gaúcha”. Ana Paula é graduada e mestre em História pela Unisinos e doutoranda em História pela PUCRS.

Quintas no Museu: todas as quintas-feiras: 18h
Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM)
Av. Independência, 270 – Centro – Porto Alegre
Entrada: gratuita
Apoio: Sindicato Médico do RS (Simers)
Mais informações: (51) 3029-2900 – www.muhm.org.br


Compartilhe:

15/09/2008 | Versão para Impressão

Mulheres e Práticas de Saúde encerra nesta sexta-feira

O Museu de de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) encerra, nesta sexta-feira (19), a sua mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino. De março até hoje, mais de 3 mil pessoas visitaram a exposição, que aborda a história de médicas, parteiras e benzedeiras através de fotos, objetos, documentos, uma réplica da vestimenta da médica gaúcha Rita Lobato, a primeira formada em medicina no Brasil, e dois documentários - Fé e Vida - produzidos durante as entrevistas realizadas para a mostra. Nesta quinta-feira também acontece o último Quintas no Museu, atividade inaugurada durante esta exposição, e que deve continuar na próxima. A mostra havia sido programada para ir até 13 de junho, e depois foi prorrogada, inicialmente, para outubro. Agora, a necessidade de adiantar o início das obras da nova mostra, Desafios da Medicina, fez com que o último dia seja mesmo dia 19. No 1º ano do MUHM na Beneficência, além da nova mostra o espaço vai inaugurar em breve também um novo espaço, uma sala multiuso que vai possibilitar a realização de eventos.

História

A precursora da medicina brasileira, a gaúcha Rita Lobato, formou-se na Bahia em 1887, e desde a inauguração desta mostra dá nome a uma sala do museu.

Os visitantes vêem objetos que lhe pertenceram, cedidos para o museu pela sua família. A viagem no tempo se completa com a reprodução de um figurino de época utilizado pela médica, baseado em fotos do acervo do Muhm. A confecção da roupa foi possível graças ao apoio dos cursos de graduação em Design em Moda e Tecnologia e de especialização em Moda, Arte e História, ambos da Feevale.

As duas médicas seguintes a formar-se em território brasileiro também eram gaúchas: Ermelinda Lopes Vasconcelos e Antonieta César Dias formaram-se no Rio de Janeiro, em 1888 e 1889. Mais tarde, em 1904, Alice Maeffer tornou-se a primeira a formar-se em solo gaúcho. Outra atração da mostra é a carta trocada entre os pais de Antonieta César Dias, em que sua mãe fala da aplicação da filha nos estudos e da sua vontade de mostrar o quanto a mulher é capaz.

Acervo

Entre os objetos do acervo do Muhm destaca-se o Phantom, representação da pelve feminina, criada e utilizada pelo MD. Gabriel Schlatter para a formação de parteiras no século XIX, além instrumentos ginecológicos como fórceps, espéculo, entre outros materiais de uso médico.

Fotos e documentários

Os tempos atuais estão representados pelo trabalho do fotógrafo Felipe Henrique Gavioli, que registrou as entrevistas feitas pelo historiador Éverton Quevedo. Foram ouvidas dez médicas ainda atuantes de diferentes especialidades que alcançaram níveis de excelência técnica e acadêmica.  As parteiras e benzedeiras foram escolhidas com o apoio da folclorista Elma Sant'Ana, que editou, em parceria com o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), dois livros com essa temática. Seus depoimentos estão nos documentários "Fé" e "Vida", feitos especialmente para a exposição e que o público pode assistir no Museu.

Algumas dessas mulheres aprenderam o ofício na faculdade, formando-se em Enfermagem Obstétrica, curso que em Porto Alegre deu origem, junto com o de Farmácia, à atual faculdade de Medicina da Ufrgs. Partos difíceis e benzeduras para todos os males fazem parte das histórias relatadas por elas. As crianças aprendem que os depoimentos colhidos para os documentários também são objeto de estudo – história oral – e somam-se aos documentos escritos e livros como fonte de pesquisa.

 
Quintas no Museu

Integra a programação da mostra o evento Quintas no Museu, que é gratuito e acontece todas as quintas-feiras, às 18 horas, no hall (entrada) do Muhm. O espaço é aberto para apresentações musicais, palestras, bate-papos sobre saúde, história e medicina. No mês de agosto o evento apresentou o Ciclo Patrimônio, e atualmente está acontecendo o Ciclo Infância, sexualidade e Saúde.

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre, na av. Independência, 270, bairro Centro. Mais informações podem ser obtidas pelo fone (51) 3029.2900, pelo e-mail museu@simers.org.br ou ainda pelo site http://www.muhm.org.br.



Fotos: Viviane Dreher

Mulheres e Práticas de Saúde
Sala Rita Lobato



Mulheres e Práticas de Saúde
Phantom: peça desenvolvida pelo MD. Gabriel Schlatter para ensinar parteiras - Acervo MUHM


Mulheres e Práticas de Saúde
Vista da mostra



Compartilhe:

16/09/2008 | Versão para Impressão

Informações sobre a I Jornada Gaúcha de História da Medicina

I Jornada Gaúcha de História da MedicinaA I Jornada Gaúcha de História da Medicina, que será realizada nos dias 26 e 27 de setembro no Auditório do Hospital São Lucas da PUCRS, continua com inscrições abertas até o dia 26, na PROEX.

A Pró-Reitoria de Extensão da PUCRS. A PROEX fica na Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 40 - Sala 201 - fone (51) 3320-3680 ou proex@pucrs.br.

O evento vale horas complementares como atividade de extensão.

Clique para acessar cartaz com o programa ou apenas a programação em pdf.




Prêmio Professor Rubens Maciel


A Associação Gaúcha de História da Medicina (AGHM) informa que todos os 22 resumos inscritos para o a jornada foram aceitos para concorrer ao Prêmio Professor Rubens Maciel, patrocinado pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e apoiado por diversas entidades, entre elas o MUHM. Foram 15 trabalhos da área de Medicina e sete da de História. Neles estão representadas a UFRGS, UNISINOS, PUCRS, UFCSPA e UFSM.

Os trabalhos variam entre alunos de graduação, em sua maioria, e alunos de mestrado. Segundo o presidente da AGHM, MD. Luiz Gustavo Guilhermano, dos 22 trabalhos, 21 concorrerão ao Prêmio Prof. Rubens Maciel. Um dos trabalhos inscritos foi considerado hors-concours por estar acima da mostra competitiva e deverá ser apresentado como modelo. "Os temas são muito variados e curiosos o que garantirá uma sessão de temas livres muito valorizada", acredita o presidente.

Agora, todos os inscritos têm até o dia 17 de setembro para enviar o trabalho completo para o endereço rubensmaciel2008@simers.org.br.

Informações completas e notícias sobre a  I Jornada Gaúcha de História da Medicina e sobre o Prêmio Professor Rubens Maciel estão disponíveis em www.muhm.org.br/premiorubensmaciel.




Compartilhe:

24/09/2008 | Versão para Impressão

Muhm promove Mateada da Primavera na Praça Dom Sebastião

Mateada da Primavera

Programação do MUHM integra a 2ª Primavera dos Museus, que tem como tema "Museus e o diálogo intercultural"

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) irá marcar o início da Primavera e a passagem das comemorações tradicionalistas com uma série de atividades que vão desde ações educativas sobre a preservação do meio ambiente a uma exposição temática sobre médicos e revoluções, além de uma recreação. A programação inicia dia 20 de setembro, data histórica que marca a Revolução Farroupilha, com a exposição "Médicos em confrontos armados" e a campanha "Em defesa da SAÚDE DO PLANETA", terminando no dia 27, sábado, com uma grande mateada e a presença da Escola do Chimarrão na Praça Dom Sebastião, em frente ao museu, que fica na Av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre.

A mostra "Médicos em confrontos armados" vai marcar a participação médica em diferentes revoluções acontecidas no Rio Grande do Sul nos séculos XIX e XX: Revolução Farroupilha, Revolução Federalista, Revolução de 1923 e de 1930. A exposição conta com objetos e banners, e acontece em dois lugares: no saguão do MUHM, a partir do dia 20, e na própria praça, no dia 27.

E, como é Primavera, o MUHM também vai promover uma atividade ligada à questão do meio ambiente. Serão distribuídos folders da campanha "Em defesa da SAÚDE DO PLANETA", instituída por funcionários do mantenedor do museu, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. A campanha começou apenas de forma interna, evitando o disperdício de água e uso indiscriminado de copos plásticos e papel, evoluindo para a coleta seletiva do lixo, e vem crescendo tanto que já saiu do ambiente de trabalho. Neste dia também serão entregues mudas de plantas aos participantes do evento, doadas pela empresa Aracruz Celulose. O Colégio Rosário também participará com uma atividade sobre educação ambiental.

Aproveitando as duas comemorações - 20 de setembro, data histórica que marca a Revolução Farroupilha, e início da Primavera, no dia 21 - uma outra planta, a erva-mate, vai ser a atração do dia 27, com a presença do ônibus da Escola do Chimarrão, de Venâncio Aires. Uma equipe da escola vai oferecer chimarrão e ensinar a preparar o mate de várias formas, das 10h às 17h do sábado.

Segundo o membro do Núcleo de Cultura da escola, que é também presidente da Associação dos Amigos do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (AAMUHM), o MD. Flávio Seibt, já existe um projeto de tornar o chimarrão patrimônio imaterial brasileiro. A mateada marca o final da programação na Praça Dom Sebastião.

Durante o dia também estão previstas atividades como uma roda de chimarrão, em que membros da Associação dos Amigos do Muhm (AAMUHM) falarão sobre médicos e suas participações em revoluções e na poesia gaúcha, além de palestras sobre reciclagem e apresentação de vídeos sobre a campanha "Em defesa da SAÚDE DO PLANETA" e sobre História da Medicina.
Também apóiam o evento o Colégio Rosário, que adotou a praça, e o Hospital Beneficência Portuguesa, sede do Museu.

Primavera dos Museus

A programação do MUHM integra a 2ª Primavera dos Museus, realizada nos dias 20 e 21 de setembro, em todo o Brasil, com o tema Museus e o diálogo intercultural. A promoção é do Departamento de Museus e Centros Culturais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Demu/Iphan), vinculado ao Ministério da Cultura, e inclui apresentações de seminários, shows, exposições, visitas guiadas, palestras, exibição de filmes e documentários sobre o tema, entre outras atividades.

O tema foi escolhido em reunião promovida pelo Demu/Iphan com representantes da área museológica dos estados busca refletir o papel dos museus frente ao diálogo intercultural, contribuindo para a promoção da paz, do pluralismo de idéias, do desenvolvimento humano e do respeito à diferença.

A 2ª Primavera dos Museus será divulgada no portal do Iphan e do SBM durante o mês de setembro e as instituições participantes receberão cartazes e banner sobre o evento.




Mateada da Primavera


Compartilhe:

22/09/2008 | Versão para Impressão

Obras de transição entre exposições do Muhm

A Mateada da Primavera, que acontece no sábado, dia 27 de setembro, também marca a transição entre duas exposições. O MUHM encerrou, na última sexta-feira (19), a sua mostra Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino. Inaugurada em março deste ano, mais de 3 mil pessoas visitaram a exposição, que abordou a história de médicas, parteiras e benzedeiras através de fotos, objetos, documentos, uma réplica da vestimenta da médica gaúcha Rita Lobato, a primeira formada em medicina no Brasil, e dois documentários - Fé e Vida – produzidos pelo documentarista Felipe Henrique Gavioli durante as entrevistas realizadas pelo historiador Éverton Quevedo para a mostra.

Durante a exposição também foi lançado o projeto Quintas no Museu, evento que traz palestrantes todas as semanas para falar sobre temas diversos, como medicina, saúde, história, além de artistas e músicos, e que deve continuar na próxima exposição. A mostra havia sido programada para ir até 13 de junho, e depois foi prorrogada, inicialmente, para outubro. A necessidade de adiantar o início das obras da nova mostra, Desafios da Medicina, adiantou os planos. A Sala Rita Lobato, inaugurada durante a última mostra, vai ser totalmente reformada, permitindo a transformação em um espaço multiuso que pode tanto permitir a realização de eventos que exijam acomodações para o público como exposições, marcando o 1º ano do MUHM na Beneficência Portuguesa.

 



Compartilhe:

06/10/2008 | Versão para Impressão

Galeria de fotos

27.9  Mateada da Primavera 

Mateada da Primavera 

Mateada Mateada

Mateada Mateada

Mateada da Primavera Mateada





27.9 Entrega do Prêmio Prof. Rubens Maciel


Prêmio Prof. Rubens Maciel
A diretora do MUHM, Juliane Serres, e o presidente da
AGHM, Luiz Gustavo Guilhermano, entregam prêmio ao
acadêmico de História Felipe Almeida Vieira


Prêmio Prof. Rubens Maciel
O MD. Paulo Maciel, filho do homenageado Prof. Rubens
Maciel, e o presidente da AGHM, Luiz Gustavo Guilhermano,
entregam prêmio à acadêmica de Medicina Julia Frozi


Conferências de sábado

I Jornada Gaúcha de História da Medicina I Jornada Gaúcha de História da Medicina
As historiadoras Beatriz Weber e Juliane Serres



I Jornada Gaúcha de História da Medicina I Jornada Gaúcha de História da Medicina
A historiadora Janete Abrão e o MD. César Luis de Souza
Brito


26.9 I Jornada Gaúcha de História da Medicina

Sessões de Temas Livres

 I Jornada I Jornada

  I Jornada     I Jornada



Solenidade de abertura e homenagens ao MD. Osvaldo Ludwig e MD. Rubens Maciel (recebida pelo filho MD. Paulo Maciel)

I Jonrada I Jornada

I Jornada I Jornada

I Jornada I Jornada


Compartilhe:

06/10/2008 | Versão para Impressão

Retratos da Medicina em Dom Pedrito

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugurou na última quinta-feira (02), em Dom Pedrito, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra permanece exposta no Museu Paulo Firpo (Rua Julio de Castilhos, 1060) até o dia 26, seguindo para Santana do Livramento, onde inaugura no dia 28. A iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) já percorreu 23 cidades.

Galeria de fotos

Retratos da Medicina em Dom Pedrito Retratos da Medicina em Dom Pedrito

Retratos da Medicina em Dom Pedrito Retratos da Medicina em Dom Pedrito

Retratos da Medicina em Dom Pedrito Retratos da Medicina em Dom Pedrito Retratos da Medicina em Dom Pedrito



Compartilhe:

14/10/2008 | Versão para Impressão

Exposição "DESAFIOS: a Medicina e a luta pela vida" inaugura dia 17

A inauguração da exposição que marca o 1º aniversário do Museu de História da Medicina do RS (MUHM) já tem data: 17 de outubro, véspera do Dia do Médico, às 20h. A nova mostra se chamará “DESAFIOS: a medicina e a luta pela vida”, e irá abordar algumas das diversas transformações ao longo da História da Medicina. A busca por conhecimentos para desenvolver a saúde, combater as doenças, aliviar a dor, prolongar a vida e torná-la melhor será mostrada em seis eixos: o conhecimento médico, os costumes, o diagnóstico, as especialidades, as causas das doenças e os tratamentos. DESAFIOS é a exposição de longa duração do MUHM, que ficará em cartaz por pelo menos um ano. A partir desta mostra, o público vai poder ver mais de uma exposição ao mesmo tempo, pois a Sala Rita Lobato passa a ser um espaço multifuncional aberto a iniciativas temporárias. É o caso da mostra “A Medicina através dos selos”, que inaugura também no dia 17, mas encerra no dia 20 de fevereiro de 2009. Outra atração será a inauguração de uma biblioteca de pesquisa com 1.000 livros, entre obras raras, especialidades médicas e uma sessão sobre História da Medicina. A entrada da biblioteca é uma atração à parte: um painel gigante com uma ilustração do cartunista Moa. 

Segundo a diretora do MUHM, a historiadora Juliane Serres, esta mostra é uma versão mais amadurecida da primeira exposição do museu, que explora melhor o acervo e marca momentos específicos da História da Medicina em que houve superação científica e tecnológica na busca de melhores condições de saúde e tratamentos. “O conhecimento do próprio corpo já foi um grande tabu. Técnicas e hábitos que hoje achamos corriqueiros, já foram execrados, e coisas que achamos condenáveis foram consideradas verdades absolutas. Ultrapassar essas e outras fronteiras para avançar cientificamente e chegar à medicina que temos hoje representaram grandes desafios, e é exatamente o que iremos mostrar”, explica a diretora.

Novidades

O museu passa a contar, na Sala Rita Lobato, com um espaço multifuncional, que possibilita a apresentação de mostras temporárias, como a que inaugura junto com a exposição DESAFIOS. A mostra “A medicina através dos selos” evidencia a importância dada pelas sociedades de diferentes épocas e locais a eventos e personalidades da medicina através do lançamento de selos postais. No mesmo espaço, é possível realizar eventos culturais, como saraus, palestras e cursos.

Os pesquisadores que trabalham com a temática da história da medicina e da saúde também vão ter mais um local de pesquisa. O MUHM passa a disponibilizar 1.000 livros selecionados de seu acervo para pesquisa local, firmando-se como instituição que incentiva a pesquisa. O visitante chega ao museu e solicita a lista de livros disponibilizados ao monitor, que entra na biblioteca por trás do painel gigante desenhado pelo cartunista Moa, que reproduz com muito bom humor a convivência da biblioteca com seu pesquisador e, em especial, o que busca informações sobre História da Medicina.

Biblioteca

No dia da exposição também acontecerá a cerimônia de entrega do Prêmio Prof. Rubens Maciel, que levará dois estudantes para o XIII Congresso Brasileiro de História da Medicina, de 12 a 15 de novembro, em Fortaleza, Ceará, por seus trabalhos apresentados na I Jornada Gaúcha de História da Medicina, em setembro último.

DESAFIOS 

A exposição

DESAFIOS está dividida em seis temáticas: o conhecimento médico, os costumes, o diagnóstico, as especialidades, as causas das doenças e os tratamentos. Para ilustrar o conhecimento médico, serão apresentadas algumas contribuições de cientistas como Leonardo Da Vinci e Andréas Vesálio, que em suas épocas, ajudaram a desvendar, com o estudo da anatomia, o grande desafio que era conhecer o corpo humano. Para evidenciar esse processo o acervo do MUHM traz mais uma vez o esqueleto humano da primeira exposição do MUHM (Olhares sobre a História da Medicina).

Esqueleto humano

Na temática sobre os costumes, serão mostrados hábitos que antes eram considerados adequados e que a história mostrou serem prejudiciais à saúde, como escarrar em público ou não lavar as mãos. O público vai poder ver escarradeiras desta época, confirmando este hábito fazia parte da etiqueta.

No eixo sobre as causas das doenças, são apresentadas explicações como a “teoria dos humores” e os “miasmas”, e ainda descobertas, como a do microscópio. Para aplicar um tratamento, é necessário realizar o diagnóstico, que tem nos recursos tecnológicos um importante aliado da observação e da descrição dos casos clínicos. O aparelho de Raio-x foi um desses instrumentos que contribuem para a precisão do diagnóstico e menor sofrimento dos doentes. A origem das vacinas e a resistência da sociedade também são parte da exposição, e em um dos módulos da exposição será possível visualizar três vírus: influenza, da tuberculose e da varíola. Os tratamentos também mudaram ao longo da história: houve épocas em que o uso de sangrias e ventosas era bastante comum, e estas são peças do acervo do museu que estarão ao alcance dos visitantes.

Phantom

Finalmente, a exposição aborda as especialidades médicas, em especial a obstetrícia, já que a Faculdade de Medicina de Porto Alegre tem origem no Curso de Partos. Outra peça que é atração constante do museu é o phantom, desenvolvido para ensinar parteiras. Um vídeo sobre a especialidade, elaborado pelo documentarista Felipe Henrique Gavioli, e uma reprodução de sala de cirurgia completam a ambientação, mostrando a luta pela vida.




O vídeo, peças, livros, painéis e outras histórias estarão disponíveis ao público a partir do dia 18 de outubro, de segunda a sexta-feira, já no horário de verão, das 12h às 20h, e das 15h às 20h nos sábados, domingos e feriados. Visitas e agendamentos de grupos podem ser feitos pelo fone (51) 3029-2900 ou e-mail museu@simers.org.br. O endereço do MUHM é av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre.


 



Compartilhe:

14/10/2008 | Versão para Impressão

Eventos de História da Medicina e da Saúde

Consulte aqui os eventos sobre História da Medicina e da Saúde clicando aqui.


Compartilhe:

20/10/2008 | Versão para Impressão

Dia do Médico, inaugurações e 1º Aniversário do MUHM marcados por manifestações e comemorações

A mostra DESAFIOS: a Medicina e a luta pela vida, que aborda diferentes épocas e transformações da História da Medicina, inaugurou nesta sexta-feira (17), véspera do Dia do Médico, data escolhida para marcar mais um desafio que a categoria está precisando enfrentar: o direito de receber o diploma como MÉDICOS, e não como bacharéis. Estudantes das principais faculdades elegeram o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) como símbolo para mais esta luta, realizando no museu o ato final da manifestação realizada hoje em Porto Alegre, simultaneamente com outras cidades do RS.

A exposição DESAFIOS é a primeira de longa duração do MUHM e mostra, através de seis eixos, a busca dos médicos e da ciência por melhorias para a saúde do ser humano. Os eixos escolhidos são: Conhecimento, Costumes, Diagnóstico, Tratamentos, Causas e Especialidades.

Já a exposição A Medicina através dos selos é a primeira de curta duração, que fica aberta à visitação na Sala Rita Lobato, transformada em um espaço multifuncional para realização pesquisas, eventos e atividades culturais.

Outra novidade foi a inauguração de uma biblioteca com 1.000 livros do acervo do MUHM, entre obras raras e livros sobre especialidades e História da Medicina. A entrada da biblioteca retrata a relação do pesquisador e do médico com os livros, em um painel bem humorado do cartunista Moa, também responsável pela ilustração do espaço destinado à auscultação na exposição. Ali, o visitante pode utilizar um estetoscópio para ouvir seu próprio coração.

Durante a inauguração, à noite, a diretora do MUHM, a historiadora Juliane Serres, destacou as principais ações do museu ao longo deste primeiro ano. "Realizamos mais de 20 atividades culturais, trazendo profissionais qualificados e abertos ao diálogo com a sociedade, além de trazer mais de 700 crianças para participar de nossas ações educativas", comemorou a diretora.

A vice-presidente do SIMERS, MD. Maria Rita de Assis Brasil, lembrou da importância da preservação da memória médica. O Sindicato também patrocinou o Prêmio Professor Rubens Maciel, instituído pela Associação Gaúcha de História da Medicina (AGHM). A premiação foi entregue também nesta noite, referente à participação de estudantes de História e de Medicina em uma jornada realizada em setembro na PUCRS. Além da direção do MUHM e do SIMERS participaram do ato o diretor da Famed PUCRS MD. Ivan Antonello, o presidente da AGHM MD. Luiz Gustavo Guilhermano e o filho do homenageado, o MD. Paulo Maciel. Os estudantes Felipe Almeida Vieira, de História, e Julia Frozi, de Medicina, assistirão ao XIII Congresso de História da Medicina, em novembro, na capital do Ceará.

A noite encerrou com os pronunciamentos do MD. André Wajner, do Núcleo Acadêmico do SIMERS, e de representantes estudantis, que novamente falaram da importância da manutenção do diploma de Médico e referendaram o MUHM como instituição representativa nesse processo de reafirmação do valor e da memória profissão.

O vídeo, peças, livros, painéis e outras histórias das duas exposições estão disponíveis ao público de segunda a sexta-feira, já no horário de verão, das 12h às 20h, e das 15h às 20h nos sábados, domingos e feriados.  Visitas e agendamentos de grupos e escolas para as Ações Educativas do Muhm podem ser feitos pelo fone (51) 3029-2900 ou e-mail museu@simers.org.br. O endereço do Muhm é av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre.

 





Veja como foi:


À tarde, em frente ao MUHM

Ato contra denominação de bacharel

 

Ato contra denominação de bacharel

Ato contra denominação de bacharel

Ato contra denominação de bacharel

Diretora do MUHM e Vice-Presidente do SIMERS no Ato contra denominação de bacharel
Diretora do MUHM, Juliane Serres (E) e a vice-presidente do SIMERS, MD. Maria Rita de Assis Brasil





À noite, inauguração das exposições DESAFIOS: A Medicina e a luta pela vida e A Medicina através dos selos.



DESAFIOS
DESAFIOS

DESAFIOS
DESAFIOS

DESAFIOS
Auscultação

A Medicina através dos selos
A Medicina através dos selos



DESAFIOS
Sala multifuncional Rita Lobato e Biblioteca

DESAFIOS
Diretora do MUHM, historiadora Juliane Serres

DESAFIOS
MD. Maria Rita de Assis Brasil

DESAFIOS
Público prestigiou evento

DESAFIOS
Público na inauguração



Entrega do Prêmio Prof. Rubens Maciel

DESAFIOS
Prof. Ivan Antonello, Julia Frozi e MD. Maria Rita de Assis Brasil

DESAFIOS
MD. Paulo Maciel, Felipe Vieira e MD. Luiz Gustavo Guilhermano

DESAFIOS
MD. Paulo Maciel

DESAFIOS
Estudantes com o MD. André Wajner

DESAFIOS
Noite de inauguração 

DESAFIOS
Sala de cirurgia

DESAFIOS
Vídeo

 

DESAFIOS

Visitações

DESAFIOS
Visitações (sala de cirurgia)




A primeira escola a visitar a nova exposição (20.10), Escola Estadual Raul Pilla

Visitação


DESAFIOS

DESAFIOS

DESAFIOS

Oficina sobre preservação

Biblos

DESAFIOS

DESAFIOS

DESAFIOS


Compartilhe:

22/10/2008 | Versão para Impressão

Muhm presente na Convenção Nacional da Unimed em Gramado e ainda em Dom Pedrito

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), além de ter inaugurado na última sexta-feira (17) duas novas exposições – DESAFIOS: a Medicina e a luta pela vida; e A Medicina através dos selos – ainda está presente em Gramado e Dom Pedrito durante esta semana. Em Dom Pedrito a mostra Retratos da Medicina, inaugurada no último dia 02, continua aberta a visitação até o dia 26, seguindo para Santana do Livramento, onde inaugura dia 28. Já em Gramado, a convite da organização do evento, o museu leva peças e livros de seu acervo para mostrar aos participantes da 38ª Convenção Nacional da Unimed, de 21 a 24 de outubro, no Serra Park Centro de Feiras e Eventos.

Saiba mais sobre os objetos que estão em exposição em Gramado:
                
Citoscópio
Aparelho datado da primeira metade do Século XIX.
Utilizado para examinar o aparelho urinário inferior. Aparelho constituído por um tubo, geralmente flexível, que é inserido na uretra sob anestesia local. O cistoscópio possui um sistema de lentes ou fibra óptica que permite ao médico observar as paredes da uretra e da bexiga.
Inventário: MUHM1715
                  
Cardioscopio
Aparelho utilizado na década de 1930.
Foi inventado em 1901 pelo holandês William Einthoven. O Registro se fazia em papel fotográfico.
Acervo: MD. João Carlos Pinho Fernandes
                   
Microscópio
Década de 1930.
Instrumento que deu início a uma nova fase nas pesquisas médico-cientificas, colaborando para a descoberta e tratamento de inúmeras doenças.
Inventário: MUHM1336
                   
Caixa de lentes
Primeira metade do Século XX.
As primeiras informações sobre os óculos datam de 500 anos a.C. na China, onde eram usados apenas como adorno. Não há consenso a respeito do surgimento das lentes corretivas, a sua criação é atribuída ora a Roger Bacon, ora a Silvino D'Armarte. No século XX surgem os modelos, que embora adaptados às novas tecnologias, são sucesso até hoje.
Inventário: MUHM0218.151
                  
Aspirador de Potain
Entrou na prática médica em 1843 devido à necessidade da taracontese, ou seja, técnica que consiste em retirar da pleura líquidos patológicos ali acumulados (líquidos serosos, hemorrágicos ou purulentos).
Inventário: MUHM0220.15
                   
Esfigmomanômetro
Os primórdios do aparelho remontam ao século XVI com Santori Santorio (1561 – 1636). Em 1896, foi apresentado à comunidade médica o aparelho desenvolvido por Scipione Riva Rocci (1863 – 1937), que tornou-se o “pai” do esfigmomanômetro moderno.
Inventário: MUHM1336

Veja também o convite para a próxima cidade a receber a exposição Retratos da Medicina: Santana do Livramento.



RETRATOS DA MEDICINA chega a Livramento


Compartilhe:

03/11/2008 | Versão para Impressão

Retratos da Medicina em Livramento

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura às 19h30min do dia 28 de outubro, em Santana do Livramento, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra ficará exposta na Casa de Cultura Ivo Caggiane (Rua Duque de Caxias, 1783) até o dia 11 de novembro. A exposição Retratos é uma iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 24 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII, com o apoio das suas Delegacias Regionais. Esta é a última cidade a receber a mostra em 2008, com a itinerância sendo retomada a partir de março de 2009. Em Livramento a exposição tem o apoio da Unimed da Região e do Verde Plaza Hotel. 

A exposição Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina.

Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

Doações

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações, e os interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro.



Compartilhe:

04/11/2008 | Versão para Impressão

Historiador Éverton Quevedo assume a direção do MUHM

Sentados, da direita para a esquerda, a historiadora Juliane Serres, o MD. Paulo de Argollo Mendes, e o novo diretor do MUHM, Éverton Quevedo, com sua equipeO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) tem novo diretor. A partir desta terça-feira (04) o historiador Éverton Quevedo, já responsável pelo setor de Pesquisa e doações ao museu, assumiu a direção, antes exercida pela também historiadora Juliane Serres, que passa a atuar como consultora da instituição a partir da Universidade de Granada, Espanha, onde irá realizar um mestrado na área de Museologia. A transmissão oficial foi realizada junto à equipe do Museu nesta segunda-feira, na sede do mantenedor da instituição, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS), com a presença do seu presidente, MD. Paulo de Argollo Mendes, idealizador do MUHM.

Éverton Quevedo é graduado em História pela UFSM e Mestre em História pela PUCRS. Pesquisa na área de história e saúde, com produção voltada a questão da lepra no RS. Há três anos desenvolve atividades ligadas ao setor de Pesquisa do MUHM e atualmente é coordenador da 1° Região Museológica do Sistema Estadual de Museus do RS, além de ser secretário da Associação de Amigos do MUHM e Associação Gaúcha de História da Medicina.

Coordena ainda as exposições itinerantes, como a Retratos da Medicina, que só em 2008 visitou 10 municípios gaúchos, e foi responsável pela exposição virtual O Sindicalismo Médico no Rio Grande do Sul, lançada em junho deste ano durante o Congresso da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), e disponível no site http://www.muhm.org.br/sindicalismo.

A historiadora Juliane Serres fez uma nota de despedida na qual agradece a confiança e participação de todos os amigos do Museu, doadores e entidades colaboradoras, e ressalta as conquistas e a tranqüilidade com que se deve dar o processo de transição. “A escolha foi extremamente natural, já que o Éverton já vinha desempenhando uma série de atividades e sempre participou do processo de elaboração dos projetos e exposições do Museu”, explica a historiadora. Juliane Serres também falou sobre a qualificação da equipe como mais um fator que contribui para a normalidade das atividades do MUHM. “Conseguimos reunir um grupo muito capacitado, que deve não apenas manter mas fazer crescer ainda mais a instituição”, comemora. Abaixo, a íntegra da nota.

 

Caros Amigos,

 

Dirijo-me a vocês, nesta data, para alguns agradecimentos e um comunicado. Os agradecimentos dizem respeito ao apoio ao nosso trabalho ao longo destes anos, em especial o último, já com o MUHM consolidado. Todos os eventos que realizamos, as exposições, as mais de 20 Quintas no Museu, os quase 25 municípios visitados com a exposição Retratos da Medicina, concertos musicais, lançamento de livros, jornadas e até mesmo uma mateada, sem a presença e participação dos membros da AAMUHM, dos doadores de acervo, e de nossos amigos, seriam inviáveis ou, no mínimo, menos brilhantes.

Passamos a receber sistematicamente escolas e universidades, a sediar eventos acadêmicos. Enfim, crescemos muito neste tempo. E, tanto as instituições como as pessoas precisam estar em constante busca por aprimoramento, é chegada a hora de me despedir dos amigos para buscar ainda mais qualificação. Mas não é um adeus, é um "até logo". Ficarei à disposição da equipe, da Espanha, onde estarei empreendendo um novo mestrado, desta vez em Museologia, que deve reverter em mais benefícios para o MUHM, para o qual continuarei atuando como consultora.

Deixo com vocês, no entanto, alguém em quem não apenas confio, mas que tenho a total certeza de que continuará esta trajetória com competência e dedicação. Vocês já o conhecem, exatamente de todas estas atividades que já nominei: o historiador Éverton Quevedo, que assume a partir de agora a Direção do Museu. Esperamos continuar contando com o apoio e carinho de todos, para que o nosso Muhm cresça ainda mais e continue sua trajetória de sucesso.

 

Um abraço,

Juliane Serres

 

Porto Alegre, 04 de novembro de 2008.

Os historiadores Juliane Serres e Éverton Quevedo
 
 


Compartilhe:

11/11/2008 | Versão para Impressão

Retratos da Medicina no 40º Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia

Retratos da MedicinaO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) estará presente no 40º Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia, que acontece de 13 a 15 de novembro no Centro de Eventos FIERGS, em Porto Alegre. O Museu foi convidado pela organização do evento, através do MD. Jaison Bocheirnitsan e do POA Convention & Visitors Bureau, e levará para o 40º CBOT a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul, que já passou por 25 municípios gaúchos com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII.

 

A mostra Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina.

 

Quem visitar a exposição vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

Doações

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações, e os interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro.



Compartilhe:

11/11/2008 | Versão para Impressão

XIII Congresso Brasileiro de História da Medicina

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) participa, no período de 12 a 15 de novembro de 2008, do XIII Congresso Brasileiro de História da Medicina, que acontece em Fortaleza, Ceará. O museu participa com envio de trabalhos e a presença de médicos e alunos de História e de Medicina vencedores do Prêmio Rubens Maciel.

 

O historiador Éverton Quevedo apresenta trabalho no congresso, com o título “O Acervo do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul como fonte de pesquisa histórica”, de autoria conjunta com a diretora licenciada, Juliane Serres. Da equipe do Museu também participa o estudante de história Diego Devincenzi e os médicos Jorge Abib Cury, vice-presidente das Associações Gaúcha de História da Medicina (AGHM) e de Amigos do Muhm, e Ariadene Duarte, diretora do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), mantenedor do museu.

 

Além dos médicos e historiadores, os estudantes Julia Frozi, de Medicina, e Felipe Vieira, de História, participam do evento, como vencedores do Prêmio Rubens Maciel, patrocinado pelo Simers e realizado pela AGHM em setembro último.



Compartilhe:

10/11/2008 | Versão para Impressão

Museu no You Tube

Estão disponíveis na Internet as últimas matérias veiculadas na imprensa sobre o MUHM ou no museu. Basta o visitante acessar o site do YouTube:

 

- RBSTV

Jornal do Almoço, sobre a mostra DESAFIOS

http://www.youtube.com/v/tE6geh3LprU&hl=pt-br&fs=1

 

Teledomingo, matéria sobre ECT

http://www.youtube.com/v/OKuuJH66r84&hl=pt-br&fs=1

 

Outras notícias, de exposições anteriores, também disponíveis:

 

- TVE

http://www.youtube.com/v/m_wUMMI7-SA&hl=pt-br&fs=1

 

- TVCOM

http://www.youtube.com/v/f6rPo9PQ_rU&hl=pt-br&fs=1

http://www.youtube.com/v/G8kLg5cSxmI&hl=pt-br&fs=1

 

- TV Pampa

http://www.youtube.com/v/BvibLFfD8tc&hl=pt-br&fs=1

http://www.youtube.com/v/rFE-Cx7SOT0&hl=pt-br&fs=1

 

- BAND

http://www.youtube.com/v/ltixStaKaB4&hl=pt-br&fs=1

 

 

Também estão disponíveis os vídeos e documentários produzidos para o MUHM pelo documentarista Felipe Henrique Gavioli:

 

DESAFIOS: a Medicina e a luta pela vida

Vídeo-colagem Acordes da Vida

http://www.youtube.com/v/uqq2NIueKTE&hl=pt-br&fs=1

 

Mulheres e Práticas de Saúde: Medicina e Fé no Universo Feminino

Documentários

http://www.youtube.com/v/RM3XEf6Evvo&hl=pt-br&fs=1

Vida

http://www.youtube.com/v/m0y_SB8iukQ&hl=pt-br&fs=1

 

Olhares sobre a História da Medicina

Pré-abertura

http://www.youtube.com/v/UA_Jbjcsb00&hl=pt-br&fs=1

 

Documentário Retratos da Medicina em Rio Pardo

http://www.youtube.com/v/X8SI5zVd2dg&hl=pt-br&fs=1



Compartilhe:

12/11/2008 | Versão para Impressão

Oficina de fotografia digital para museus tem aulas no MUHM

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) sedia, na próxima semana, aulas da oficina “Fotografia digital básica aplicada a museus”, promovida pelo governo estadual através da secretaria da Cultura, Sistema Estadual de Museus e 1ª Região Museológica.O ministrante será Sérgio Sakakibara, bacharel em Artes Plásticas – fotografia – pelo Instituto de Artes da UFRGS. Sakakibara atua como fotógrafo em publicidade e em jornalismo desde 1973 e participa exposições no Brasil e no exterior, além de organizar eventos culturais desde 1972, e entre outras funções é professor na ESPM-RS. O curso acontece de 18 de novembro a 02 de dezembro às terças e quintas pela manhã, das 9 às 12h, em dois locais: nos dias 18 e 20.11 e 02.12 no MUHM (av. Independência, 270) e nos dias 25 e 27.11 na Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736).  A carga horária do curso é de 15 horas e as vagas são limitadas a 25. As inscrições são gratuitas pelo e-mail: semrs@via-rs.net, sendo aceito um representante por instituição museológica.

                                         

Os requisitos para participar são conhecimentos básicos de informática e possuir uma câmera digital compacta, que pode ser adquirida após o início do curso, se o participante necessitar de indicações.

 

A oficina irá abordar características básicas da fotografia, a evolução de seu uso através da história e ainda a fotografia científica e como documento, especialmente em museus. Serão debatidos temas como a proliferação do uso das imagens, a imagem digital, a convergência das mídias e assuntos mais específicos, como catalogação de obras, documentação de estado e restauro. Os alunos também terão aulas sobre fotografia básica, aprendendo desde detalhes técnicos como uso do diafragma e obturador até testes práticos para fotografar objetos bidimensionais e tridimensionais de diferentes tamanhos. Noções de enquadramento, perspectiva e tratamento, também fazem parte da súmula da oficina, que ainda ensina a lidar com as fotografias no meio digital, do tratamento e armazenamento até a impressão e conservação.

 

 

Serviço

O quê: Oficina “Fotografia digital básica aplicada a museus”

Quando: às terças e quintas-feiras, de 18 de novembro a 02 de dezembro de 2008

Onde: no MUHM (18 e 20.11 e 02.12) e na CCMQ (25 e 27.11)

Inscrições: gratuitas, limitadas a uma por instituição e 25 no total, pelo e-mail semrs@via-rs.net

Realização:

Secretaria de Estado da Cultura do RS, através do Sistema Estadual de Museus/RS e 1ª Região Museológica.

Apoio: 

Casa de Cultura Mario Quintana

Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul.

 

Clique para acessar a FICHA DE INSCRIÇÃO.
Clique para acessar a SÚMULA da oficina.



Compartilhe:

13/11/2008 | Versão para Impressão

Inscrições encerradas para oficina

O Sistema Estadual de Museus informa que estão encerradas as inscrições para a oficina de "Fotografia digital básica aplicada a museus" devido ao preenchimento das vagas.
 


Compartilhe:

19/11/2008 | Versão para Impressão

Novas teses da Faculdade de Medicina da UFRGS são inseridas no site

A equipe técnica do MUHM inseriu novas teses digitalizadas da Faculdade de Medicina da UFRGS. Para consultá-las online basta acessar Acervo - Obras Digitalizadas. Veja quais são:

1929 - ERNESTO GIORNO - O pH e a flora bacteriana da saliva e da urina

1942 - OTHON SOARES DE FREITAS - Da estrogenioterapia nas endometrites puerperais

1942 - RUBENS MACIEL - Perturbações Cardiológicas do Alcoolismo

1943 - JOÃO BENEDICTO DE SOUZA - Tratamento da Tuberculose Bucal pela d'arsonvalização Diatérmica

1944 - CORADINO LUPI DUARTE - Contribuição ao estudo do hormônio do lóbulo posterior da hipofise no secundamento por via endovenosa

1947- WALTER GHEZZI -Contribuição ao Estudo do Sistema Jugular

1948 - GAMALIEL DE ALMEIDA - A Mecanoterapia Complementar da Urano-Estafilorrafia

1949 - AMARO BOMFIGLIO - Histaminemia e histaminúria normais em Pôrto Alegre

1949 - GORKI MECKING DE LIMA - Tumor de Células de Huerthle

1950 - NEYTE DE OLIVEIRA SIECZKOWSKY- Contribuição ao Estudo das Poaias no Rio Grande do Sul



Compartilhe:

19/11/2008 | Versão para Impressão

Participação do Muhm no XIII Congresso Brasileiro de História da Medicina

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) esteve presente no XIII Congresso Brasileiro de História da Medicina, que aconteceu entre 12 a 15 de novembro de 2008 em Fortaleza, Ceará. Além da apresentação já prevista do trabalho do historiador Éverton Quevedo - realizado em autoria conjunta com a diretora licenciada, Juliane Serres - intitulado “O Acervo do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul como fonte de pesquisa histórica”, o diretor do MUHM conseguiu ainda que os vencedores do Prêmio Rubens Maciel, patrocinado pelo Simers e realizado pela AGHM em setembro último, os estudantes Julia Frozi, de Medicina, e Felipe Vieira, de História, apresentassem seus trabalhos.

Julia Frozi apresentou o trabalho "A trajetória da pesquisa no Hospital Psiquiátrico São Pedro"; e o estudante de História Felipe Almeida Vieira, mestrando do PPG em História da UFRGS, o trabalho "Panteão Médico Riograndense (1943): 'vultos', fantasmas e sombras". 

Além dos vencedores do prêmio o MUHM ainda teve a apresentação do trabalho do estudante de história Diego de Vincenzi: “Doutores entre a ciência e a política:  a Faculdade de Medicina de Porto Alegre (1898-1931)”.

Também estiveram presentes ao congresso os médicos Jorge Abib Cury, vice-presidente das Associações Gaúcha de História da Medicina (AGHM) e de Amigos do Muhm, e Ariadene Duarte, diretora do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), mantenedor do museu.

 
Fotos das apresentações

Éverton Quevedo
Éverton Quevedo


Felipe Vieira
Felipe Vieira 


Julia Frozi
Julia Frozi


Diego Devincenzi
Diego Devincenzi



Compartilhe:

02/12/2008 | Versão para Impressão

Palestra comemorativa encerra edição 2008 do Quintas no Museu

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) promove, em parceria com a Associação Gaúcha de História da Medicina, às 19h do próximo dia 11 de dezembro, na Sala Rita Lobato, a última Quintas no Museu de 2008. A palestra intitulada “A Intoxicação pelo Amor e a Relação Médico-Paciente (um Século de História)” é uma reflexão a partir da tese publicada em 1908 por Leopoldo Pires Porto, onde o autor traça a trajetória da relação médico-paciente em nosso meio, destacando pontos comuns e diversos.

O palestrante é o MD. Alfredo Cataldo Neto, graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1980) e doutorado em Clínica Médica pela Pontifícia Universidade Católica do RS (1998). Cataldo Neto é professor adjunto da Faculdade de Medicina da PUCRS.


Da intoxicação pelo amor

Clique na imagem se quiser imprimir o cartaz.


Compartilhe:

02/12/2008 | Versão para Impressão

MUHM na I Jornada Médico-Jurídica do RS e VI Jornada Médico-Jurídica da FENAM

Nos próximos dias 03 e 04 de dezembro o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) estará Centro de Convenções do Plaza São Rafael, integrando a I Jornada Médico-Jurídica do RS e a VI Jornada Médico-Jurídica da FENAM. O MUHM participa do evento expondo objetos, livros e banners.

I Jornada Médico-Jurídica do RS • VI Jornada Médico-Jurídica da FENAM

Centro de Eventos Plaza São Rafael

Centro de Eventos Plaza São Rafael


Compartilhe:

08/12/2008 | Versão para Impressão

Participação em eventos e visitas ao MUHM

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul participou, nos dias 03 e 04 de dezembro, no Centro de Convenções do Plaza São Rafael, da I Jornada Médico-Jurídica do RS e VI Jornada Médico-Jurídica da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), com exposição de objetos, livros e banners. Na quinta-feira (04) o MUHM também recebeu as visitas dos MD. Mário Fernando da Silva Lins e Waldir Cardoso, da FENAM, que vieram a convite do presidente MD. Paulo de Argollo Mendes, atual presidente da FENAM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS), mantenedor do museu.

Os visitantes puderam conhecer o funcionamento do museu e as duas exposições vigentes: “DESAFIOS – a Medicina e a luta pela vida” e “A Medicina através dos selos”. Esta última é de curta duração e permanece apenas até 20 de fevereiro na Sala Rita Lobato.

Entre os projetos do museu que os visitantes puderam conhecer está o de Ações Educativas. Nesta quinta-feira o MUHM recebeu um grupo de deficientes visuais e familiares, que além de ouvir as explicações das mediadoras, também puderam tocar alguns objetos, para que pudessem sentir os desafios pelos quais a Medicina passou. Um exemplo de objeto que puderam tocar foi o Phantom, desenvolvido pelo MD. Gabriel Schlatter, que possui as características da pélvis feminina e de um bebê e que era usado em cursos de parteiras. Da mesma forma que o médico ensinava aquelas mulheres a reconhecerem o corpo pelo toque daquela peça, os visitantes puderam sentir o mesmo tocando. O estetoscópio também foi um objeto bastante concorrido, já que os visitantes podem auscultar-se.

O MUHM recebe visitas de grupos diversos, além de escolas e faculdades, por agendamento. A marcação pode ser feita através de contato no local, pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br.


Galeria de fotos

Visitas ao MUHM
Mediadora Fabiana Nunes auxilia visitante

Visitas ao MUHM
Mediadora Daniela Soares auxilia visitantes

Visitas ao MUHM
Médicos da FENAM visitam o MUHM a convite de seu presidente,
MD. Paulo de Argollo Mendes (D)

Visitas ao MUHM
MD. Mário Lins 

Visitas ao MUHM
Historiadora Daniela Carvalho e MD. Waldir Cardoso


Compartilhe:

08/01/2009 | Versão para Impressão

Museu recebe grupo de crianças da SASE

 
O Museu recebeu, no dia 17 de dezembro, grupo de 15 crianças da Associação Comunitária Santa Rita de Cássia, que integra o Serviço de Apoio Sócio-Educativo (SASE).
 
O Serviço teve seu início no ano de 2003, ano no qual se firmou convênio com a Fundação de Assistência Social e Cidadania (FASC). São realizadas atividades diárias com 110 crianças e adolescentes de 07 a 14 anos em situação de vulnerabilidade pessoal e social.
 
Os integrantes deste programa participam de diversas atividades, como oficina de esporte, música, dança, teatro, artesanato, informática, jogos recreativos etc.
 
Somando esforços, o Museu ofereceu o espaço e o trabalho de sua equipe. As crianças passaram uma tarde descobrindo a História da Medicina. Após a visita, as mediadoras conduziram a realização de oficinas pedagógicas.
 
Confira algumas imagens

SASE SASE

SASE SASE
 


Compartilhe:

09/01/2009 | Versão para Impressão

Exposições do MUHM também são alternativa para as férias em Porto Alegre

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) é uma das alternativas culturais gratuitas para quem fica em Porto Alegre nas férias ou está visitando a cidade. A exposição "DESAFIOS: A Medicina e a luta pela vida" mostra, através de seis eixos, a busca dos médicos e da ciência por melhorias para a saúde do ser humano. Os eixos escolhidos são: Conhecimento, Costumes, Diagnóstico, Tratamentos, Causas e Especialidades. Já a exposição "A Medicina através dos selos" está aberta à visitação na Sala Rita Lobato - espaço multifuncional para realização pesquisas, eventos e atividades culturais. O MUHM também disponibiliza ao público uma biblioteca com 1.000 livros, entre obras raras e livros sobre especialidades e História da Medicina - o acervo total já soma mais de 5 mil livros.

As exposições

DESAFIOS fica até outubro no MUHM e está dividida em seis temáticas: o conhecimento médico, os costumes, o diagnóstico, as especialidades, as causas das doenças e os tratamentos.

DESAFIOS
DESAFIOS


Para ilustrar o conhecimento médico, são apresentadas algumas contribuições de cientistas como Leonardo Da Vinci e Andréas Vesálio, que em suas épocas, ajudaram a desvendar, com o estudo da anatomia, o grande desafio que era conhecer o corpo humano. Para evidenciar esse processo o acervo do MUHM traz mais uma vez o esqueleto humano da primeira exposição do (Olhares sobre a História da Medicina).

Alunas com esqueleto humano
Esqueleto humano

Na temática sobre os costumes, são mostrados hábitos que antes eram considerados adequados e que a história mostrou serem prejudiciais à saúde, como escarrar em público ou não lavar as mãos. O público poder ver escarradeiras desta época, confirmando este hábito fazia parte da etiqueta.


DESAFIOS

DESAFIOS

DESAFIOS
Auscultação

 

No eixo sobre as causas das doenças, são apresentadas explicações como a "teoria dos humores" e os "miasmas", e ainda descobertas, como a do microscópio. Para aplicar um tratamento, é necessário realizar o diagnóstico, que tem nos recursos tecnológicos um importante aliado da observação e da descrição dos casos clínicos. O aparelho de Raio-x foi um desses instrumentos que contribuem para a precisão do diagnóstico e menor sofrimento dos doentes. A origem das vacinas e a resistência da sociedade também são parte da exposição, e em um dos módulos da exposição é possível visualizar três vírus: influenza, da tuberculose e da varíola. Os tratamentos também mudaram ao longo da história: houve épocas em que o uso de sangrias e ventosas era bastante comum, e estas são peças do acervo do museu que estão ao alcance dos visitantes.

Finalmente, a exposição aborda as especialidades médicas, em especial a obstetrícia, já que a Faculdade de Medicina de Porto Alegre tem origem no Curso de Partos. Outra peça que é atração constante do museu é o phantom, desenvolvido para ensinar parteiras. Um vídeo sobre a especialidade, elaborado pelo documentarista Felipe Henrique Gavioli, e uma reprodução de sala de cirurgia completam a ambientação, mostrando a luta pela vida.


Selo sobre cirurgia

A exposição de curta duração "A Medicina através dos selos" fica em cartaz até 20 de fevereiro e retrata exatamente a importância dada ao longo dos tempos a personalidades e fatos históricos relacionadas à Medicina.


O vídeo, peças, livros, painéis e outras histórias das duas exposições estão disponíveis ao público de segunda a sexta-feira, já no horário de verão, das 12h às 20h, e das 15h às 20h nos sábados, domingos e feriados.


Visitas e agendamentos de grupos e escolas para as Ações Educativas do Muhm podem ser feitos pelo fone (51) 3029-2900 ou e-mail museu@simers.org.br. O endereço do Muhm é av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre.


Compartilhe:

09/01/2009 | Versão para Impressão

MUHM na rota da 2ª Caminhada Turística

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) está na rota da 2ª edição das Caminhadas Turísticas, iniciativa da Secretaria Municipal de Turismo (SMTUR) que será realizada na próxima segunda-feira, 12. Segundo a Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura de Porto Alegre, o evento passa a integrar o projeto das caminhadas orientadas do Viva o Centro a Pé, desenvolvido pelas secretarias do Planejamento Municipal e da Cultura e do Programa Viva o Centro. Normalmente o museu não abre para o público nas segundas-feiras, tendo apenas expediente interno, mas irá abrir no horário da caminhada, que coincide ainda com a realização da reunião da 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus, que também acontece no MUHM no mesmo horário, às 14h.

As caminhadas são orientadas por um guia de turismo, em dois roteiros que acontecem em diferentes turnos. O que passa pelo MUHM é o Roteiro Independência, que das 14h às 16h passará por pontos como o prédio da antiga Confeitaria Rocco, a Praça do Portão, a Santa Casa de Misericórdia, a Praça Dom Feliciano, a Igreja Nossa Senhora da Conceição, o Museu de História da Medicina, o Hospital Beneficência Portuguesa e o Colégio e Praça do Rosário. O local de saída será em frente a Praça Conde de Porto Alegre (Praça do Portão).

Os passeios são abertos ao público e uma nova alternativa de conhecer a cidade no dia da semana em que o ônibus que faz o city tour Linha Turismo recebe a manutenção regular e, por isso, não circula. 

Interessados em participar das Caminhadas Turísticas devem fazer sua inscrição até dia 11 na SMTUR (Travessa do Carmo, 84, Bairro Cidade Baixa) mediante a doação de um kit de material escolar, composto por um caderno grande mais um item como caneta, lápis, borracha, régua, etc. Mais informações pelo telefone 3212.3464, ramal 30, ou pelo e-mail reservas@turismo.prefpoa.com.br.


Compartilhe:

09/01/2009 | Versão para Impressão

Reuniões da 1ª Região Museológica e do GT História e Saúde no MUHM

 O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) sedia, na próxima segunda-feira (12), às 14h, a reunião ordinária da 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus (SEM/RS), que compreende a Capital e as regiões Metropolitana, Carbonífera e Litoral Norte. Já no dia 20, também às 14h, o museu sedia o encontro de estudos do GT História e Saúde. Mais informações pelo link www.muhm.org.br/gthistoriaesaude.


Compartilhe:

12/01/2009 | Versão para Impressão

Galeria de Fotos

Veja como foram as visitas da 1ª Região Museológica e da Caminhada Turística.

Visitas Visitas

Visitas Visitas

Visitas Visitas



Compartilhe:

29/01/2009 | Versão para Impressão

Museu abre neste feriado de Navegantes

Na próxima segunda-feira (02) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) será mais uma opção cultural e gratuita para quem passa o feriado de Navegantes em Porto Alegre. Além de abrir normalmente no final de semana, também atenderá o público na segunda-feira, dia em que normalmente há apenas expediente interno.

A exposição "DESAFIOS: A Medicina e a luta pela vida" mostra, através de seis eixos, a busca dos médicos e da ciência por melhorias para a saúde do ser humano. Os eixos escolhidos são: Conhecimento, Costumes, Diagnóstico, Tratamentos, Causas e Especialidades. Já a exposição "A Medicina através dos selos" está aberta à visitação na Sala Rita Lobato - espaço multifuncional para realização pesquisas, eventos e atividades culturais. O MUHM também disponibiliza ao público uma biblioteca com 1.000 livros, entre obras raras e livros sobre especialidades e História da Medicina - o acervo total já soma mais de 5 mil livros.

A entrada é franca e o museu, que fica na av. Independência, 270, no Centro, funcionará no horário das 15h às 20h.


Compartilhe:

29/01/2009 | Versão para Impressão

75 anos do Hospital Parque Belém

O diretor do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), historiador Éverton Quevedo, participou nesta quinta-feira (29) do início das comemorações pelos 75 anos do Hospital Parque Belém (HPB), com a inauguração da Galeria de ex-Presidentes. O hospital teve a sua pedra fundamental lançada em 30 de janeiro de 1934, e a fundação aconteceu em 3 de maio de 1940. O objetivo do HPB era tratar de doenças pulmonares, e durante muitos anos esteve ligado à campanha nacional da tuberculose, quando tornou-se referência no sul do país. A partir de 1975, com a quase erradicação da tuberculose, transformou-se em hospital geral.

O HPB será um dos hospitais retratados na mostra “Espaços de saúde e memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre”, que já tem data para inaugurar: 27 de março. As outras instituições são a Beneficência Portuguesa, a Santa Casa de Misericórdia, o Hospital Psiquiátrico São Pedro, o Hospital Moinhos de Vento e o Hospital Sanatório Partenon.




Éverton Quevedo, diretor do MUHM, Lúcia Souza, bibliotecária do Hospital Parque Belém, Maria Rita de Assis Brasil, vice-presidente do SIMERS, e Mauro Sparta, diretor administrativo do hospital e responsável pelo Centro de Estudos da instituição.
Da esquerda para a direita: Éverton Quevedo, diretor do MUHM, Lúcia Souza, bibliotecária do Hospital Parque Belém, Maria Rita de Assis Brasil, vice-presidente do SIMERS, e Mauro Sparta, diretor administrativo do hospital e responsável pelo Centro de Estudos da instituição.


Compartilhe:

10/02/2009 | Versão para Impressão

MUHM participa de reunião da 1ª Região Museológica

Nesta segunda-feira (09) o diretor do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), historiador Éverton Quevedo, participou de reunião realizada no Santander Cultural sobre a 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus, região da qual é coordenador. São 90 instituições da Capital e das regiões Metropolitana, Carbonífera e Litoral Norte. Este foi o primeiro contato para a organização da X Mostra Conjunta, que acontecerá entre 04 e 25 de maio. O evento também fará parte da programação da Semana Nacional de Museus, que em 2009 tem o tema “Museus e Turismo” e será realizada entre 17 e 23 de maio em todo o país. O MUHM também já encaminhou ao Departamento de Museus do Ministério da Cultura a sua programação para o período.



Compartilhe:

20/02/2009 | Versão para Impressão

Fim do horário de verão e Carnaval

Com o final do horário de verão, a partir deste domingo (15), o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) voltou a receber visitantes no seu horário normal: de terças a sextas-feiras das 11h às 19h, sábados, domingos e feriados das 14 às 19h. A exposição "A Medicina através dos selos", que terminaria na próxima semana, foi prorrogada até 13 de março e pode ser vista na Sala Rita Lobato. Os visitantes também podem conhecer a mostra "Desafios: a Medicina e a luta pela vida". MUHM fica no prédio histórico da Beneficência Portuguesa, na Av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre, e a entrada é gratuita. O MUHM abrirá no sábado e domingo de Carnaval, fechando excepcionalmente às 18h e reabrindo na quarta-feira.


Compartilhe:

27/05/2009 | Versão para Impressão

Equipe do MUHM insere novas biografias no site

A equipe técnica do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (Muhm) incluiu biografias para serem acessadas a partir do site. Os médicos recentemente biografados exerceram atividade em cidades que estão recebendo a exposição "Retratos da Medicina" durante o ano de 2009. São eles:

Santa Vitória do Palmar
Brasiliano Patello
Mario Teixeira de Mello
Nazir Rottta Vasques
Osmarino de Oliveira Terra

São Gabriel
Alfredo de Oliveira Matos
Antonio Simao Rahme Allam
Carlos da Silveira Antunes
Dacio de Assis Brasil
Dirceu Menna Barreto de Abreu
Francisco Chagas
Francisco de Paula Moreira Leivas
Homero Lima Menezes
Joao Luchsinger Bulcao
Jose Lisboa Netto
Luiz Deodoro de Faria
Osvaldo Passos D'utra
Torquato Arleo Petrarca

Rosário
Artidor da Cruz Ortiz
Agrippino Louzada
Amarinho Prates de Almeida
Fernando Haag Chagas
Galileu Ferreira do Valle
José Narciso da S. Antunes

Santiago
Fernando de Carvalho
Labieno de Castro Jobim Netto
Luis Cesar Leal
Manuel Júlio Diniz

São Borja
João Jorge Ferriche
Syrio Martins Trois
Emílio Trois da Motta
Oscar Vasconcelos Borges

São Luiz Gonzaga
Armando Galeão dos Santos
Nicolau Soares
José Thomaz Zeilmann

Rio Grande
Ademar Corrêa Franco
Antonio Maria da Costa Freitas
Arthur Ignacio do Prado
Durval Barros de Azevedo Couto
Erico Poester Peixoto
Firmino Jesus de Pinho
Isnard Poester Peixoto
Isolina Miranda Dutra
João Hugo Altmayer
Jorge Dias
Laerte Frederico Ferreira
Luiz Ferraz
Luiz Martins Falcão
Mariano Cardoso Espindola
Mario Rodrigues Nicola
Newton Azevedo
Nilo Correa da Fonseca
Osmario de Moura Plaisant
Pedro Armando Gatti
Pedro Francisco Bertoni
Pedro de Medeiros Mitchell
Péricles Destefani Espindola
Renato Cavalcanti de Freitas Guimarães
Vespasiano Faustino Correa
Walter da Costa Brum


Compartilhe:

04/03/2009 | Versão para Impressão

Mostra itinerante Retratos da Medicina vai a Feliz

A mostra “Retratos da Medicina: A História Médica no Rio Grande do Sul” volta a itinerar. Neste ano ela percorre 10 cidades, e a primeira é a cidade de Feliz, com inauguração no dia 03 de março, às 19h, na Prefeitura Municipal de Feliz (Rua Pinheiro Machado, 55, Centro). A exposição Retratos é uma iniciativa do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) juntamente com suas Delegacias Regionais - no caso de Feliz, a Delegacia é a de Montenegro - e já percorreu 24 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII.

A exposição chega a 2009 renovada pelas inclusões de informações sobre personagens que viveram nas cidades por onde a mostra passa. Outra novidade é um novo painel que permite aos visitantes assistir um vídeo sobre História da Medicina e ainda interagir com a mostra, utilizando em si mesmos os estetoscópios disponíveis na mostra, que fica aberta a visitação de 04 a 29 de março.

A chegada da exposição coincide com o centenário do Hospital Schlatter, construído pelo MD. Gabriel Schlatter. Médico austríaco (1865 – 1947), Schlatter imigrou para o Rio Grande do Sul em 1898, estabelecendo-se primeiramente em Estrela, onde fundou uma clínica. Poucos anos depois, mudou-se para a cidade de Feliz, e em 1909 funda o agora centenário hospital. O médico especializou-se em cirurgia de bócio e criou um dos primeiros cursos para parteiras do interior. Sua família, que tem outros médicos, é uma das principais doadoras de acervo ao MUHM.

Depois de Feliz a exposição seguirá para Camaquã, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, São Gabriel, Rosário do Sul, Santiago, São Borja, São Luiz Gonzaga e Três Passos.

A exposição Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina.

Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como a Máscara de Ombredanne - utilizada para anestesia, lentes oftalmológicas, um cardioscópio, um microscópio, aparelhos de transfusão de sangue e pressão arterial, entre outros. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

Doações

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações, e os interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro.



Compartilhe:

25/02/2009 | Versão para Impressão

Sarau Lírico abre Quintas no Museu 2009 no dia 05

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) abre os trabalhos do Quintas no Museu 2009 no próximo dia 05 de março com um Sarau Lírico protagonizado pela solista Celina Del Mônico e o pianista Fernando Tarragô, às 18 horas. Lançado no ano passado junto com a exposição “Mulheres e Práticas de Saúde”, o Quintas no Museu volta com novidades. Sempre na primeira quinta-feira de cada mês acontecerão os Saraus Líricos, que contam com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. Nas outras quintas-feiras do mês, diferentes ciclos trarão assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, além de sessões comentadas de filmes sobre história da Medicina. Ao final dos ciclos serão concedidos certificados aos participantes, contribuindo para a formação complementar de estudantes e profissionais.

Celina Del Mônico - Natural do Paraná, possui sólida formação musical. Formada em piano e bacharel em canto pela Universidade Federal do Paraná, classe da Professora Neyde Thomaz. Participou da Camerata Antiqua de Curitiba, coral profissional paranaense especializado em repertório barroco, como solista. Também foi solista da orquestra do teatro municipal do Paraguai. Radicada em Porto Alegre há 10 anos.  Participou de concerto e óperas junto a OSPA, Orquestra SESI Fundarte, sob a regência dos maestros Ion Bressan, Manfredo Schmidt, Isaac Karabichevisk, entre outros. Atualmente é mestrando em musicologia na UFRGS.
 
Fernando Tarragô - Tenor e pianista pela escola de música da OSPA. Estudou teoria, solfejo e percepção com as professoras Jaqueline Vita Menezes e Vera de Los Santos. Cursou o conservatório de música Léo Schneider, onde estuou piano com Ane Marie Schneider. Atualmente, faz curso de extensão na UFRGS, Instituto de Belas Artes e aulas com Dulce Rocha Machado. Paralelamente é advogado do Tribunal de Justiça.

No programa do dia 05 estão obras de Monteverdi, Händel, Marcelo Tupinambá, Paurilio Barroso, Alberto Costa, Ernani Braga e Puccini. Os eventos acontecem na sala Rita Lobato do MUHM.

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A entrada é gratuita, e recomenda-se chegar mais cedo, pois os lugares são limitados. Há estacionamentos próximos ao local.

 

Foto: Gustavo Vara
Foto: Gustavo Vara

O pianista Fernando Tarragô e a solista Celina Del Mônico


Programa em PDF (Acrobat Reader)



Compartilhe:

27/02/2009 | Versão para Impressão

155 anos da Sociedade Portuguesa de Beneficência

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul saúde, nesta data, a Sociedade Portuguesa de Beneficência pela passagem dos seus 155 anos. A sociedade é responsável pela fundação e administração do Hospital Beneficência Portuguesa, que desde 1870 atende os cidadãos de Porto Alegre. É o segundo hospital do Estado, apenas posterior à Santa Casa de Misericórdia.

Hoje à tarde, às 19h, na capela do Hospital, acontece a celebração ecumênica pelo aniversário da entidade.

Hospital Beneficência Portuguesa




Galeria de fotos
Capela São Pedro - 155 anos da Sociedade Portuguesa de Beneficência

155 anos da Sociedade Portuguesa de Beneficência 155 anos da Sociedade Portuguesa de Beneficência
Presidente Eraldo Martins (E) e Diretor do MUHM Éverton Quevedo

155 anos da Sociedade Portuguesa de Beneficência 155 anos da Sociedade Portuguesa de Beneficência
Fiéis e autoridades prestigiaram a celebração ecumênica


Compartilhe:

04/03/2009 | Versão para Impressão

Retratos da Medicina na cidade de Feliz-RS (fotos)

Veja a galeria de fotos da inauguração da mostra Retratos da Medicina no município de Feliz.

A exposição fica aberta a visitação até 29 de março na Prefeitura Municipal.

Retratos da Medicina Retratos da Medicina
Hospital Schlatter: 100 anos ----- ----- ----- ----- Exposição

Retratos da Medicina Retratos da Medicina
Diretor do MUHM (E), Éverton Quevedo, MD. Ariadene Duarte (em azul), diretora do SIMERS, e Rogério Barros Macedo (D), delegado regional de Montenegro. Na outra foto, Éverton Quevedo com a colaboradora do MUHM Olga Schlatter

Retratos da Medicina Retratos da Medicina
Visão da mostra

Retratos da Medicina Retratos da Medicina
Visitantes e Equipe MUHM/SIMERS


Compartilhe:

11/03/2009 | Versão para Impressão

Ciclos de palestras voltam ao Quintas no Museu

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) abre, na próxima quinta-feira (12) às 18 horas os seus ciclos de palestras do projeto Quintas no Museu. Sucesso em 2008, a iniciativa traz palestrantes que apresentam temas ligados à história da medicina e da saúde, exceto na primeira quinta-feira do mês, dedicada a saraus líricos – o primeiro aconteceu dia 05 de março. O primeiro ciclo se chama “Porto Alegre e seus Hospitais”, comemorando o aniversário da Capital e familiarizando a comunidade com a mostra que inaugura no dia 27 de março: “Espaços de Saúde e Memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre”. A primeira palestra será proferida pela historiadora Adriane Raimann, do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa de Misericórdia, instituição que estará contemplada nesta exposição. O MUHM fornecerá certificados de participação àqueles que tiverem 75% de presença nos ciclos.

De acordo com o diretor do MUHM, o historiador Éverton Quevedo, o projeto Quintas no Museu vai apostar, neste ano, na realização de ciclos. “Esperamos come esta atividade contribuir tanto com a comunidade quanto com o público acadêmico que necessita de formação complementar”, explica o diretor. Os ciclos previstos para 2009 preveem, ainda, temas como museus e turismo, pesquisa em medicina e saúde, cinema e literatura – relacionando obras à medicina.

Porto Alegre
O ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” vai trazer palestrantes das instituições participantes da mostra Espaços de Saúde e Memória, que inaugura dia 27 de março. Nela serão apresentados seis hospitais que, além de serem os mais antigos da cidade, possuem um trabalho de preservação da memória institucional. Além da Santa Casa, serão expostos objetos, fotos e informações dos hospitais Moinhos de Vento, Parque Belém, Sanatório Partenon, São Pedro e Beneficência Portuguesa. Durante os meses de março e abril, cada quinta-feira será dedicada a uma instituição.


Baixe aqui a programação do Ciclos de Palestras “Porto Alegre e seus Hospitais” em pdf.


Veja como foi o último Quintas no Museu, o primeiro Sarau Lírico:

Saraus Líricos - Quintas no Museu Saraus Líricos - Quintas no Museu

 

Saraus Líricos - Quintas no Museu Saraus Líricos - Quintas no Museu

 

Saraus Líricos - Quintas no Museu Saraus Líricos - Quintas no Museu

 


 



Compartilhe:

16/03/2009 | Versão para Impressão

Quintas no Museu: Ciclo Porto Alegre e seus Hospitais aborda Moinhos de Vento

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) traz, na próxima quinta-feira (19), dentro do ciclo de palestras “Porto Alegre e seus Hospitais”, a historiadora Elizabeth Torresini, do Hospital Moinhos de Vento. A iniciativa integra o projeto Quintas no Museu, que acontece todas as quintas-feiras às 18 horas na Sala Rita Lobato do MUHM (av. Independência, 270, prédio histórico da Beneficência Portuguesa).

O projeto traz palestrantes que apresentam temas ligados à história da medicina e da saúde, exceto na primeira quinta-feira do mês, dedicada a saraus líricos. O primeiro ciclo deste ano, “Porto Alegre e seus Hospitais”, comemora o aniversário da Capital e familiariza a comunidade com a mostra que inaugura no dia 27 de março: “Espaços de Saúde e Memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre”.

De acordo com o diretor do MUHM, o historiador Éverton Quevedo, o projeto Quintas no Museu vai apostar, neste ano, na realização de ciclos. “Esperamos come esta atividade contribuir tanto com a comunidade quanto com o público acadêmico que necessita de formação complementar”, explica o diretor. Os ciclos previstos para 2009 preveem, ainda, temas como museus e turismo, pesquisa em medicina saúde, cinema e literatura – relacionando obras à medicina. O MUHM fornecerá certificados de participação àqueles que tiverem 75% de presença nos ciclos, auxiliando os alunos que precisam participar de cursos, encontros e palestras para completar a sua carga horária nos cursos superiores.

Palestra
O título da palestra desta quinta-feira é "Hospital Moinhos de Vento: história institucional e pesquisa histórica (1927-2009)", e será proferida pela historiadora Elizabeth Torresini. Licenciada em História e Especialista em História da Cultura Brasileira, Mestre em História da Cultura Brasileira, sempre pela PUCRS, é Doutora em História do Brasil pela UFRGS. A palestrante é professora universitária de História e atua principalmente na área de Metodologia do Ensino e Metodologia da Pesquisa, tendo desenvolvido projetos junto aos estudantes do Curso de História, Comunicação e Ciências Socias (PUCRS) e professora dos Cursos de Pós-Graduação (lato senso) da FAPA-RS. Foi pesquisadora da exposição "Diaconisas Diretoras do Hospital Moinhos de Vento: 1927-1987" e curadora da exposição Hospital Moinhos de Vento: 80 anos com Porto Alegre", ambas de 2007.


Porto Alegre
Durante os meses de março e abril, cada quinta-feira do ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” será dedicada a uma instituição participante da mostra “Espaços de Saúde e Memória”, que inaugura dia 27 de março, às 18 horas, e apresentará objetos, fotos e textos de seis hospitais que, além de serem os mais antigos da cidade, possuem um trabalho de preservação da memória institucional.

Na última semana já foi apresentado o trabalho do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa. Nesta semana (19) a palestra fica a cargo do hospital Moinhos de Vento, seguida por Sanatório Partenon, dia 26, uma palestra especial sobre o Patrimônio Cultural da Saúde em Porto Alegre, dia 09, Beneficência Portuguesa, dia 16, Parque Belém, dia 23, e São Pedro, dia 30, encerrando o ciclo.


Compartilhe:

16/03/2009 | Versão para Impressão

Próximo Sarau Lírico do Quintas no Museu será em 02 de abril

O próximo Sarau Lírico do Quintas no Museu, que acontece sempre na 1ª quinta-feira do mês na Sala Rita Lobato, será realizado no dia 02 de abril com a presença do barítono Carlos Rodriguez, acompanhado pelo pianista Leandro Faber. A iniciativa conta com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul.


Compartilhe:

30/03/2009 | Versão para Impressão

A memória dos hospitais de Porto Alegre em exposição - a partir de 27 de março

No aniversário de Porto Alegre o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) traz à luz a história de seis hospitais da cidade que possuem trabalhos de preservação da sua memória. Santa Casa de Misericórdia, Moinhos de Vento, Sanatório Partenon, São Pedro, Parque Belém e Beneficência Portuguesa são os hospitais que terão expostos, na Sala Rita Lobato do museu, documentos, fotos, objetos, livros e informações sobre sua história, que se confunde com a da Capital e daqueles que nasceram ou passaram por estes hospitais. Na oportunidade também será lançado o 1º Prêmio MUHM de Fotografia, que tem como tema "As Faces da Saúde". A inauguração acontece na próxima sexta-feira (27), às 18 horas, e fica aberta para visitação pública de 28 de março a 14 de junho de 2009, de terças a sextas-feiras das 11h às 19h, sábados, domingos e feriados das 14 às 19h. A entrada é gratuita. Agendamentos de grupos, escolas ou faculdades devem ser feitos pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br.

A mostra conta com materiais de todos os hospitais envolvidos, que vão desde pulmões que sofreram alterações e sequelas provocadas pela tuberculose (meados de 1940), do Sanatório Parque Belém, uma boneca usando hábito usado pelas primeiras diaconisas da Alemanha entre 1927 e 1973, do Hospital Moinhos de Vento, até um livro de visitas assinado pela Princesa Isabel, pertencente ao Hospital Psiquiátrico São Pedro. Materiais utilizados para o tratamento de tuberculose do Sanatório Partenon e a Ata de Fundação da Sociedade Portuguesa de Beneficência também integram a mostra.

Quintas no Museu
Durante os meses de março e abril acontece do ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais”, dentro do projeto Quintas no Museu. Cada semana será dedicada a uma instituição participante da mostra “Espaços de Saúde e Memória”.

Confira as datas do Ciclo de Palestras “Porto Alegre e seus Hospitais” - Quintas no Museu:
12.03 - Adriane Raimann - Centro Histórico-Cultural Santa Casa de Misericórdia
19.03 - Elizabeth Torresini - Hospital Moinhos de Vento
26.03 - Denise Soares Bastos - Hospital Sanatório Partenon
09.04 - Juliane Serres - Palestra especial: Patrimônio Cultural da Saúde de Porto Alegre
16.04 - Éverton Quevedo - MUHM / Hospital Beneficência Portuguesa
23.04 - Lúcia Souza Webster - Sanatório Belém
30.04 - Neuza Maria Barcelos e Edson Medeiros Cheuiche - Hospital Psiquiátrico São Pedro

Saraus Líricos
O próximo Sarau Lírico do Quintas no Museu, que acontece sempre na 1ª quinta-feira do mês na Sala Rita Lobato, será realizado no dia 02 de abril com a presença do tenor Carlos Rodriguez, acompanhado pelo pianista Leandro Faber. A iniciativa conta com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul.

Galeria de imagens

Inauguração

Espaços de Saúde e Memória Espaços de Saúde e Memória

Espaços de Saúde e Memória Espaços de Saúde e Memória

Exposição

Pulmões, Sanatório Parque Belém  Espaços de Saúde e Memória


Compartilhe:

24/03/2009 | Versão para Impressão

Sanatório Partenon no Ciclo Porto Alegre e seus Hospitais

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) traz, na próxima quinta-feira (26), dentro do ciclo de palestras “Porto Alegre e seus Hospitais”, a historiadora Denise Soares Bastos, do Hospital Sanatório Partenon. A iniciativa integra o projeto Quintas no Museu, que acontece todas as quintas-feiras às 18 horas na Sala Rita Lobato do MUHM (av. Independência, 270, prédio histórico da Beneficência Portuguesa). A palestra acontece às vésperas da inauguração da mostra “Espaços de Saúde e Memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre”.

Sucesso no último ano, o projeto traz palestrantes que apresentam temas ligados à história da medicina e da saúde, exceto na primeira quinta-feira do mês, dedicada a saraus líricos. O primeiro ciclo, “Porto Alegre e seus Hospitais”, comemora o aniversário da Capital e familiariza a comunidade com a mostra que inaugura na próxima sexta-feira, dia 27: “Espaços de Saúde e Memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre”. O MUHM fornecerá certificados de participação àqueles que tiverem 75% de presença nos ciclos.

De acordo com o diretor do MUHM, o historiador Éverton Quevedo, o projeto Quintas no Museu vai apostar, neste ano, na realização de ciclos. “Esperamos come esta atividade contribuir tanto com a comunidade quanto com o público acadêmico que necessita de formação complementar”, explica o diretor. Os ciclos previstos para 2009 preveem, ainda, temas como museus e turismo, pesquisa em medicina saúde, cinema e literatura – relacionando obras à medicina.

Porto Alegre
Durante os meses de março e abril, cada quinta-feira do ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” será dedicada a uma instituição. A primeira semana mostrou o trabalho do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa, em palestra da historiadora Adriane Raimann. Na última quinta-feira (19) a palestra ficou a cargo do hospital Moinhos de Vento, em palestra da historiadora Elizabeth Torresini.

Após a fala desta semana (dia 26) há uma pausa para o Sarau Lírico que acontece sempre na primeira quinta-feira do mês e, no dia 09, será realizada uma palestra especial sobre o Patrimônio Cultural da Saúde em Porto Alegre, com a historiadora Juliane C. Primon Serres.

No dia 16 de abril será apresentada a história da Beneficência Portuguesa, inclusive quanto ao trabalho de recuperação de documentos realizado em convênio com o MUHM. No dia 23 a palestrante Lúcia Souza Weber apresenta o trabalho realizado no Sanatório Parque Belém, e, no dia 30, Neuza Maria Barcelos e Edson Medeiros Cheuiche apresentam o Hospital Psiquiátrico São Pedro, encerrando o ciclo.


Compartilhe:

21/05/2009 | Versão para Impressão

1º Prêmio MUHM de Fotografia

PREMIO MUHM PRORROGADO


O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) está com inscrições abertas para o 1º Prêmio MUHM de Fotografia: As Faces da Saúde. O concurso premiará fotógrafos profissionais e amadores com registros sobre prédios de hospitais, centros e postos de saúde, atendimento médico, pacientes, entre outros, de todo o Brasil. O objetivo é instigar, a partir da fotografia, reflexões sobre a saúde, do ponto de vista da universalidade do acesso. Os trabalhos serão julgados por integrantes do MUHM, de seu mantenedor, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, e pelos fotógrafos Luiz Eduardo Achutti, Rogério Amaral Ribeiro e Felipe Henrique Gavioli. O valor da premiação, que será em dinheiro, por categoria e colocação, estão disponíveis no endereço www.muhm.org.br, assim como a ficha de inscrição, regulamento e demais informações.


Prorrogação


Documentos (em pdf):
Ficha de Inscrição
Regulamento
Cessão de Uso


OBSERVAÇÃO:
Os organizadores do Prêmio MUHM de Fotografia informam que o Regulamento do concurso sofreu pequenas alterações no início de maio que contemplam sugestões recebidas para melhorar alcance do próprio objetivo cultural do concurso no que diz respeito ao uso das imagens e direitos autorais, não tendo havido nenhuma modificação quanto às características, formatos e condições de envio de trabalhos, não prejudicando trabalhos que tenham sido enviados antes da alteração.
Porto Alegre, 13 de maio de 2009.


Baixe o cartaz abaixo para divulgar:

Cartaz Prêmio


Compartilhe:

03/04/2009 | Versão para Impressão

Camaquã recebe a mostra Retratos da Medicina

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugurou nesta terça-feira (31) à noite no município de Camaquã, a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra, que está no Centro Administrativo Municipal (avenida Olavo Moraes, 1070) fica aberta a visitação até 03 de maio, das 9h às 19h. A iniciativa é do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 25 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII, com o apoio das Delegacias Regionais do Sindicato. Em Camaquã a mostra conta ainda com o apoio da Prefeitura Municipal, Departamento Especial de Desenvolvimento, Núcleo de Pesquisas Históricas, UNIMED, CT Imagem e Radiare. A exposição chega a 2009 renovada pelas inclusões de informações sobre personagens que viveram nas cidades por onde a mostra passa. Outra novidade é um novo painel que permite aos visitantes assistir um vídeo sobre História da Medicina e ainda interagir com a mostra, utilizando em si mesmos os estetoscópios disponíveis na mostra.

Em Camaquã, com o apoio do Núcleo de Pesquisas Históricas, foram inseridos dois banners sobre três médicos que atuaram na cidade: Darcílio de Souza Garcia, João da Silva e Azevedo e José Domingues Carvalho Bastos.

Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina.

Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado. Em Camaquã foram inseridos dois painéis sobre médicos locais e fotos do hospital Nossa Senhora de Aparecida, em parceria com o Núcleo de Pesquisas Históricas da cidade.

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações de materiais, documentos, fotos e livros sobre a medicina. A Delegacia Regional do SIMERS em Camaquã doou um eletrocardiógrafo que era utilizado até por volta da década de 50, e o MD. Nino Garcia, filho do MD. Darcílio de Souza Garcia, retratado na mostra, procurou o museu para doar uma maleta pertencente a seu pai. Interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro.

Conheça mais sobre alguns médicos da cidade que estão presentes na mostra:

MD. Darcílio de Souza Garcia - Nasceu em Camaquã (RS) no dia 25 de fevereiro de 1903 na Estância da Lavoura. Era filho de Gabriel Francisco Garcia e de Dona Theodora Florença de Souza Garcia, ambos descendentes dos primeiros povoadores da referida localidade. Concluiu o curso primário no Colégio Elementar Sete de Setembro. Em seguida, matriculou-se no Ginásio Anchieta, em Porto Alegre, onde completou o curso preparatório para ingresso na Faculdade em 1930: neste ano prestou provas e, aos 28 anos, ingressava na Faculdade de Medicina de Porto Alegre, concluindo o curso no dia 12 de dezembro de 1936. Tornou-se o primeiro camaqüense a diplomar-se em medicina. Clinicou na então vila de Dom Feliciano, distrito de Encruzilhada do Sul. Exerceu suas atividades profissionais nesta comunidade por um período de 37 anos, falecendo no ano de 1974.

MD. João da Silva e Azevedo
- Nasceu em 14 de março de 1831, na cidade de Rio Grande. Em 1861, era Tenente Cirurgião-Mor do 6º Corpo de Cavalaria da Guarda Nacional, transferiu-se em 1865 para Camaquã, quando assumiu funções de responsável no  Serviço de Estatística. Foi também vereador entre 1881 e 1889, além de atuar em associações e irmandades religiosas. Proclamada a República, participou de uma comissão para administrar provisoriamente o município, órgão este que possuía as mesmas atribuições conferidas anteriormente às Câmaras Municipais durante o período imperial.


MD. José Domingues Carvalho Bastos - Nasceu em 27 de outubro de 1871, na cidade do Rio de Janeiro. Cursou medicina em sua terra natal e no ano de 1890, concluindo seus estudos na Escola de Farmácia de Ouro Preto, em Minas Gerais. A seguir ingressou no 35° Batalhão de Infantaria, sediado na Bahia, exercendo a profissão de Tenente-médico. Posteriormente Dr. Carvalho Bastos veio ao Rio Grande do Sul, acompanhando seu grupo militar, instalando-se no Município de São João Batista de Camaquã. Foi um dos primeiros médicos a residir na comunidade. Após desligar-se do exército, o médico igualmente passou a exercer a profissão de farmacêutico e dentista, com a autorização da Junta de Higiene do Estado. Carvalho Bastos também envolveu-se na política: na Revolução de 1893, ocupando o posto de major, serviu como farmacêutico das tropas do Partido Castilhista. Nos primeiros anos após 1889, já estabelecido o Regime Republicano brasileiro, foi secretario de governo na administração de Cristovão Gomes em Camaquã. Tornou-se novamente secretário na gestão do intendente de Manoel Crescêncio de Souza. No ano de 1917, assumiu esta intendência municipal em substituição a Cel. Lúcio Barbosa Meireles, exercendo novamente o cargo através de eleição em 1925. Em 1937, no governo de Boaventura Azambuja Centeno, foi eleito Presidente da Câmara de Vereadores.  Em 1938, assumiu mais uma vez o cargo de governante municipal. À frente da prefeitura, Bastos defendeu a obrigatoriedade do ensino, incentivando as famílias a matricularem seus filhos nas escolas; ampliou e renovou as vias de comunicação do município através de estradas e pontes; aumentou os salários dos servidores  públicos. Em 12 de outubro de 1943, aos 72 anos, faleceu na então denominada 1ª Zona de Camaquã. Em 24 de abril de 1956 foi criado o Grupo Escolar Dr. Carvalho Bastos, instalado em uma área antes pertencente ao homenageado. Por fim, próximo à Fazenda Santa Bárbara, cresceu a Vila que hoje leva seu nome.

Galeria de fotos

Painéis sobre Camaquã





Vista da Exposição




Representante da Delegacia Regional do SIMERS em Camaquã, Dr. Victor Hugo Ferrão, o Diretor do Museu de História da Medicina, Historiador Ms. Éverton Quevedo, a Diretora do SIMERS Dra. Ariadene Duarte, José Carlos Delfini, diretor representante da Unimed Centro Sul, e representando o prefeito municipal de Camaquã o Secretário Municipal de Administração Cláudio Osman Brochi da Silva



Compartilhe:

13/04/2009 | Versão para Impressão

Sarau Lírico traz barítono Carlos Rodriguez e pianista Leandro Faber

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) apresentou na última quinta-feira, 02 de abril, Sarau Lírico com o barítono Carlos Rodriguez e o pianista Leandro Faber, às 18 horas, no projeto Quintas no Museu. Os Saraus Líricos contam com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. Nas outras quintas-feiras do mês, acontecem ciclos de palestras com assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, além de sessões comentadas de filmes sobre história da Medicina. No programa do dia 02 do Sarau Lírico Quintas no Museu estavam obras de Cole Porter, Mitch Leigh, Tosti, De Curtis, M.Torroba, P.Sorozabal, entre outros.

Os eventos acontecem na sala Rita Lobato do MUHM, que fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A entrada é gratuita, e recomenda-se chegar mais cedo, pois os lugares são limitados. Há estacionamentos próximos ao local.


Carlos Rodriguez

Carlos RodriguezRadicado na Europa de 1997 a 2003, graduou-se e pós-graduou-se nos cursos de performance em Ópera e Música de Câmara no Conservatório Superior de Música de Maastricht, na Holanda e “Stage Training for Opera Singers” no Jeker Opera Studio, Holanda. Fez, também, master classes com Thomas Hampson (EUA), Luigi Alva (Peru) e Sir John Shirley-Quirck (Inglaterra), entre outros. Em 1999, foi semifinalista do Concurso Internacional de Canto Mozart em Salzburg, na Áustria; e, em 2003, ganhou o terceiro prêmio no Concurso Internacional de Canto Bidú Sayão  em Belém do Pará.

Na Europa, cantou nas óperas Angélique de J. Ibert (Charlot), Amahl and the Night Visitors de G. Menotti (Melchior), A Flauta Mágica (Papageno) e Carmen de G. Bizet (Dancaïre), entre outras. No Brasil, destacam-se Carmen (Dancaïre), no Theatro da Paz em Belém do Pará, Rigoletto (Marullo) e “Un Ballo in Maschera” (Silvano) ambas de G. Verdi, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em Porto Alegre, La Traviata (Germont) de G. Verdi, no StudioClio, O Empresário (Empresário) de W. A. Mozart, no Theatro São Pedro e A Boiúna (Tiago), no Teatro da OSPA. Seu repertório conta, também, com as seguintes obras: Carmina Burana de C. Orff, Ein deutsches Réquiem de J. Brahms, IX Sinfonia de L. van Beethoven, e Die Jahreszeiten de J. Haydn, entre outras. Em 2001, com a OSPA, fez a primeira gravação mundial da ópera A Boiúna. Em 2002, participou da gravação de Canções de Emergência no CD “Tudo Muda – A Música de Flávio Oliveira”, acompanhado ao piano pelo compositor. Em 2005, gravou um CD da “IX Sinfonia”  de L. van Beethoven, com a Orquestra Sinfônica de Sergipe sob a regência do maestro Ion Bressan. Nesse mesmo ano, foi fundador da Escola de Ópera dessa orquestra, orientando e coordenando solistas locais na preparação de performances. Em 2003, foi um dos fundadores do grupo Ópera de Bolso, apresentando a Flauta Mágica de W. A. Mozart nesse formato. Em 2006, ao lado da Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro, em Porto Alegre, fez a estréia mundial da obra Recorrências, de Flávio Oliveira, composta especialmente para sua voz. Em 2007, foi o curador da área de canto lírico do StudioClio. Seu mais recente trabalho foi o solo de barítono na superprodução da obra Carmina Burana, de Carl Orff, aclamado pelo público e a crítica, na abertura da temporada oficial 2008 do Teatro do SESI.


Leandro Menezes Faber

Leandro FaberBacharel em Música pela UFSM, instituição onde atuou como Professor de Piano e Acompanhamento,Análise Musical,História e Literatura do Piano,além de reger a Orquestra Sinfônica e o Grupo de Percussão desta Universidade.Camerista e Acompanhador ,realizou apresentações em várias cidades do Brasil,além de Argentina, Uruguai e Alemanha, onde aperfeiçoou-se na Escola Superior de Música de Karlsruhe.

Com mais de 1300 apresentações em seu currículo, tem participação em 9 Cd’s e atualmente rege quatro Corais na cidade de Santa Maria, e destaca-se na especialidade  Acompanhamento e Correpetição , nas gamas de instrumentos de cordas,madeiras, metais e percussão, assim como notadamente na área do canto lírico, na qual atua também como “adviser”, tendo recebido por isto Prêmio Especial no IV Concurso Internacional de Canto “Bidu Sayão”, onde dois de seus orientandos obtiveram premiações.










Veja como foi:








Compartilhe:

13/04/2009 | Versão para Impressão

Patrimônio Cultural da Saúde de Porto Alegre

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) traz, na próxima quinta-feira (09) dentro do ciclo de palestras “Porto Alegre e seus Hospitais” a historiadora Juliane Serres, que conclui na mesma semana doutorado pela Unisinos com trabalho sobre a história da hanseníase. Nesta quinta, porém, apresentará a fala “Patrimônio Cultural da Saúde de Porto Alegre”. A iniciativa integra o projeto Quintas no Museu, que acontece todas as quintas-feiras às 18 horas na Sala Rita Lobato do MUHM (av. Independência, 270, prédio histórico da Beneficência Portuguesa). O museu fornece certificados de participação. Os ciclos previstos para 2009 preveem, ainda, temas como museus e turismo, pesquisa em medicina saúde, cinema e literatura, sempre relacionando obras à medicina.

Juliane Serres está licenciada do MUHM desde novembro para cursar um segundo mestrado, agora em Museologia, pela Universidade de Granada, Espanha. A historiadora é também organizadora do livro “Instituições de Saúde de Porto Alegre”, junto com a Prof. Dra. Beatriz Teixeira Weber, publicado em 2008 pelo fundo editorial do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) com apoio da Fundação Oswaldo Cruz e da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). A publicação é um dos resultados do projeto Inventário Nacional do Patrimônio Cultural da Saúde, que propôs um amplo levantamento do patrimônio arquitetônico-histórico de hospitais e outras instituições de assistência médicas, assim como dos institutos de pesquisa científica organizados nos séculos XIX e XX, em seis capitais brasileiras.

Quintas no Museu
No dia 16 de abril será apresentada a história da Beneficência Portuguesa, inclusive quanto ao trabalho de recuperação de documentos realizado em convênio com o MUHM. No dia 23 a palestrante Lúcia Souza Weber apresenta o trabalho realizado no Sanatório Parque Belém, e, no dia 30, Neuza Maria Barcelos e Edson Medeiros Cheuiche apresentam o Hospital Psiquiátrico São Pedro, encerrando o ciclo.

Durante os meses de março e abril, cada quinta-feira do ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” está dedicada a uma instituição. A primeira semana mostrou o trabalho do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa, em palestra da historiadora Adriane Raimann. A segunda semana ficou a cargo do hospital Moinhos de Vento, em palestra da historiadora Elizabeth Torresini, e a terceira, dia 26, foi uma palestra da historiadora Denise Bastos, do Hospital Sanatório Partenon. Todas as falas foram gravadas para o projeto UNISIMERS, do Sindicato Médico do RS, e em breve serão disponibilizadas online.


Compartilhe:

13/04/2009 | Versão para Impressão

A Beneficência Portuguesa no Quintas no Museu

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) traz, na próxima quinta-feira (16) dentro do ciclo de palestras “Porto Alegre e seus Hospitais” a história do Hospital Beneficência Portuguesa e do trabalho de recuperação de documentos da instituição. Para apresentar esta trajetória foi convidado o presidente do Conselho Deliberativo da Beneficência Portuguesa Antônio Carlos Pereira de Souza. O diretor do MUHM, historiador Éverton Quevedo, falará sobre a documentação.

Antônio Carlos Pereira de Souza preside o Conselho Deliberativo da Beneficência Portuguesa desde 2007 – cargo que já ocupou entre 1990 e 1992 e de 1999 a 2003. Foi também presidente do Hospital de 1985 a 1989.

Já o historiador Éverton Quevedo, diretor do Museu de História da Medicina e Mestre em História pela PUCRS, falará sobre os avanços do projeto de recuperação de documentos do hospital e da sociedade em cujo prédio está sediado o MUHM. Mantido pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS), o museu foi inaugurado em outubro de 2007, e uma semana depois já assinou o convênio que conta ainda com a participação da UNISINOS e do Arquivo Histórico do RS.

A iniciativa integra o projeto Quintas no Museu, que acontece todas as quintas-feiras às 18 horas na Sala Rita Lobato do MUHM (av. Independência, 270, prédio histórico da Beneficência Portuguesa). O museu fornece certificados de participação. Os ciclos previstos para 2009 preveem, ainda, temas como museus e turismo, pesquisa em medicina saúde, cinema e literatura, sempre relacionando obras à medicina.

As próximas edições serão no 23, com a palestrante Lúcia Souza Weber apresentando o trabalho realizado no Sanatório Parque Belém, e, no dia 30, Neuza Maria Barcelos e Edson Medeiros Cheuiche apresentam o Hospital Psiquiátrico São Pedro, encerrando o ciclo.

Durante os meses de março e abril, cada quinta-feira do ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” está dedicada a uma instituição. A primeira semana mostrou o trabalho do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa, em palestra da historiadora Adriane Raimann. A segunda semana ficou a cargo do hospital Moinhos de Vento, em palestra da historiadora Elizabeth Torresini, e a terceira, dia 26, foi uma palestra da historiadora Denise Bastos, do Hospital Sanatório Partenon. No dia 09 foi a vez da historiadora Juliane Serres falar sobre o “Patrimônio Cultural da Saúde de Porto Alegre”. Todas as falas estão sendo gravadas para o projeto UNISIMERS, do SIMERS.


Compartilhe:

17/04/2009 | Versão para Impressão

O Sanatório Belém no Quintas no Museu do dia 23

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) traz, na próxima quinta-feira (23) às 18 horas dentro do ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” a palestra “Resgate do Centro de Estudos Dr. Antônio Cardoso Fontes e História da Tuberculose do Sanatório Belém”, com a diretora de Cultura do Centro, Lúcia Margarete Souza Webster. A palestrante é psicopedagoga pela Universidade de Passo Fundo (UPF), Especialista em Bibliotecas pela Universidade de Brasilia (UNB).

A iniciativa é gratuita e integra o projeto Quintas no Museu, que acontece todas as quintas-feiras na Sala Rita Lobato do MUHM (av. Independência, 270, prédio histórico da Beneficência Portuguesa). O museu fornece certificados de participação pra aqueles que tiverem 75% de presença. Os ciclos previstos para 2009 preveem, ainda, temas como museus e turismo, pesquisa em medicina saúde, cinema e literatura, sempre relacionando obras à medicina.

Durante os meses de março e abril, cada quinta-feira do ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” está dedicada a uma instituição. A primeira semana mostrou o trabalho do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa, em palestra da historiadora Adriane Raimann. A segunda semana ficou a cargo do hospital Moinhos de Vento, em palestra da historiadora Elizabeth Torresini, e a terceira, dia 26, foi uma palestra da historiadora Denise Bastos, do Hospital Sanatório Partenon. No dia 09 foi a vez da historiadora Juliane Serres falar sobre o “Patrimônio Cultural da Saúde de Porto Alegre”. Todas as falas estão sendo gravadas para o projeto UNISIMERS, do Sindicato Médico do RS. No dia 30, Neuza Maria Barcelos e Edson Medeiros Cheuiche apresentam o Hospital Psiquiátrico São Pedro, encerrando o ciclo.


Compartilhe:

28/04/2009 | Versão para Impressão

MUHM no Corredor Cultural Bom Fim

No último sábado (25) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) participou, das 10h às 18h, da Feira do Livro e da Cultura do Bom Fim (realizada no estacionamento do Memorial da Justiça do Trabalho no RS, rua Gal. João Telles, 369), com a participação de cerca de 20 instituições, entre museus, livrarias e centros culturais da região. A ocasião marcou o lançamento do Mapa Corredor Cultural Bom Fim, com a localização de todas as instituições envolvidas. O MUHM, além de divulgar o seu acervo e publicações na feira, ofereceu a oficina “As aventuras de Biblos – aprendendo a preservar”, sobre conservação e preservação de livros, para crianças e adultos presentes na feira.

Veja como foi:
 

 

 

 

Mapa do Corredor Cultural Bom Fim


Compartilhe:

04/05/2009 | Versão para Impressão

Sarau Lírico de maio já está definido

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) apresenta na primeira quinta-feira de maio, dia 07, Sarau Lírico com a soprano Cíntia de los Santos e o pianista Leandro Faber. Os Saraus Líricos contam com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical (AGCM), e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. Nas outras quintas-feiras do mês, acontecem ciclos de palestras com assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, além de sessões comentadas de filmes sobre história da Medicina. No programa do dia 07, músicas de George Gerschwin, Jerome Kern, Walter Gross, Hekel Tavares, Jayme Ovalle, Francisco Mignone  e Waldemar Henrique. A coordenação dos saraus é do MD. Aury Hilário, diretor-presidente da da AGCM.

Os eventos acontecem às 18h na sala Rita Lobato do MUHM, que fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A entrada é gratuita, e recomenda-se chegar mais cedo, pois os lugares são limitados, e a última edição lotou. Há estacionamentos próximos ao local.


Compartilhe:

13/05/2009 | Versão para Impressão

Rio Grande recebe a mostra Retratos da Medicina

Cartaz da mostra Retratos da Medicina em Rio GrandeO Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura na próxima terça-feira (05) às 18 horas no município de Rio Grande a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra acontece no Espaço Cultural Walter Renato Monteiro Badejo, Sobrado dos Azulejos (Mal. Floriano, 103, Centro) e ficará aberta a visitação de 06 a 22 de maio, de segunda a sexta-feira, das 13h30min às 18h. A iniciativa é do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 26 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII, com o apoio das Delegacias Regionais do Sindicato. Em Rio Grande a mostra conta ainda com o apoio do Sindicato Médico de Rio Grande, Prefeitura Municipal, Centro Municipal de Cultura Inah Emil Martensen, Unimed Litoral Sul e Unicred.

A exposição chega a 2009 renovada pelas inclusões de informações sobre personagens que viveram nas cidades por onde passa. Outra novidade é o painel que permite aos visitantes assistir um vídeo sobre História da Medicina e ainda interagir, utilizando em si mesmos os estetoscópios disponíveis na mostra.

Em Rio Grande os visitantes poderão conhecer biografias locais como a dos médicos Augusto Duprat, Antonio Maria da Costa Freitas, Mariano Cardozo Espíndola e Pio Ângelo da Silva, em pesquisa realizada pela equipe do MUHM com apoio de Aline Quiroga Neves, bacharel em História pela Furg e especialista em História do Rio Grande do Sul.

Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina.

Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações de materiais, documentos, fotos e livros sobre a medicina. Interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro.
Retratos da Medicina em Rio Grande
MUHM visita NUME-FURG


Compartilhe:

24/04/2009 | Versão para Impressão

São Pedro encerra Ciclo de Palestras sobre hospitais históricos de Porto Alegre

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) encerra na próxima quinta-feira (30) ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” com a palestra “Um pouco da história do Hospital Psiquiátrico São Pedro”, ministrada pela coordenadora do Serviço de Memória e Cultura da instituição, Neuza Maria Barcelos, e pelo historiador e pesquisador Edson Medeiros Cheuiche. A iniciativa é gratuita e integra o projeto Quintas no Museu, que acontece todas as quintas-feiras às 18 horas na Sala Rita Lobato do MUHM (av. Independência, 270, prédio histórico da Beneficência Portuguesa). O museu fornece certificados de participação pra aqueles que tiverem 75% de presença. O próximo ciclo inicia dia 14 de maio e será sobre Museu e Turismo. Os ciclos previstos para 2009 preveem, ainda, temas como pesquisa em medicina saúde, cinema e literatura.

Durante os meses de março e abril, cada quinta-feira do ciclo “Porto Alegre e seus Hospitais” foi dedicada a uma instituição. Todas as falas foram gravadas para o projeto UNISIMERS, do Sindicato Médico do RS, e em breve estarão disponíveis no site.
A primeira semana mostrou o trabalho do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa, em palestra da historiadora Adriane Raimann. A segunda semana ficou a cargo do hospital Moinhos de Vento, em palestra da historiadora Elizabeth Torresini, e a terceira, dia 26, foi uma palestra da historiadora Denise Bastos, do Hospital Sanatório Partenon.

No dia 09 foi a vez da historiadora Juliane Serres falar sobre o “Patrimônio Cultural da Saúde de Porto Alegre”. A história da Beneficência Portuguesa foi tema da quinta-feira do dia 16, apresentada pelo presidente do Conselho Deliberativo do hospital, Antônio Carlos Pereira de Souza, e pelo diretor do MUHM, o historiador Éverton Quevedo. No dia 23 a palestra foi sobre o Centro de Estudos do Sanatório Belém, e foi ministrada pela sua diretora de Cultura, a psicopedagoga Lúcia Souza Webster.


Compartilhe:

04/05/2009 | Versão para Impressão

Sarau Lírico do dia 07 traz Cíntia de los Santos e o pianista Leandro Faber

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) apresenta neste dia 07 de maio, primeira quinta-feira do mês, Sarau Lírico com a soprano Cíntia de los Santos e o pianista Leandro Faber. Os Saraus Líricos contam com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical (AGCM), e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. Nas outras quintas-feiras do projeto Quintas no Museu acontecem ciclos de palestras com assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, além de sessões comentadas de filmes sobre história da Medicina. No programa do sarau músicas de George Gerschwin, Jerome Kern, Walter Gross, Hekel Tavares, Jayme Ovalle, Francisco Mignone  e Waldemar Henrique, sob coordenação do MD. Aury Hilário, diretor-presidente da da AGCM.

Os eventos acontecem às 18h na sala Rita Lobato do MUHM, que fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A entrada é gratuita, e recomenda-se chegar mais cedo, pois os lugares são limitados, e a última edição lotou. Há estacionamentos próximos ao local.

Cíntia de los Santos

Cintia de Los SantosSoprano Lírico internacional, é natural de Porto Alegre. Graduada em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, dedica-se ao estudo e prática do Canto Lírico desde 1991. Seu repertório como performer é eclético e apresenta diversas formações: Canto e Piano, Canto e Grupos de Câmara, Canto e Orquestra de Câmara, Canto e Orquestra Sinfônica, Canto e Orquestra de Sopros. Em 2002 gravou, na França, o cd “Eternal Source”. Foi a primeira soprano brasileira a solar, em 2003, árias de “O Messias” de Haendel na Sala de Concertos da Cidade Proibida de Pequim, China, onde também residiu. Realizou ainda obras sob a regência do maestro inglês Nicholas Smith e da Companhia de Ópera da Mississipi Symphony Orchestra, entre outros trabalhos.

Leciona técnica vocal para Canto Erudito e Popular em seu espaço próprio e na escola “Espaço de Criação Musical” em Porto Alegre. Atualmente é professora de técnica vocal dos Corais da UFRGS e Petrobras, e coordena o programa “Erudito” da rádioweb de Porto Alegre.

Leandro Menezes Faber


Leandro FaberBacharel em Música pela UFSM, instituição onde atuou como Professor de Piano e Acompanhamento,Análise Musical,História e Literatura do Piano,além de reger a Orquestra Sinfônica e o Grupo de Percussão desta Universidade.Camerista e Acompanhador ,realizou apresentações em várias cidades do Brasil,além de Argentina, Uruguai e Alemanha, onde aperfeiçoou-se na Escola Superior de Música de Karlsruhe.

Com mais de 1300 apresentações em seu currículo, tem participação em 9 Cd’s e atualmente rege quatro Corais na cidade de Santa Maria, e destaca-se na especialidade  Acompanhamento e Correpetição , nas gamas de instrumentos de cordas,madeiras, metais e percussão, assim como notadamente na área do canto lírico, na qual atua também como “adviser”, tendo recebido por isto Prêmio Especial no IV Concurso Internacional de Canto “Bidu Sayão”, onde dois de seus orientandos obtiveram premiações.


Compartilhe:

04/05/2009 | Versão para Impressão

MUHM participa da X Mostra Conjunta de Museus da 1ª Região

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) é uma das instituições que integram a X Mostra Conjunta de Museus, que estará aberta à visitação de 05 a 25 de maio no Memorial do Rio Grande do Sul (rua Sete de Setembro, 1020, Praça da Alfândega, Porto Alegre). A iniciativa é da 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus (SEM/RS), que engloba museus de Porto Alegre, Região Metropolitana, Carbonífera e Litoral Norte. A coordenação atual é do diretor do MUHM, historiador Éverton Quevedo, e da também historiadora Adriane Raimann, do Centro-Histórico Cultural Santa Casa. A mostra pode ser visitada de terças a sábados das 10h às 18h, com a presença de mediadores.
 
Entre as instituições que levaram objetos, além do MUHM, estão o Centro Histórico-Cultural Santa Casa, Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS, Memorial da Justiça do Trabalho, Museu Histórico Visconde de São Leopoldo, Museu de Ciências Naturais da Fundação Zoobotânica do RS, Museu de Geologia do CPRM, Memorial do Sport Club Internacional, Museu da Moeda, Museu Anchieta de Ciências Naturais, Museu e Arquivo Histórico La Salle, Museu Hugo Simões Lagranha e Casa Costa e Silva. Cada instituição leverá objetos, documentos e informações sobre a sua instituição com o intuito de divulgar o seu acervo a uma parcela ainda maior da população. É o caso do aparelho de retoscopia utilizado na década de 30 que o Museu de História da Medicina levará para a mostra.

A X Mostra da 1ª Região acontece no mês dedicado aos museus, que tem no dia 18 de maio a sua data máxima internacional. No Brasil a maioria das comemorações está centralizada entre os dias 17 e 23 de maio, quando acontece a Semana Nacional de Museus promovida pelo Departamento de Museus e Centros Culturais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Demu/Iphan).

X Mostra da 1ª Região


Compartilhe:

13/05/2009 | Versão para Impressão

Ciclo Museus e Turismo no Quintas no Museu traz historiador Benito Schmidt

Quintas no MuseuO Quintas no Museu da próxima quinta-feira (14) dá início ao ciclo Museus e Turismo e traz o historiador Benito Bisso Schmidt, diretor do Memorial da Justiça do Trabalho do RS para falar sobre o Corredor Cultural Bom Fim, mais novo roteiro turístico e cultural de Porto Alegre. A programação está integrada também na Semana Nacional de Museus que acontece de 17 a 23 de maio em todo o Brasil. Benito Bisso Schmidt é também professor do Departamento e do PPG em História da UFRGS, graduado e Mestre em História pela UFRGS e Doutor em História pela UNICAMP.

De maio a junho serão abordados diferentes tipos de roteiros culturais e de estratégias turísticas de museus que atuam em diferentes segmentos, como memoriais e ecomuseus. A primeira palestra abordará a organização de museus em torno de um mesmo objetivo, como aconteceu com o Corredor Cultural Bom Fim, lançado no final de abril último com feira do livro e atrações culturais no estacionamento do Memorial da Justiça do Trabalho.

O Corredor Cultural envolve 20 instituições entre museus, centros culturais e livrarias, e tem como objetivo integrar essas instituições promovendo atividades comuns e dar maior visibilidade a estas ações. Um dos resultados foi o lançamento do Mapa do Corredor, que ajuda o turista a percorrer e encontrar informações sobre a vida cultural do bairro.

O projeto Quintas no Museu se consolidou no ano passado e voltou em 2009 enriquecido, apostando em Saraus Líricos mensais e em ciclos de palestras, que foram sucesso de público, fornecendo certificados de participação e aproveitando melhor a Sala Rita Lobato. O primeiro ciclo aconteceu de março a abril e abordou os Hospitais Históricos de Porto Alegre.


Programa de Maio e Junho do Quintas no Museu


Compartilhe:

13/05/2009 | Versão para Impressão

Lançamento do Catálogo do MUHM marca Dia Internacional dos Museus e 78 anos do SIMERS

Na próxima segunda-feira (18) será lançado o Catálogo do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), marcando o Dia Internacional dos Museus e as comemorações dos 78 anos do Sindicato Médico do RS (SIMERS), mantenedor do museu. O catálogo tem a apresentação feita pelo ministro da Saúde José Gomes Temporão e patrocínio da Unicred. O evento acontece às 18 horas na sede do MUHM, na Avenida Independência, 270.

Segundo o diretor do museu, o historiador Éverton Quevedo, este é o primeiro catálogo publicado pelo MUHM, que traz a público parte de seu acervo. “O museu já soma mais de 10 mil documentos, 5 mil livros e 2 mil peças, e o catálogo, na medida em que é um instrumento de pesquisa, facilita o trabalho de quem estuda a História da Medicina”, relata o diretor. O catálogo, de acordo com o historiador, apresenta uma seleção deste acervo que é dividida entre os capítulos Anatomia e Fisiologia Humana; Medicina de Laboratório, Microscopia; Semiologia, a arte de diagnosticar; Terapêuticas; Medicamentos; Cirurgia; Instituições e Ensino; e Medicina local.

O historiador acrescenta que a data do lançamento também é histórica, pois além de ser o Dia Internacional dos Museus, faz parte das comemorações dos 78 anos do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, um dos mais antigos do país e grande responsável, desde a sua fundação, por lutar por melhores condições no atendimento médico. “Antes da constituição do Sindicato Médico, havia uma liberdade profissional no Estado que permitia que mesmo quem não tivesse formação em Medicina exercesse a profissão, colocando em risco a saúde da população”, exemplifica o diretor.



Catálogo



Compartilhe:

01/06/2009 | Versão para Impressão

Santa Vitória do Palmar recebe a mostra Retratos da Medicina

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugurou nesta terça-feira (26) no município de Santa Vitória do Palmar a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra fica aberta a visitação no Museu Cel. Tancredo Fernandes de Mello (Rua Barão do Rio Branco, 467) até 20 de junho, de segunda a sábado, das 9h às 11h30 e das 13h às 18h30min. A iniciativa é do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 27 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII, com o apoio das Delegacias Regionais do Sindicato. Em Santa Vitória do Palmar a mostra conta ainda com o apoio da Secretaria de Esporte, Cultura e Turismo.
 
Durante o ato de inauguração, que contou com a presença do diretor do MUHM e historiador Éverton Quevedo e da médica e diretora do SIMERS Ariadene Duarte, foi realizada ainda uma homenagem, conduzida pelos médicos José Paulo Rotuno e Umberto de Oliveira Nunes, respectivamente diretor e delegado regional do Sindicato Médico, aos três mais antigos médicos em atividade no município, os MDs. Carlos Florio Rotuno, Elcy Mendonça Rodrigues e Luiz Carlos Scherer. A convite do MD. José Paulo Rotuno o professor Homero Rodrigues fez uma apresentação relacionando a itinerância da exposição às origens históricas da cidade. O vice-prefeito Eduardo Morroni e o secretário de Esporte, Cultura e Turismo Quininho Dornelles também se pronunciaram.

Retratos da Medicina em Santa Vitória do Palmar

 

Segundo Éverton Quevedo a exposição chega a 2009 renovada pelas inclusões de informações sobre personagens que viveram nas cidades por onde passa. "Uma das novidades é o painel que permite aos visitantes assistir um vídeo sobre História da Medicina e ainda interagir, utilizando em si mesmos os estetoscópios disponíveis na mostra", explica o diretor do MUHM.
Em Santa Vitória do Palmar os visitantes poderão conhecer biografias locais como a dos médicos Osmarino de Oliveira Terra, Francisco Osvaldo Anselmi e Alipio Santiago Corrêa, além de informações sobre a Santa Casa de Misericórdia.

Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina.

Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações de materiais, documentos, fotos e livros sobre a medicina. Interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro.

Veja fotos do evento

Retratos da Medicina em Santa Vitória do Palmar


Compartilhe:

19/05/2009 | Versão para Impressão

Programa Viva o Centro no Ciclo Museus e Turismo desta quinta

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) dá segmento nesta quinta-feira (21) ao Ciclo Museus e Turismo, integrado à 7ª Semana Nacional de Museus e que segue por todo o mês de maio e junho. As palestras acontecem às quintas-feiras, às 18 horas, na Sala Rita Lobato, na avenida Independência, 270, Centro de Porto Alegre. A entrada é gratuita e o museu fornece certificados às pessoas que comparecerem a 75% do ciclo, em especial para estudantes que precisem comprovar horas em atividades complementares. O palestrante desta semana é o arquiteto Glênio Bohrer, coordenador do projeto Viva o Centro e Gerente do Programa Cidade Integrada da Prefeitura de Porto Alegre. 

O projeto Quintas no Museu se consolidou no ano passado e voltou em 2009 enriquecido, apostando em Saraus Líricos mensais e em ciclos de palestras, que foram sucesso de público, fornecendo certificados de participação e aproveitando melhor a Sala Rita Lobato. O primeiro ciclo aconteceu de março a abril e abordou os Hospitais Históricos de Porto Alegre. De maio a junho serão abordados diferentes tipos de roteiros culturais e de estratégias turísticas de museus que atuam em diferentes segmentos, como memoriais e ecomuseus.

Glênio Vianna Bohrer

Arquiteto, graduado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 1986, mestre em Arquitetura pelo PROPAR-UFRGS em1997, é professor Assistente da Faculdade de Arquitetura desta universidade desde 1995, atuando nas disciplinas de Projeto Arquitetônico VI e Trabalho Final de Graduação. É arquiteto da Secretaria do Planejamento Municipal da Prefeitura de Porto Alegre desde 1992, aonde respondeu pelos cargos de Coordenador de Projetos Especiais e Supervisor de Desenvolvimento Urbano, atuando na elaboração de projetos urbanos e nos processos de elaboração e revisão do Plano Diretor de 1999. Foi coordenador adjunto do Escritório de Projetos da Secretaria de Obras do Estado entre 1990 e 1992. Atualmente é Coordenador do Projeto Viva o Centro e Gerente do Programa Cidade Integrada, da Prefeitura de Porto Alegre. Entre outras publicações é co-autor do livro “Arquiteturas Cisplatinas” (Porto Alegre, 2004), com Carlos Eduardo Comas e Ana Paula Cannez.

PROGRAMAÇÃO DO CICLO MUSEUS E TURISMO

MAIO

14 de maio - Tema: Corredor Cultural Bom Fim
Benito Bisso Schmidt, Diretor do Memorial da Justiça do Trabalho do RS

21 de maio - Tema: Centro Histórico de Porto Alegre
Glênio Bohrer, Coordenador do Programa Viva o Centro

28 de maio - Tema: GRE-NAL de Museus - Turismo e Copa do Mundo 
Dânia Moreira, Diretora do Museu do Internacional e Ema Coelho, Diretora do Memorial do Grêmio

JUNHO - no dia 04 de junho é dia de Sarau Lírico e no feriado o museu abre mas não há palestra

18 de junho - Tema: Museus e as cidades
Luis Gustavo Silva, Coordenador do curso de Hotelaria da PUCRS

25 de junho-  Tema: Ecomuseus
Nadja da Silva Oliveira, Professora do curso de Turismo da Universidade Metodista de São Paulo

Mais informações pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br.

 


Programa de Maio e Junho do Quintas no Museu



Compartilhe:

28/05/2009 | Versão para Impressão

Gre-Nal de Museus no ciclo Museus e Turismo desta semana

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) dá segmento nesta quinta-feira (28) ao Ciclo Museus e Turismo, que segue por todo o mês de maio e junho. As palestras acontecem às quintas-feiras, às 18 horas, na Sala Rita Lobato, na avenida Independência, 270, Centro de Porto Alegre. A entrada é gratuita e o museu fornece certificados de participação. Nesta semana a atração é o "Gre-Nal de Museus", onde serão expostos os trabalhos do memorial e museu do Grêmio Futebol Porto-Alegrense e Sport Club Internacional de Porto Alegre.

O tema abordado pela Diretora Dânia Moreira e pelo curador do Museu do Internacional Nico Rocha e pela Diretora do Memorial do Grêmio Ema Coelho passará pelo tema Turismo e Copa do Mundo e também pelo projeto Futebol Tur, que a dupla formalizou neste ano para viabilizar visitas aos estádios e fortalecer o turismo. Hotéis são estimulados a informar aos hóspedes a possibilidade do passeio e ajudam a divulgar a história de conquistas dos dois clubes. Além disso, é mais uma demonstração da infraestrutura de Porto Alegre para receber a Copa do Mundo. O funcionamento e os projetos de modernização dos dois espaços de memória institucional dos clubes também serão apresentados aos participantes do evento.


PROGRAMAÇÃO DO CICLO MUSEUS E TURISMO

MAIO

14 de maio - Tema: Corredor Cultural Bom Fim
Benito Bisso Schmidt, Diretor do Memorial da Justiça do Trabalho do RS

21 de maio - Tema: Centro Histórico de Porto Alegre
Glênio Bohrer, Coordenador do Programa Viva o Centro

28 de maio - Tema: GRE-NAL de Museus - Turismo e Copa do Mundo 
Dânia Moreira, Diretora do Museu do Internacional e Ema Coelho, Diretora do Memorial do Grêmio

JUNHO - no dia 04 de junho é dia de Sarau Lírico e no feriado o museu abre mas não há palestra

18 de junho - Tema: Museus e as cidades
Luis Gustavo Silva, Coordenador do curso de Hotelaria da PUCRS

25 de junho-  Tema: Ecomuseus
Nadja da Silva Oliveira, Professora do curso de Turismo da Universidade Metodista de São Paulo

Mais informações pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br.

 


Programa de Maio e Junho do Quintas no Museu



Compartilhe:

19/05/2009 | Versão para Impressão

X Mostra de Museus entra na última semana

Segue no Memorial do Rio Grande do Sul (rua Sete de Setembro, 1020, Praça da Alfândega, Porto Alegre) a X Mostra Conjunta de Museus da 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus. O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) é uma das instituições que integram a exposição, que pode ser visitada de terças a sábados das 10h às 18h, com a presença de mediadores até 25 de maio. A 1ª Região Museológica engloba museus de Porto Alegre, Região Metropolitana, Carbonífera e Litoral Norte. A coordenação atual é do diretor do MUHM, historiador Éverton Quevedo, e da também historiadora Adriane Raimann, do Centro-Histórico Cultural Santa Casa.  
 
Entre as instituições que levaram objetos, além do MUHM, estão o Centro Histórico-Cultural Santa Casa, Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS, Memorial da Justiça do Trabalho, Museu Histórico Visconde de São Leopoldo, Museu de Ciências Naturais da Fundação Zoobotânica do RS, Museu de Geologia do CPRM, Memorial do Sport Club Internacional, Museu da Moeda, Museu Anchieta de Ciências Naturais, Museu e Arquivo Histórico La Salle, Museu Hugo Simões Lagranha e Casa Costa e Silva. Cada instituição leverá objetos, documentos e informações sobre a sua instituição com o intuito de divulgar o seu acervo a uma parcela ainda maior da população. É o caso do aparelho de retoscopia utilizado na década de 30 que o Museu de História da Medicina levará para a mostra.

A X Mostra da 1ª Região acontece no mês dedicado aos museus, que tem no dia 18 de maio a sua data máxima internacional. No Brasil a maioria das comemorações está centralizada entre os dias 17 e 23 de maio, quando acontece a Semana Nacional de Museus promovida pelo Departamento de Museus e Centros Culturais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Demu/Iphan).

X Mostra da 1ª Região



Compartilhe:

19/05/2009 | Versão para Impressão

Catálogo do MUHM é lançado em dia festivo para museus e medicina gaúcha

Foi lançada na noite desta segunda-feira (18) o Catálogo do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), marcando o Dia Internacional dos Museus e as comemorações dos 78 anos do Sindicato Médico do RS (SIMERS), mantenedor do museu. O catálogo tem a apresentação feita pelo ministro da Saúde José Gomes Temporão, e segundo o diretor do museu, o historiador Éverton Quevedo, este é o primeiro catálogo publicado pelo MUHM, que traz a público parte de seu acervo. “O museu já soma mais de 10 mil documentos, 5 mil livros e 2 mil peças, e o catálogo, na medida em que é um instrumento de pesquisa, facilita o trabalho de quem estuda a História da Medicina”, relata o diretor.

Durante a solenidade o MD. Léo Airton Trombka, diretor-presidente da UNICRED, patrocinadora do catálogo, salientou o crescimento do museu ao longo dos anos e a parceria que vem se estabelecendo nesse período, em Porto Alegre e também em cidades do Interior por onde passa a mostra itinerante do MUHM. O diretor do museu, o historiador Éverton Quevedo, e a diretora do SIMERS MD. Ariadene Duarte, também falaram da trajetória do museu e da aposta do Sindicato Médico na cultura, fruto da visão do presidente do SIMERS, MD. Paulo de Argollo Mendes, idealizador e incentivador do museu. A cerimônia contou com a presença de representantes de diversos segmentos da sociedade: médicos, entidades museológicas, eclesiásticas e políticas prestigiaram o evento.    

O catálogo do MUHM apresenta uma seleção do acervo dividida entre os capítulos Anatomia e Fisiologia Humana; Medicina de Laboratório, Microscopia; Semiologia, a arte de diagnosticar; Terapêuticas; Medicamentos; Cirurgia; Instituições e Ensino; e Medicina local.  Museus e universidades estão entre as instituições que podem solicitar o catálogo. Para o público em geral o catálogo estará disponível para compra na lojinha do museu. 

Veja mais:
Catálogo do MUHM



Compartilhe:

02/06/2009 | Versão para Impressão

Sarau Lírico de junho traz os músicos Pedro Szobot e Elda Pires

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) apresenta na primeira quinta-feira de junho (04) Sarau Lírico com os músicos Pedro Szobot e Elda Pires, que apresentarão um recital dividido em árias de óperas e canções napolitanas. Os Saraus Líricos acontecem sempre na 1ª quinta-feira do mês dentro do projeto Quintas no Museu, com eventos realizados sempre às 18 horas na sala Rita Lobato do MUHM, que fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A entrada é gratuita, e recomenda-se chegar cedo, pois os lugares são limitados, e as últimas edições lotaram. Há estacionamentos próximos ao local.

Os saraus contam com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. Nas outras quintas-feiras acontecem ciclos de palestras com assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, além de sessões comentadas de filmes sobre história da Medicina. O ciclo atual é Museus e Turismo, que terá ainda duas palestras no mês, nos dias 18 e 25 (no feriado do dia 11 não haverão palestras).

Programa de 04 de junho:

ÓPERAS

1) ELISIR D'AMORE (Una furtiva lacrima) Autor: Gaetano Donizetti
2) MANON LESCAUT (Donna non vidi mai) Autor: Giacomo Puccini
3) WERTHER (Pourquoi me réveiller) Autor: Jules Massenet
4) TOSCA (E lucevan le stelle) Autor: Giacomo Puccini
5) TURANDOT (Nessun dorma) Autor: Giacomo Puccini

NAPOLITANAS
 
1) (Torna a Surriento) Autor: De Curtis
2) (Santa Lucia) Autor: Teodoro Cottrau
3) (Core n'grato) Autor: Cardillo
4) (Mamma) Autor: Bixio
5) (Mattinata) Autor : Leoncavallo


PEDRO SZOBOT

Tenor Pedro Szobot
Natural de Porto Alegre, o tenor Pedro Szobot iniciou seus estudos de canto com o professora Lory Keller no ano de 2000. Em 2004 passou a integrar o coro sinfônico da OSPA. Desde então, tem se apresentado também como solista nas principais casas de espetáculo de Porto alegre e do Estado, assim como suas orquestras: OSPA, UCS, ULBRA e Teatro São Pedro. No ano de 2005, apresentou com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA) a Missa Solene de Santa Cecília de Gounod, Missa da Coroação de Mozart e também o Réquiem do mesmo compositor. No ano de 2007, participou do VIII Concurso Internacional de Canto Maria Callas, no qual concorreu com 87 candidatos nas cidades de São Paulo e Jacareí, do qual foi finalista e vencedor do Prêmio de Melhor Intérprete de Mozart. Participou, ainda em 2007, das montagens da ópera Elisir d’ Amore, no papel de Nemorino, em forma de ópera de bolso em Porto Alegre e no interior do Estado. Em 2008, foi bolsista no masterclass realizado pelo tenor espanhol Jaume Aragall na cidade de São Paulo. Também em 2008 participou, como solista, da Grande Missa em Dó menor de Mozart com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA) e com a Orquestra Sinfônica de Caxias do Sul (UCS). É formado em canto pelo Conservatório Musical Pablo Komlós sob orientação do professor Decápolis de Andrade e, atualmente, cursa Licenciatura em Música no Centro Universitário Metodista IPA. Em seu vasto repertório constam peças de compositores como: C. Gounod, W.A. Mozart, G. Puccini, F. Ciléa, G. Verdi, G. Donizetti, G. F. Haendel, G. Bizet, entre outros.
Já trabalhou com renomados maestros como: Manfredo Schmiedt, Túlio Belardi, Tiago Flores, Antônio Carlos Borges Cunha, Isaac Karabtchevsky e Ronel Alberti da Rosa. Atualmente continua seus estudos musicais com o tenor Decápolis de Andrade.


ELDA MARIA DE QUADROS PIRES

Pianista Elda Pires
Elda Pires iniciou seus estudos de Piano em 1956 em Dom Pedrito, sua terra natal. Em 1967 transferiu-se para Porto Alegre, estudando Teoria e Percepção Musical, Harmonia e História da Música com Oscar Zander e Piano com Telmo Locatelli. Em 1972 ingressou no Instituto de Artes da UFRGS, no Curso de Bacharelado em Piano, tendo como professora Norma Bojunga. Em 1974 iniciou o estudo de Flauta Doce, no mesmo Instituto com Isolde Mohr Frank. Paralelamente a estes estudos, participou de cursos com Roberto Szidon, Homero Magalhães, Sebastian Benda, Clara Sverner, João Carlos Assis Brasil e Helder Parente. Tem participado de vários Encontros e Seminários tais como: Encontros de Música Antiga em Curitiba, Seminários de Arte-Educação em Montenegro, VIII Sommer Akademie de Piano em Konz, Alemanha, etc. Em 1971 lecionou Piano na Escola Superior de Música de Blumenau. De 1977 a 1980 ministrou aulas de Flauta Doce no Curso de Extensão e posteriormente no Projeto Prelúdio, ambos da UFRGS. De 1977 a 1995 integrou o corpo docente da Fundação Municipal de Artes de Montenegro, ministrando aulas de piano e flauta doce. Tem participado como professora em diversos cursos e também como jurada em concursos. Participou de sete discos: em 1977, “Música Renascentista”, com o Conjunto de Câmara de Porto Alegre; em 1983, “Cantate”, Com o Coral Luterano de Porto Alegre, sob a direção de Hans Rothmann; em 1985, “Homenagem aos 300 anos de nascimento de J.S. Bach” com a Orquestra de Câmara da OSPA sob a regência de Léo Fuhr; em 1995,  “Erudito I”, da série A Música de Porto Alegre, com a soprano Carla Maffioletti e coordenação musical de Flávio Oliveira; em 1999, “Cantares”, com a mezzo-soprano Ângela Diel; em 2000, “Cantando ao Por-doSol” com o Coral Moinhos de Vento regido por Lúcia Teixeira e em 2003 Recital de Canto e Piano com a mezzo-soprano Ângela Diel, gravado ao vivo no Conservatório Milton de Lemos em Pelotas, RS. Em 1979 apresentou-se como solista com a Orquestra de Câmara da OSPA sob a regência de Isaac Karabchevsky. Tem-se apresentado em recitais como pianista acompanhadora com diversos artistas em Porto Alegre, no interior do Estado, São Paulo, Curitiba, Sta. Catarina, Fortaleza, Estados Unidos e Alemanha. Atuou como pianista acompanhadora da Escola de Música da OSPA, de 1999 a 2004. Atualmente ministra aulas particulares de piano e acompanha cantores e instrumentistas, em sua maioria estudantes da UFRGS e profissionais.


Compartilhe:

29/05/2009 | Versão para Impressão

MUHM participa de programação cultural de Guaíba

O historiador Éverton Quevedo, diretor do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), foi convidado pelo Museu Municipal Carlos Nobre, de Guaíba, a integrar os eventos comemorativos do município em homenagem ao Dia Internacional de Museus. A participação aconteceu na última quarta-feira (27) à noite e teve como tema “O acervo do MUHM para a Pesquisa em História e Saúde”. A programação oficial contou ainda com palestras sobre o museu-sede dos eventos e do Memorial do RS.

Veja como foi:
MUHM participa de evento no Museu Carlos Nobre


Compartilhe:

01/06/2009 | Versão para Impressão

Últimos dias para inscrever-se no 1º Prêmio MUHM de Fotografia

 PREMIO MUHM PRORROGADO


O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) prorrogou até 05 de junho as inscrições para o 1º Prêmio MUHM de Fotografia: As Faces da Saúde, que encerrariam dia 25 de maio. O concurso premiará fotógrafos profissionais e amadores com registros sobre prédios de hospitais, centros e postos de saúde, atendimento médico, pacientes, entre outros, de todo o Brasil. O objetivo é instigar, a partir da fotografia, reflexões sobre a saúde, do ponto de vista da universalidade do acesso. Os trabalhos serão julgados por integrantes do MUHM, de seu mantenedor, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, e pelos fotógrafos Luiz Eduardo Achutti, Rogério Amaral Ribeiro e Felipe Henrique Gavioli. O valor da premiação, que será em dinheiro, por categoria e colocação, estão disponíveis no endereço www.muhm.org.br, assim como a ficha de inscrição, regulamento e demais informações.

Os organizadores do Prêmio MUHM de Fotografia informam que o Regulamento do concurso sofreu pequenas alterações no início de maio que contemplam sugestões recebidas para melhorar alcance do próprio objetivo cultural do concurso no que diz respeito ao uso das imagens e direitos autorais, não tendo havido nenhuma modificação quanto às características, formatos e condições de envio de trabalhos, não prejudicando trabalhos que tenham sido enviados antes da alteração.



Prorrogação


Documentos (em pdf):
Ficha de Inscrição
Regulamento
Cessão de Uso


Baixe o cartaz abaixo para divulgar:

Cartaz Prêmio


Compartilhe:

08/06/2009 | Versão para Impressão

Participações especiais marcam Sarau Lírico de junho

O Sarau Lírico de junho no MUHM contou com a presença do tenor Pedro Szobot e da pianista Elda Pires, que apresentaram um recital dividido em árias de óperas e canções napolitanas. Com músicas conhecidas do grande público, o sarau esquentou a noite fria de quinta-feira, encerrada com uma apresentação de “O Sole mio” em grande estilo, com a participação do MD. Aury Hilário e do professor Decápolis de Andrade.

Os Saraus Líricos acontecem sempre na 1ª quinta-feira do mês dentro do projeto Quintas no Museu, com eventos realizados sempre às 18 horas na sala Rita Lobato do MUHM, que fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A iniciativa tem apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. Nas outras quintas-feiras acontecem ciclos de palestras com assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, além de sessões comentadas de filmes sobre história da Medicina. O ciclo atual é Museus e Turismo, que terá ainda duas palestras no mês, nos dias 18 e 25 (no feriado do dia 11 não haverá palestra).

Sarau Lírico de junho


Compartilhe:

08/06/2009 | Versão para Impressão

Visita técnica do curso de Expografia ao MUHM

Na última quinta e sexta-feira o MUHM recebeu a professora Marília Xavier Cury e a turma de profissionais e estudantes de museologia que realizaram, de 03 a 05 de junho, o curso de Expografia, oferecido pelo Sistema Estadual de Museus em conjunto com a 1ª Região Museológica. O MUHM foi escolhido, junto com o Museu da UFRGS, para a visita técnica do curso, visando exemplificar na prática os conteúdos vistos nas aulas.

 

Durante a visita o MUHM foi bastante elogiado, em especial pela capacidade de aproveitamento do espaço, que apresenta uma sala multifuncional – a Sala Rita Lobato – capaz de receber exposições, saraus, palestras, turmas de estudantes universitários e até de educação infantil com realização de oficinas, além de abrigar uma biblioteca de consulta local com livros raros e de especialidades médicas.

Visita Técnica Curso de Expografia


Compartilhe:

09/06/2009 | Versão para Impressão

MUHM lança Biblos, livro-personagem que ensina preservação

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) lançou a publicação “As aventuras de Biblos: Aprendendo a preservar”, livro-personagem que conta as agruras de ser um livro mal cuidado e a felicidade de receber o tratamento adequado, ensinando as crianças que ouvem sua história a preservar livros e documentos. É uma oficina oferecida em forma de contação de histórias pelo MUHM, elaborada em conjunto com estagiários do curso de História da UFRGS e equipe do Setores Educativo e de Acervo Bibliográfico do Museu.

 

O texto é dos estagiários de História Daniela de Lima Soares, Diego Devincenzi Fabiana Nunes da Silva, da equipe do MUHM, da técnica em Bibloteconomia do museu Érika Alíbio, dos estagiários-voluntários do curso de História da UFRGS Gabrielle Werenicz, Maurício Borsa e Marjorie De Nardi Ramos. O também aluno da UFRGS Luciano Thomé fez as ilustrações. O trabalho foi coordenado pelo setor Educativo, que à época tinha à frente a historiadora Daniela Vallandro de Carvalho e hoje a tem a historiadora Sherol dos Santos. O trabalho aconteceu entre as gestões dos diretores Juliane Serres e o atual Éverton Quevedo.

 

Na última semana, alunos da Escola Raul Pilla (justamente um médico) estrearam uma novidade: agora, além de ouvir a história, levam o Biblos livreto para casa. O Sindicato Médico do RS, mantenedor do museu, custeou a iniciativa.

 

O MUHM não só realiza esta e outras oficinas gratuitamente com as escolas que o visitam como ainda oferece transporte para que elas venham ao museu. Agendamentos podem ser feitos pelo fone 3029.2900 ou e-mail museu@simers.org.br.

 

 

As aventuras de Biblos

Capa do livro "As aventuras de Biblos"


 

Páginas internas

Páginas internas


 

Oficina Biblos

Oficina de contação de histórias com Biblos

Escola Raul Pilla

 

Primeira turma a receber o livro após visitar o MUHM é da escola que leva o nome de um médico: Raul Pilla


Fotos e imagens - Divulgação MUHM (clique nas fotos e imagens para download)






Compartilhe:

09/06/2009 | Versão para Impressão

Museu abre no feriado de Corpus Christi

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul abrirá das 14h às 19h no feriado de Corpus Christi, permitindo aos visitantes mais uma oportunidade de conhecer as exposições "DESAFIOS: A Medicina e a luta pela vida" e "Espaços de Saúde e Memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre".

Neste dia 11 não  haverá Quintas no Museu, que retorna dia 18 de junho dando segmento ao ciclo Museus e Turismo com o palestrante Luis Gustavo Silva, coordenador do curso de Hotelaria da PUCRS falando sobre Museus e Cidades. O ciclo encerra no dia 25 de junho com a palestra "Novas tendências da museologia: interatividade, site museums e animação turística", a ser ministrada  pela professora Nadja da Silva Oliveira, do curso de Turismo da Universidade Metodista de São Paulo. Os palestrantes são especialmente convidados para o ciclo em vigor, coincidindo com o tema discutido nacionalmente em 2009 que é justamente "Museus e Turismo".


Compartilhe:

15/06/2009 | Versão para Impressão

Resultado do 1º Prêmio MUHM de Fotografia sai dia 19

1º Prêmio MUHMNa próxima sexta-feira (19) o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul publicará em seu site o resultado do 1º Prêmio MUHM de Fotografia. O processo de julgamento está em pleno andamento pela comissão composta pelo MUHM, seu mantenedor, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, e pelos fotógrafos Luiz Eduardo Achutti, Rogério Amaral Ribeiro e Felipe Henrique Gavioli.



Compartilhe:

15/06/2009 | Versão para Impressão

Prorrogada exposição Espaços de Saúde e Memória

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) prorrogou até 02 de julho a exposição "Espaços de Saúde e Memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre", em cartaz na sala Rita Lobato de terças a sextas-feiras, das 11h às 19h, sábados, domingos e feriados das 14h às 19h.

“Espaços de Saúde e Memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre” traz à luz a história de seis hospitais da cidade que possuem trabalhos de preservação da sua memória. Santa Casa de Misericórdia, Moinhos de Vento, Sanatório Partenon, São Pedro, Parque Belém e Beneficência Portuguesa são os hospitais que terão expostos, na Sala Rita Lobato do museu, documentos, fotos, objetos, livros e informações sobre sua história, que se confunde com a da Capital e daqueles que nasceram ou passaram por estes hospitais.

A mostra conta com materiais de todos os hospitais envolvidos, que vão desde pulmões que sofreram alterações e sequelas provocadas pela tuberculose (meados de 1940), do Sanatório Parque Belém até a réplica do livro de visitas assinado pela Princesa Isabel, pertencente ao Hospital Psiquiátrico São Pedro. Materiais utilizados para o tratamento de tuberculose do Sanatório Partenon e a Ata de Fundação da Sociedade Portuguesa de Beneficência também integram a mostra.

Exposições

A prorrogação traz ainda mais uma oportunidade ao visitante para conhecer a exposição de longa duração "DESAFIOS: A Medicina e a luta pela vida", que continua aberta a visitação no mesmo horário e aborda algumas das diversas transformações ao longo da História da Medicina. A busca por conhecimentos para desenvolver a saúde, combater as doenças, aliviar a dor, prolongar a vida e torná-la é mostrada em seis eixos: o conhecimento médico, os costumes, o diagnóstico, as especialidades, as causas das doenças e os tratamentos.

Na Sala Rita Lobato, onde hoje está a mostra “Espaços de Saúde e Memória”, será inaugurada, no dia 09 de julho, a exposição “As Faces da Saúde”, resultado do 1º Prêmio MUHM de Fotografia, concurso em nível nacional promovido pelo museu e seu mantenedor, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS).  


Compartilhe:

18/06/2009 | Versão para Impressão

Coordenador do curso de Hotelaria da PUCRS no ciclo Museus e Turismo

O Museu de História da Medicina do RS retoma hoje (18 de junho) às 18 horas o Ciclo Museus e Turismo do projeto Quintas no Museu, interrompido pelo Sarau Lírico e o feriado de Corpus Christi. O palestrante é Luis Gustavo Silva, coordenador do curso de Hotelaria da PUCRS, que falará sobre Museus e Cidades. A entrada é gratuita.

Luiz Gustavo Silva é bacharel em Turismo pela PUCRS, Mestre em
Planejamento Urbano e Regional pela Faculdade de Arquitetura da UFRGS e atualmente é professor dos cursos de Turismo e Hotelaria da Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia (FACE) da PUCRS. Atua como Coordenador do Laboratório de Hospitalidade e Turismo desde 2005 e Coordenador do Curso de Hotelaria desde 2006. Membro do Conselho Departamental FAMECOS de 2006 a 2008 e da FACE desde 2009. Atua ainda nas áreas de Hospitalidade, Acolhimento, Hospedagem, Organização de Eventos, Turismo Contemporâneo, Cidade, Cultura e Urbanismo.

O ciclo encerra na próxima quinta-feira, dia 25 de junho, com a
palestra "Novas tendências da museologia: interatividade, site museums e animação turística", a ser ministrada  pela professora Nadja da Silva Oliveira, do curso de Turismo da Universidade Metodista de São Paulo. Os palestrantes são especialmente convidados para o ciclo em vigor, coincidindo com o tema discutido nacionalmente em 2009 que é justamente "Museus e Turismo".

Mais informações pelo fone 51 3029.2900, pelo e-mail
museu@simers.org.br ou pelo site www.muhm.org.br.



Compartilhe:

24/06/2009 | Versão para Impressão

Cancelada inauguração da mostra Retratos em São Gabriel

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), em virtude da decisão da Prefeitura Municipal de São Gabriel e das circunstâncias que envolvem o monitoramento de casos da Gripe A no município vem a público informar o cancelamento do evento de inauguração da mostra Retratos da Medicina: A história Médica no Rio Grande do Sul, prevista para hoje (23) à noite.

O MUHM agradece a todos os parceiros e convidados que haviam confirmado a sua participação no evento, que poderá voltar a ocorrer em um futuro próximo.





Notícia anterior:

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura nesta terça-feira (23) às 19h30min no município de São Gabriel a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra acontece no Centro Clínico anexo ao Hospital Santa Casa (Rua Barão do Cambai, s/nº) e ficará aberta a visitação de 24 de junho a 24 de julho, de segunda a sexta-feira, das 15h às 18h. A iniciativa é do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 28 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII, com o apoio das Delegacias Regionais do Sindicato. Em São Gabriel a mostra conta ainda com o apoio da Associação Médica de São Gabriel, Ney Ramalho Laboratório de Análises Clínicas e Santa Casa de Caridade. 

A exposição chega a 2009 renovada pelas inclusões de informações sobre personagens que viveram nas cidades por onde passa. Outra novidade é o painel que permite aos visitantes assistir um vídeo sobre História da Medicina e ainda interagir, utilizando em si mesmos os estetoscópios disponíveis na mostra.

MD. Homero Lima MenezesEm São Gabriel os visitantes poderão conhecer biografias locais como a dos médicos Francisco de Paula Moreira Leivas, Homero Lima Menezes (foto), João Lisboa Netto, Oswaldo Passos D´utra e Dirceu Abreu Menna Barreto, além de informações sobre a Santa Casa.

Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina. 


Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado. 

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações de materiais, documentos, fotos e livros sobre a medicina. Interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro. 



Compartilhe:

09/07/2009 | Versão para Impressão

As Faces da Saúde: divulgado resultado do 1º Prêmio MUHM de Fotografia

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) publicou nesta sexta-feira (19) em seu site (www.muhm.org.br) o resultado do 1º Prêmio MUHM de Fotografia, que premia fotógrafos profissionais e amadores com registros sobre prédios de hospitais, centros e postos de saúde, atendimento médico, pacientes, entre outros, de todo o Brasil. Os três primeiros colocados de cada categoria receberão prêmios que chegam a R$ 3 mil, no caso do vencedor da categoria profissional. Os trabalhos foram julgados por integrantes do MUHM, de seu mantenedor, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, e pelos fotógrafos Luiz Eduardo Achutti, Rogério Amaral Ribeiro e Felipe Henrique Gavioli. O resultado do prêmio poderá ser conferido na exposição “As Faces da Saúde”, que inaugura no dia 09 de julho na Sala Rita Lobato do MUHM (av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre), na qual os dez primeiros colocados de cada categoria terão suas fotografias vencedoras compondo a mostra.

A ampla participação de fotógrafos profissionais de outros estados foi destacada pelo diretor do MUHM, o historiador Éverton Quevedo. De acordo com ele, o objetivo do concurso foi o de instigar, a partir da fotografia, reflexões sobre a saúde, do ponto de vista da universalidade do acesso, em todo o país. O incentivo deu certo: na categoria profissional, nove dos dez premiados são de outros estados. “O fato do prêmio ser nacional também foi decorrente de um projeto de uma rede nacional de Museus de História da Medicina que o MUHM está capitaneando”, acrescenta o historiador, em referência ao projeto da também historiadora Juliane Serres, diretora de projetos do museu. Na categoria amador os fotógrafos de Porto Alegre foram maioria. No total, foram 63 inscritos, que podiam enviar até cinco trabalhos para concorrer ao prêmio.

Os vencedores receberão uma comunicação e-mail do museu com maiores informações sobre os procedimentos para ter acesso aos prêmios. Mais informações pelo site www.muhm.org.br, pelo e-mail museu@simers.org.br ou pelo fone (51) 3029.2900.

Categoria Profissional

1º Lugar
Joel Rocha
Curitiba/PR
Médico de Família

2º Lugar
Luiz Fernando da Silva Gomes
Porto Alegre/RS
Cirurgia I

3º e 4º Lugares
Evilázio Moreira Bezerra Filho
Fortaleza/CE
Pacientes Solitários e O Menino e a Rainha do Maracatu no hospital (respectivamente)

5º Lugar
Elisa Elsie Costa Batista da Silva
Natal/RN
A Espera

6º Lugar
Renato Nogueira de Araújo
Brasília/DF
A Espera

7º Lugar
André François Júnior
São Paulo/SP
“...criança já adormecida”

8º Lugar
Aelson Faria Amaral
Juiz de Fora/MG
Me salva Doutor! II

9º Lugar
Felipe Silveira Cohen
Rio de Janeiro/RJ
Olhos nos olhos

10º Lugar
Diego Baloisera Redel
Florianópolis/SC
A Gotinha Milagrosa

 

Categoria Amador

1º Lugar
Leniée Campos Maia
Recife/PE
Ambulatório de Nefrologia – Humanizando através da arte

2º Lugar
Bruno Alencastro
Canoas/RS
Ocular

3º Lugar
Regys Loureiro de Macedo
Rio Grande/RS
Satisfação

4º Lugar
Emerson Machado
Porto Alegre/RS
Rastros e Sombras

5º Lugar
Lizete Dias de Oliveira
Porto Alegre/RS
“... e o rosto do confinamento”

6º Lugar
Rodrigo Crespo Pont Beheregaray
Porto Alegre/RS
Passagem de luz e de fé no Hospital Santa Clara

7º Lugar
Luciano Silveira Eifler
Porto Alegre/RS
Enfermeira

8º Lugar
Walter Karwatzki
Porto Alegre/RS
O Exame

9º Lugar
Andiara Guerreiro C. Machado
Brasília/DF
Passatempo

10º Lugar
Antônio Francisco Felippe
Pirassununga/SP
“Sem título”

 

Fotos do processo de julgamento

Julgamento Julgamento



Compartilhe:

01/07/2009 | Versão para Impressão

Sarau Lírico de julho apresenta o duo Kurtz-Morejano

Programa do Sarau LíricoO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) apresenta na primeira quinta-feira de julho (02) Sarau Lírico com a soprano Luísa Kurtz e o pianista Carlos Morejano, que apresentarão obras de Bellini, Tosti, Granados, Carlos Gomes, Puccini, Verdi e Donizetti. Os Saraus Líricos acontecem sempre na 1ª quinta-feira do mês dentro do projeto Quintas no Museu, com eventos realizados sempre às 18 horas na sala Rita Lobato do MUHM, que fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A entrada é gratuita e há estacionamentos próximos ao local.

Os saraus contam com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. Nas outras quintas-feiras acontecem ciclos de palestras com assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, entre outros temas.

Duo Kurtz-Morejano (clique para acessar o programa)

O duo de Canto e Piano formado pela soprano Luísa Kurtz e pelo pianista Carlos Morejano nasceu no ano de 2005, de uma parceria iniciada no período em que Carlos Morejano foi professor do Conservatório de Música da UFPel, onde atuou como repertorista e correpetidor de Luísa Kurtz, formada no curso de Bacharelado em Canto.

O repertório trabalhado pelo duo tem ênfase na música de câmara, procurando equilibrar o repertório tradicional, tão rico para este tipo de formação, com um repertório novo, merecedor da atenção do público. Entre as inúmeras apresentações do duo, destacam-se aquelas realizadas dentro dos Projetos Cultura Aberta e Arte aos 4 Ventos da Secretaria de Cultura de Pelotas (2006); da Feira do Livro de Pelotas (2006); do Projeto Musical Petropar, no Foyer Nobre do Theatro São Pedro (Porto Alegre, 2006); do “II Festival Jovens Intérpretes de Francisco Mignone”, no Espaço Cultural Finep (Rio de Janeiro, 2006); do Projeto Sete ao Entardecer, no Theatro Sete de Abril (2007); e no Studio Clio (Porto Alegre, 2008).

Em 2008, Luísa Kurtz e Carlos Morejano participaram do programa "Música e Músicos do Brasil", da Rádio MEC FM do Rio de Janeiro, onde apresentaram recital e foram entrevistados por Lauro Gomes.

Em dezembro do ano passado, levaram o trabalho do Duo para a Argentina, através de apresentação em Gala Lírica promovida pela Associação Amigos de Alfredo Kraus de Buenos Aires e, no início deste ano, para o Uruguai, através de apresentação dentro da programação cultural do Grande Hotel Argentino de Piriápolis.

Duo Kurtz-Morejano
Foto: Edgardo Iglesias/Divulgação - clique na foto para download

 


Compartilhe:

23/06/2009 | Versão para Impressão

Interatividade, site museums e animação turística encerra Ciclo Museus e Turismo

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) encerra nesta quinta-feira (25) o Ciclo Museus e Turismo com a palestra "Novas tendências da museologia: interatividade, site museums e animação turística", a ser ministrada  pela professora Nadja da Silva Oliveira, do curso de Turismo da Universidade Metodista de São Paulo. Os palestrantes são especialmente convidados para o ciclo em vigor, coincidindo com o tema discutido nacionalmente em 2009 que é justamente "Museus e Turismo".
As palestras fazem parte do projeto Quintas no Museu, que ocorre sempre às quintas-feiras, às 18 horas, na Sala Rita Lobato, na avenida Independência, 270, Centro de Porto Alegre. A entrada é gratuita e o museu fornece certificados de participação.  

Nadja da Silva Oliveira é bacharel em História pela Universidade de São Paulo, especialista em Planejamento Estratégico do Turismo pela USP, mestre de Ciências da Comunicação área de pesquisa Lazer e Turismo, doutoranda em Ciências da Religião, área de pesquisa Sociologia e Antropologia, com a proposta de projeto Turismo religioso. Atualmente é professora do curso de Turismo da Universidade da Universidade Metodista de São Paulo, responsável pelos projetos de extensão do curso de Turismo da universidade e integrante do Projeto de Educação Caminhos do Futuro do Ministério do Turismo.

A programação completa está disponível também em http://www.muhm.org.br. Mais informações pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br.

Ciclo Museus e Turismo


Compartilhe:

24/06/2009 | Versão para Impressão

MUHM sedia oficina de Noções Básicas de Museologia

O governo do Estado do Rio Grande do Sul, por meio da Secretaria da Cultura e do Sistema Estadual de Museus (SEM/RS), em conjunto com o Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) e a 1ª Região Museológica do SEM/RS promovem, de 14 a 15 de julho, a oficina Noções Básicas de Museologia, que será realizada na sede do MUHM. As vagas são limitadas e as inscrições são gratuitas para estudantes de museologia. Integrantes de museus cadastrados no SEM/RS pagam R$ 5,00 e não cadastrados R$ 10,00. A ficha de inscrição e a programação estão disponíveis no site www.muhm.org.br.

O quê: Oficina de Noções Básicas de Museologia
Ministrante: Valéria Regina Abdalla Farias, Museóloga, Professora do Curso de Museologia da UFRGS
Data: 14 e 15 de julho de 2009
Horário: das 9h às 12h e das 13h30min às 17h

Local: Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul - MUHM
Endereço: Av. Independência, 270 - Centro - Porto Alegre RS

Investimento: 
Estudantes do Curso de Museologia - Isentos
Museus cadastrados no SEM/RS - R$ 5,00 (cinco reais)
Instituição não cadastrada no SEM/RS, demais profissionais e estudantes - R$ 10,00 (dez reais)   
Inscrições e Informações: fone/fax (51) 3286 2037 - e-mail: semrs@via-rs.net (preencher ficha de inscrição e remeter).
 
Vagas Limitadas
                                          
Ementa: 
Dia 14/07 - Manhã - Patrimônio Cultural - O que é Patrimônio; Preservação do Patrimônio Cultural.       

Tarde - Museu e Museologia - Conceitos de Museu; Tipologias de Museu; Os museus na contemporaneidade; Campo de atuação da Museologia.

Dia 15/07 
Manhã - Introdução à Gestão de Museus - Criação de museus: documentos essenciais; Museus: estrutura organizacional, funcionamento, gestão de pessoas, gestão financeira.

Tarde - Continuação - Plano Museológico

Realização: Secretaria de Estado da Cultura do RS, através do Sistema Estadual de Museus/RS, Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul e 1ª Região Museológica do SEM/RS.

 



Compartilhe:

01/07/2009 | Versão para Impressão

Sarau Lírico e encerramento da mostra "Espaços de Saúde e Memória"

Programa do Sarau LíricoA exposição "Espaços de Saúde e Memória: Hospitais Históricos de Porto Alegre", em cartaz na sala Rita Lobato do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), encerra na próxima quinta-feira (02), em noite que também terá a apresentação do Sarau Lírico mensal do museu - que nesta edição apresenta duo com a soprano Luísa Kurtz e o pianista Carlos Morejano, que apresentarão obras de Bellini, Tosti, Granados, Carlos Gomes, Puccini, Verdi e Donizetti. A mostra que encerra nesta quinta-feira apresenta a história de seis hospitais da cidade que possuem trabalhos de preservação da sua memória. Santa Casa de Misericórdia, Moinhos de Vento, Sanatório Partenon, São Pedro, Parque Belém e Beneficência Portuguesa. A exposição que sucede a mostra sobre os hospitais inaugura dia 09 de julho, às 18 horas, com o tema "As Faces da Saúde".

Os Saraus Líricos acontecem sempre na 1ª quinta-feira do mês dentro do projeto Quintas no Museu, com eventos realizados sempre às 18 horas na sala Rita Lobato do MUHM, que fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A entrada é gratuita e há estacionamentos próximos ao local.

O Quintas no Museu - Sarau Lírico conta com o apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS). Nas outras quintas-feiras acontecem ciclos de palestras com assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, entre outros temas. O próximo ciclo abordará a fotografia do ponto de vista museológico, histórico e documental.

Duo Kurtz-Morejano (clique para acessar o programa)

O duo de Canto e Piano formado pela soprano Luísa Kurtz e pelo pianista Carlos Morejano nasceu no ano de 2005, de uma parceria iniciada no período em que Carlos Morejano foi professor do Conservatório de Música da UFPel, onde atuou como repertorista e correpetidor de Luísa Kurtz, formada no curso de Bacharelado em Canto.

O repertório trabalhado pelo duo tem ênfase na música de câmara, procurando equilibrar o repertório tradicional, tão rico para este tipo de formação, com um repertório novo, merecedor da atenção do público. Entre as inúmeras apresentações do duo, destacam-se aquelas realizadas dentro dos Projetos Cultura Aberta e Arte aos 4 Ventos da Secretaria de Cultura de Pelotas (2006); da Feira do Livro de Pelotas (2006); do Projeto Musical Petropar, no Foyer Nobre do Theatro São Pedro (Porto Alegre, 2006); do “II Festival Jovens Intérpretes de Francisco Mignone”, no Espaço Cultural Finep (Rio de Janeiro, 2006); do Projeto Sete ao Entardecer, no Theatro Sete de Abril (2007); e no Studio Clio (Porto Alegre, 2008).

Em 2008, Luísa Kurtz e Carlos Morejano participaram do programa "Música e Músicos do Brasil", da Rádio MEC FM do Rio de Janeiro, onde apresentaram recital e foram entrevistados por Lauro Gomes.

Em dezembro do ano passado, levaram o trabalho do Duo para a Argentina, através de apresentação em Gala Lírica promovida pela Associação Amigos de Alfredo Kraus de Buenos Aires e, no início deste ano, para o Uruguai, através de apresentação dentro da programação cultural do Grande Hotel Argentino de Piriápolis.


Duo Kurtz-Morejano
Foto: Edgardo Iglesias/Divulgação - clique na foto para download

 


Compartilhe:

22/07/2009 | Versão para Impressão

MUHM inaugura exposição "As Faces da Saúde"

As Faces da SaúdeA exposição “As Faces da Saúde”, que inaugura no dia 09 de julho às 18 horas no Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) é o resultado do 1º Prêmio MUHM de Fotografia, concurso nacional promovido pelo museu e por seu mantenedor, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS). A iniciativa premia fotógrafos profissionais e amadores com registros sobre hospitais, centros e postos de saúde, atendimento médico, pacientes, entre outros, de todo o Brasil. A mostra inaugura na Sala Rita Lobato do MUHM, e vai mostrar os dez primeiros trabalhos colocados em cada categoria, com destaque para os três primeiros, que também recebem prêmios em dinheiro. A fotografia também é o mote do ciclo de palestras que inicia na semana seguinte à inauguração, com abordagens sobre a foto do ponto de vista histórico, museológico e documental. Os nomes dos fotógrafos e dos trabalhos vencedores estão disponíveis no site www.muhm.org.br, mas as imagens serão conhecidas pelo público somente a partir do dia da inauguração.

Participantes de todo o Brasil
A ampla participação de fotógrafos profissionais de outros estados foi destacada pelo diretor do MUHM, o historiador Éverton Quevedo. De acordo com ele, o objetivo do concurso foi o de instigar, a partir da fotografia, reflexões sobre a saúde, do ponto de vista da universalidade do acesso, em todo o país. O incentivo deu certo: na categoria profissional, nove dos dez premiados são de outros estados. “O fato do prêmio ser nacional também foi decorrente de um projeto de uma rede nacional de Museus de História da Medicina que o MUHM está capitaneando”, acrescenta o historiador, em referência ao projeto da também historiadora Juliane Serres, diretora de projetos do museu. Na categoria amador os fotógrafos de Porto Alegre foram maioria. No total, foram 63 inscritos, que podiam enviar até cinco trabalhos para concorrer ao prêmio.

Comissão Julgadora
Os trabalhos foram julgados por integrantes do MUHM, de seu mantenedor, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, e pelos fotógrafos Luiz Eduardo Achutti, Rogério Amaral Ribeiro e Felipe Henrique Gavioli.

O MUHM fica na avenida Independência, 270 - prédio histórico da Beneficência Portuguesa, no Centro de Porto Alegre. O horário de visitação do museu é de terças a sextas-feiras das 11h às 19h, sábados, domingos e feriados das 14h às 19h e a entrada é gratuita. Agendamentos de escolas e grupos podem ser feitos pelo fone (51) 3029-2900 ou pelo e-mail educativo.museu@simers.org.br.

As Faces da Saúde 



Compartilhe:

16/07/2009 | Versão para Impressão

Retratos da Medicina em São Gabriel

Retratos da Medicina em São Gabriel

Veja como foi




------------------

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura no dia 14 de julho às 19h30min no município de São Gabriel a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A inauguração estava prevista anteriormente para 23 de junho, suspensa devido a um decreto do prefeito municipal que proibia a realização de eventos na cidade como forma de prevenir a disseminação da gripe A. A mostra acontece no Centro Clínico anexo ao Hospital Santa Casa (Rua Barão do Cambai, s/nº) e ficará aberta a visitação até 24 de julho, de segunda a sexta-feira, das 15h às 18h. A iniciativa é do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 28 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII, com o apoio das Delegacias Regionais do Sindicato. Em São Gabriel a mostra conta ainda com o apoio da Associação Médica de São Gabriel, Ney Ramalho Laboratório de Análises Clínicas e Santa Casa de Caridade. 

A exposição chega a 2009 renovada pelas inclusões de informações sobre personagens que viveram nas cidades por onde passa. Outra novidade é o painel que permite aos visitantes assistir um vídeo sobre História da Medicina e ainda interagir, utilizando em si mesmos os estetoscópios disponíveis na mostra.

MD. Homero Lima MenezesEm São Gabriel os visitantes poderão conhecer biografias locais como a dos médicos Francisco de Paula Moreira Leivas, Homero Lima Menezes (foto), João Lisboa Netto, Oswaldo Passos D´utra e Dirceu Abreu Menna Barreto, além de informações sobre a Santa Casa.

 

Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina. 


Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado. 

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações de materiais, documentos, fotos e livros sobre a medicina. Interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro. 



Compartilhe:

13/07/2009 | Versão para Impressão

Convênio garante digitalização de teses do Centro de Estudos do Sanatório Parque Belém

Na próxima segunda-feira (13) às 9h o Museu de História da Medicina do RS (MUHM), seu mantenedor, o Sindicato Médico do RS (SIMERS) e o Hospital Parque Belém assinam acordo de cooperação para promover a higienização e organização da biblioteca do Centro de Estudos do hospital, além de garantir a digitalização das teses e documentos históricos para fins de preservação e divulgação desses acervos. O material digitalizado será posteriormente colocado no site do MUHM. O ato de assinatura também inclui palestra da vice-presidente do SIMERS, MD. Maria Rita de Assis Brasil, que é a convidada do “Conversa com o Doutor”, evento que acontece com café da manhã no Anfiteatro do Hospital Parque Belém – av. Oscar Pereira, 8300, Belém Velho, 3º andar. O tema da palestra será “O Médico e a atividade sindical na conjuntura atual”.

Veja fotos do evento



Compartilhe:

13/07/2009 | Versão para Impressão

Inaugurada a exposição As Faces da Saúde

  As Faces da Saúde

Conheça os vencedores do 1º Prêmio MUHM de Fotografia e integrantes da mostra As Faces da Saúde.

 Clique para uma pequena mostra da exposição e 
para ver fotos da inauguração.



Saiba mais sobre a exposição e o prêmio.



Compartilhe:

21/07/2009 | Versão para Impressão

Ciclo de palestras sobre fotografia no Quintas no Museu de julho

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) abriu no dia 16, às 18 horas, o Ciclo Fotografia do projeto Quintas no Museu. A  primeira semana ficou a cargo da historiadora Alice Dubina Trusz com a palestra Considerações acerca da apropriação das imagens como fontes de pesquisa histórica. No dia 23 o fotógrafo Rogério do Amaral Ribeiro fala sobre Fotografia no Museu - preservação e divulgação. O ciclo encerra no dia 30 com a palestra Um passeio na iconografia fotográfica da La Salpêtrière nas representações da histeria, da historiadora Francisca Ferreira Michelon.


PROGRAMAÇÃO DO MÊS DE JULHO
QUINTAS NO MUSEU

Ciclo Fotografia - Quintas no Museu

16 de julho – 18 horas

Considerações acerca da apropriação das imagens como fontes de pesquisa histórica

Palestrante: Alice Dubina Trusz

Doutora em História pela UFRGS com ênfase em Cultura e Representações. Realizou estágio de doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris (2005-06).

Tem experiência de pesquisa em História Cultural e da Visualidade, com ênfase em História do Brasil República. Dedica-se especialmente à investigação dos processos históricos de produção, circulação e apropriação de registros visuais (imprensa diária e periódica ilustrada, fotografia, publicidade e cinema) e das práticas culturais que dinamizaram a experiência moderna nas sociedades urbanas, tomando por principal contexto de observação a cidade de Porto Alegre.

23 de julho – 18 horas

Fotografia no Museu - preservação e divulgação

Palestrante: Rogério do Amaral Ribeiro

Fotógrafo e Artista Plástico, Pós-graduado em Museologia-Patrimônio Cultural e Pedagogia da Arte, Bacharel em Artes Plástica com habilitação em Fotografia pela UFRGS. Diretor de Ensino e Comunicação da Escola de Fotografia Câmera Viajante em Porto Alegre.

30 de julho – 18 horas

Um passeio na iconografia fotográfica da La Salpêtrière nas representações da histeria

Palestrante: Francisca Ferreira Michelon

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Educação Artística pela Universidade Federal de Pelotas (1988), mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993) e doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2001).

Uma análise iconológica de 15 fotografias que compõem a obra "Iconographie photographique de La Salpêtrière", que reúne fotografias que Londe realizou para o estudo de Charcto sobre a histeria na década 80 do Séc. XIX, com ênfase às fotografias de Augustine,a paciente mais retratada na iconografia. A análise buscará evidenciar a técnica empregada para o registro em conformidade com alguns princípios que pautam a leitura dos procedimentos científicos no período e, em especial, os procedimentos de Charcot. A análise pontua dois estudos: o de George Didi-Hubermann que propõe a invenção da histeria e de Andrian Gramary que discute a iconografia a partir de vários conceitos, inclusive o de Didi-Huberman. O foco da apresentação é compreender o papel que a fotografia desempenhou nesse contexto científico.



Compartilhe:

03/08/2009 | Versão para Impressão

Retratos da Medicina em Rosário do Sul

» Veja como foi.
Retratos da Medicina em Rosário do Sul

O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura no dia 28 de julho às 19 horas no município de Rosário do Sul a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história Médica do Rio Grande do Sul. A mostra acontece no Museu Municipal General Honório Lemes (Rua João Brasil, 803 - Centro) e ficará aberta a visitação até 21 de agosto de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. A iniciativa é do MUHM e do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e já percorreu 29 cidades gaúchas com fotografias, livros e materiais que contam um pouco sobre a trajetória médica no Estado desde o século XVIII, com o apoio das Delegacias Regionais do Sindicato. Em Rosário do Sul a mostra conta ainda com o apoio da Sociedade de Medicina e Unicred.

A exposição chega a 2009 renovada pelas inclusões de informações sobre personagens que viveram nas cidades por onde passa. Outra novidade é o painel que permite aos visitantes assistir um vídeo sobre História da Medicina e ainda interagir, utilizando em si mesmos os estetoscópios disponíveis na mostra.

Retratos da Medicina é dividida em quatro partes: a prática médica - presença dos primeiros médicos em território gaúcho; o ensino médico - pelo relato das primeiras escolas no Brasil e no Rio Grande do Sul; a defesa da profissão e organização sindical; e, finalmente, os personagens da história da medicina.

Quem visitar a mostra vai encontrar objetos do acervo do MUHM, como fórceps, instrumentos cirúrgicos, bisturis e afastadores, estojos oftalmológicos, um microscópio e um eletrocardiógrafo. O acervo completo do museu conta com mais de 2 mil objetos museológicos, aproximadamente 5 mil livros e 10 mil documentos, entre raridades nacionais e estrangeiras e amplo material digitalizado para pesquisa, composto por doações de profissionais e familiares de todo o Estado.

O acervo do MUHM é formado basicamente por doações de materiais, documentos, fotos e livros sobre a medicina. Interessados podem entrar em contato com a equipe do museu pelo fone (51) 3029.2900 ou pelo e-mail museu@simers.org.br, ou diretamente na sede em Porto Alegre, que fica na avenida Independência, 270, Centro. 

Rosário do Sul



Compartilhe:

21/07/2009 | Versão para Impressão

"O Surgimento da Clínica" e "A Dor e o Idoso": palestras da Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina

A pedido da Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina o MUHM divulga e convida para a palestra aberta ao público a realizar-se no dia 25 de julho de 2009 às 10h no Anfiteatro do Conselho Regional de Medicina (Cremers), na av. Princesa Isabel, 921. Os palestrantes são o Prof. Carlos A. Gottschall, que abordará o tema "O Surgimento da Clínica", e a Prof.ª Mirian Martelete sobre "A Dor e o Idoso".  Mais informações pelo fone (51) 3217-0666.

Baixe a programação aqui.

Veja outros eventos e atividades da área no link GT História e Saúde.



Compartilhe:

21/07/2009 | Versão para Impressão

Rogério do Amaral Ribeiro aborda a fotografia no Museu: preservação e divulgação

Na próxima quinta-feira (23) às 18 horas acontece, no Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM-RS), a segunda palestra do Ciclo Fotografia do projeto Quintas no Museu, que nesta semana traz o fotógrafo Rogério do Amaral Ribeiro para falar sobre “Fotografia no Museu - preservação e divulgação”. O palestrante é fotógrafo e artista plástico, pós-graduado em Museologia-Patrimônio Cultural e Pedagogia da Arte, bacharel em Artes Plásticas com habilitação em Fotografia pela UFRGS. Diretor de Ensino e Comunicação da Escola de Fotografia Câmera Viajante em Porto Alegre.

A primeira semana teve a historiadora Alice Dubina Trusz com a palestra “Considerações acerca da apropriação das imagens como fontes de pesquisa histórica”. O ciclo encerra no dia 30 com a palestra Um passeio na iconografia fotográfica da La Salpêtrière nas representações da histeria, da historiadora Francisca Ferreira Michelon.

O ciclo acontece no período em que está aberta a visitação a exposição fotográfica “As Faces da Saúde”, resultado da primeira edição do Prêmio MUHM de Fotografia, com trabalhos de profissionais e amadores de todo o país. A mostra conta com 20 fotografias finalistas do 1º Prêmio MUHM de Fotografia, concurso nacional promovido pelo museu e por seu mantenedor, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS),além de um vídeo com imagens participantes do concurso. A expografia e um jogo interativo completam a ligação entre as fotos e o tema “faces” da saúde. No site www.muhm.org.br estão disponíveis os trabalhos vencedores, fotos da inauguração e o vídeo editado por Felipe Henrique Gavioli, foto-documentarista e um dos jurados do concurso. Até 10 de outubro.

A instituição museológica fica no Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa, Av. Independência, 270, Porto Alegre – RS. Informações no portal: http://www.muhm.org.br ou no (51) 3029-2900.


PROGRAMAÇÃO DO MÊS DE JULHO
QUINTAS NO MUSEU

Ciclo Fotografia - Quintas no Museu

16 de julho – 18 horas

Considerações acerca da apropriação das imagens como fontes de pesquisa histórica

Palestrante: Alice Dubina Trusz

Doutora em História pela UFRGS com ênfase em Cultura e Representações. Realizou estágio de doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris (2005-06).

Tem experiência de pesquisa em História Cultural e da Visualidade, com ênfase em História do Brasil República. Dedica-se especialmente à investigação dos processos históricos de produção, circulação e apropriação de registros visuais (imprensa diária e periódica ilustrada, fotografia, publicidade e cinema) e das práticas culturais que dinamizaram a experiência moderna nas sociedades urbanas, tomando por principal contexto de observação a cidade de Porto Alegre.

23 de julho – 18 horas

Fotografia no Museu - preservação e divulgação

Palestrante: Rogério do Amaral Ribeiro

Fotógrafo e Artista Plástico, Pós-graduado em Museologia-Patrimônio Cultural e Pedagogia da Arte, Bacharel em Artes Plástica com habilitação em Fotografia pela UFRGS. Diretor de Ensino e Comunicação da Escola de Fotografia Câmera Viajante em Porto Alegre.

30 de julho – 18 horas

Um passeio na iconografia fotográfica da La Salpêtrière nas representações da histeria

Palestrante: Francisca Ferreira Michelon

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Educação Artística pela Universidade Federal de Pelotas (1988), mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993) e doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2001).

Uma análise iconológica de 15 fotografias que compõem a obra "Iconographie photographique de La Salpêtrière", que reúne fotografias que Londe realizou para o estudo de Charcto sobre a histeria na década 80 do Séc. XIX, com ênfase às fotografias de Augustine,a paciente mais retratada na iconografia. A análise buscará evidenciar a técnica empregada para o registro em conformidade com alguns princípios que pautam a leitura dos procedimentos científicos no período e, em especial, os procedimentos de Charcot. A análise pontua dois estudos: o de George Didi-Hubermann que propõe a invenção da histeria e de Andrian Gramary que discute a iconografia a partir de vários conceitos, inclusive o de Didi-Huberman. O foco da apresentação é compreender o papel que a fotografia desempenhou nesse contexto científico.

 



Compartilhe:

24/07/2009 | Versão para Impressão

"Um passeio na iconografia fotográfica da La Salpêtrière nas representações da histeria" é o tema da palestra do dia 30 no Quintas no Museu

Na próxima quinta-feira (30) às 18 horas acontece, no Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM-RS), a última palestra do Ciclo Fotografia do projeto Quintas no Museu, que nesta semana traz a palestra “Um passeio na iconografia fotográfica da La Salpêtrière nas representações da histeria”, da historiadora Francisca Ferreira Michelon.

A historiadora possui graduação em Licenciatura Plena Em Educação Artística pela Universidade Federal de Pelotas (1988), mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993) e doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2001).

A palestra é uma análise iconológica de 15 fotografias que compõem a obra "Iconographie photographique de La Salpêtrière", que reúne fotografias que Londe realizou para o estudo de Charcto sobre a histeria na década 80 do Séc. XIX, com ênfase às fotografias de Augustine,a paciente mais retratada na iconografia. A análise buscará evidenciar a técnica empregada para o registro em conformidade com alguns princípios que pautam a leitura dos procedimentos científicos no período e, em especial, os procedimentos de Charcot. A análise pontua dois estudos: o de George Didi-Hubermann que propõe a invenção da histeria e de Andrian Gramary que discute a iconografia a partir de vários conceitos, inclusive o de Didi-Huberman. O foco da apresentação é compreender o papel que a fotografia desempenhou nesse contexto científico.

Ciclo Fotografia - Quintas no Museu



Compartilhe:

10/08/2009 | Versão para Impressão

Sarau Lírico do mês traz o tenor Juremir Vieira e o pianista Leandro Faber

Sarau Lírico



Veja como foi:

Sarau Lírico de agosto no Museu de História da Medicina do RS


O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) apresenta na primeira quinta-feira de agosto (06) Sarau Lírico com o tenor Juremir Vieira e o pianista Leandro Faber, que apresentarão obras de Leoncavallo, Ernesto De Curtis, Gastaldon, Di Capua, Verdi, Puccini e Franz Lehar. Os Saraus Líricos acontecem sempre na 1ª quinta-feira do mês dentro do projeto Quintas no Museu, com eventos realizados sempre às 18 horas na sala Rita Lobato do MUHM, que fica na av. Independência, 270, Centro de Porto Alegre (Prédio Histórico do Hospital Beneficência Portuguesa). A entrada é gratuita e há estacionamentos próximos ao local.

Os saraus contam com apoio da Associação Gaúcha de Cultura Musical, e do mantenedor do MUHM, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul. Nas outras quintas-feiras acontecem ciclos de palestras com assuntos como medicina, literatura, história, saúde, turismo, ensino e cultura, entre outros temas. 


Programa do Sarau Lírico de Agosto


MATTINATA
(Ruggero Leoncavallo)

NON TI SCORDAR DI ME
(Ernesto De Curtis)

MUSICA PROIBITA
(Stanislao Gastaldon)

O SOLE MIO
(Eduardo Di Capua)

GRANADA
(Agustin Lara)

QUESTA O QUELLA (Rigoletto)
(Giuseppe Verdi)

LA DONNA E MOBILE (Rigoletto) 
(Giuseppe Verdi)

RECONDITA ARMONIA (Tosca)
(Giacomo Puccini)

DEIN IST MEIN GANZES HERZ (O País dos Sorrisos)
(Franz Lehar)

 


Juremir Vieira, Tenor

Começou no Coral da PUCRS, participou de diversos corais de câmera e também de música renascentista. Seguiu sua formação com a soprano Lori Keller, na Escola de Música da OSPA, em 1991. Fez seu debut artístico em 1989, em Porto Alegre , nos papéis de Borsa em Rigoletto e Monostatos, na Flauta Mágica, de Mozart. Em seguida protagonizou Il matrimonio secreto, de Cimarosa, em Um romance gaúcho, de Tasso Rangel, em Cosí fan tutte  e em  La Bohème. Em 1992 venceu o Concurso Jovens Solistas da OSPA e o 1º Concurso Nacional de Canto Lírico Carlos Gomes, no Rio de Janeiro. A partir de 1991 passou a cantar óperas, concertos e oratórios em Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis,  Belo Horizonte,  São Paulo  e  Ma-naus, dirigido pelos maestros Túlio Belardi, David Machado, A. Escobar, H. Morelembaum,  T. Tibiriçá,  Júlio Medagila, Tiago Flores, Ian Bressan,  Luiz Malheiro, Silvio Barbato,   Frederico Gerling Júnior,   Roberto Duarte,  John Neschling e Isaac Karabtchevsky. Em 1995 foi um dos vencedores do Concurso Luciano Pavarotti International Voice Competition na Philadelphia, EUA. No ano seguinte foi escolhido pessoalmente por Luciano Pavarotti para cantar os papéis de Edgardo em Lucia de Lammermoor e o de Mario Cavaradossi em Tosca dando início à carreira internacional. Fixado na Suíça, passou a desenvolver intensa atividade operística também em cidades da Irlanda, Bélgica, Itália, Áustria, Sérvia, Romênia, França e Alemanha. Seu repertório incluiu as óperas Fausto, Madama Butterfly, Simon Bocanegra. La Traviata, Carmen, Attila, O Morcego, Rigoletto, La Bohème, O Cavaleiro da Rosa,  Nabucco, Os Contos de Hoffmann, Norma, Macbeth, Tosca, Turandot,  Gianni Schicchi, Luisa Miller, Lucia de Lammermoor e A Dama de Espadas. 



Leandro Faber, Pianista

Bacharel em Música pela UFSM, onde atuou como Professor de Piano e Acompanhamento, Análise Musical,História e Literatura do Piano, e regente da Orquestra Sinfônica e o Grupo de Percussão. Camerista e Acompanhador, apresentou-se em várias cidades no Brasil, Argentina, Uruguai e Alemanha, aperfeiçoando-se na Escola Superior de Música de Karlsruhe. Possui mais de 1300 apresentações e participação em 9 Cd’s. Atualmente rege quatro Corais em Santa Maria. Destaca-se na especialidade Acompanhamento e Correpetição (instrumentos de cordas, madeiras, metais e percussão) e na área do canto lírico e como “adviser” - Prêmio Especial no IV Concurso Internacional de Canto “Bidu Sayão”.



Compartilhe:

10/08/2009 | Versão para Impressão

MUHM sedia curso de fotografia aplicada a acervos

O Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) sedia, nas terças e sextas-feiras de 21 de agosto a 04 de setembro, o Curso de Fotografia Aplicada a Acervos, ministrado por Sérgio Sakakibara, professor de fotografia do Instituto de Artes da UFRGS. A iniciativa é uma promoção da 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus (SEM/RS) e Secretaria da Cultura, além do próprio MUHM e da Casa de Cultura Mario Quintana, que sediará um dos dias do curso em que há aula prática. O curso é voltado para integrantes de museus da 1ª Região Museológica, que congrega mais de 90 instituições das Regiões Metropolitana e Carbonífera e Litoral Norte. Cada instituição pode enviar um representante para as 30 vagas desta edição do curso, que é gratuito. A ficha de inscrição pode ser obtida pelo site www.muhm.org.br

O curso apresenta técnicas básicas de fotografia digital abordando o uso da fotografia no cotidiano de um acervo. Serão trabalhados aspectos como o uso da câmera, controles básicos, transferência para o computador, tratamentos essenciais, uso de metadados, arquivamento e conservação. Digitalização por scanner e registro de objetos bidimensionais, tridimensionais, ambientes e eventos também serão temas abordados no curso, que inclui ainda técnicas de impressão, montagem e iluminação de uma exposição. As aulas acontecem às terças e sextas-feiras nos dias 21, 25, 28 de agosto e 1º e 4 de setembro das 9 às 12h, totalizando 15 horas aula. Apenas a aula prática do dia 28 de agosto será na Casa de Cultura Mario Quintana.


SERVIÇO

Ministrante: Sérgio Sakakibara, prof. de fotografia IA-UFRGS

Locais:
Museu da História da Medicina do RS - Av. Independência, 270
A aula prática do dia 28 de agosto será na Casa de Cultura Mario Quintana - Rua dos Andradas 736, Sala C3, terceiro andar, ala Oeste.

Requisitos: Noções básicas de informática e possuir câmera digital simples (pode ser adquirida após a primeira aula).

Vagas: 30 – apenas para integrantes de museus da 1º Região, limitadas a um representante por museu

Certificados: fornecido a quem obtiver 75% de frequência

Inscrições: Gratuitas mediante envio de ficha de inscrição disponível em www.muhm.org.br para o endereço eventosmuseu@simers.org.br.

Promoção: 1ª Região Museológica do Sistema Estadual de Museus/RS - Secretaria de Estado da Cultura, MUHM e CCMQ


 



Compartilhe:

24/08/2009 | Versão para Impressão

Visitas de grupos e Quintas no Museu

24/08/2009

DESAFIOSAs visitas e agendamentos estão retornando à normalidade, exceto para as escolas que decidiram, por conta própria, retardar o retorno às aulas.

Na agenda do Quintas no Museu está confirmado o Sarau Lírico do dia 03 de setembro, devendo os ciclos de palestras retornarem a pleno no mês seguinte.





10/08/2009

Setor EducativoO Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) informa a suspensão temporária das visitas de escolas e dos ciclos de palestras Quintas no Museu, tendo em vista recomendações relativas à prevenção da Gripe A (H1N1).

A Direção do MUHM está acompanhando as orientações dos órgãos de saúde pública e as visitas agendadas para o período atual serão posteriormente reagendadas com as escolas dentro das possibilidades de calendário de ambas as partes, já que o reinício das aulas está postergado, em um primeiro momento, para o dia 17.

Os eventos do Quintas no Museu estão da mesma forma temporariamente suspensos, e tão logo a agenda retorne à normalidade o museu informará por este mesmo canal.

 

As visitações individuais e espontâneas continuam ocorrendo normalmente dentro do horário de funcionamento do museu, de terças a sextas-feiras das 11h às 19h e sábados, domingos e feriados das 14h às 19h.



Compartilhe:

18/08/2009 | Versão para Impressão

Historiadores do MUHM participam de ciclo de palestras na Faccat

No próximo dia 22 de agosto os historiadores do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM) Éverton Quevedo (Diretor) e Juliane Serres ministrarão palestra que integra o ciclo "O Trabalho do historiador além da sala de aula", que além de palestras engloba outros eventos nas Faculdades Integradas de Taquara (Faccat).

 

Segundo a professora Dalva Reinheimer, da coordenação do curso de História da Faccat, o tema vem ao encontro da necessidade de discutir as possibilidades profissionais dos alunos e futuros historiadores. “Os cursos de História possuem habilitação em licenciatura, mas a realidade impõe que este profissional atue na pesquisa em museus e arquivos históricos”, exemplifica. A professora acrescenta que o convite é um reconhecimento ao trabalho que vem sendo desenvolvido no MUHM, que conheceu através de uma visita. “Tive a oportunidade de conhecer o sistema, as exposições e a história do museu”, relata.

A palestra ocorrerá no salão de atos da Faculdade - Faculdades Integradas de Taquara - no dia 22 de agosto, às 10 horas. O público alvo são alunos de graduação, professores, funcionários de museus e centros de cultura da região de abrangência da Faccat e demais interessados pela temática.



Compartilhe:

02/09/2009 | Versão para Impressão

Exposição Retratos da Medicina chega a Santiago

Veja como foi:








Retratos da Medicina
O Museu de História da Medicina do RS (MUHM) inaugura dia 25 de agosto às 19 horas no Centro Cultural do Lions Club de Santiago (Rua Pinheiro Machado, 2291) a exposição itinerante Retratos da Medicina: A história M&e